Esporte

Rio Open quer mudança de piso para trocar Jockey pelo Parque Olímpico

05/12/2017 16h18

Rio de Janeiro, 5 dez (EFE).- O Rio Open de tênis viverá de 19 a 25 de fevereiro do ano que vem sua quinta edição, todas disputadas em saibro no Jockey Club Brasileiro, mas os organizadores não escondem o desejo de que o torneio da série ATP 500 seja disputado em quadra dura no Parque Olímpico, o que, em tese, atrairia um maior número de atletas de ponta.

"São dois assuntos independentes, mas interligados. A gente fazendo a alteração para quadra dura, fica complicado continuar no Jockey, porque aqui a estrutura é de quadras de saibro. A nossa intenção de mudar para quadra dura foi sempre para usar a estrutura do Parque Olímpico. A gente busca isso há algum tempo", disse nesta terça-feira o diretor do Rio Open, Luiz Carvalho, o Lui, durante o evento oficial de lançamento da edição de 2018 do evento.

Lui explicou que a mudança não é simples e depende de uma série de fatores envolvendo o calendário da ATP, que deverá passar por uma reformulação em 2019.

"Estamos empenhados, mas ainda não há novidades. Estamos nos reunindo com membros do conselho da ATP desde o Masters 1000 de Miami. Obviamente, este não é o único assunto do qual eles cuidam. Há torneios querendo se tornar evento de dez dias, casos de Roma e Madri. Xangai também. Há também o desejo da ATP de levantar um torneio de nações. Todas essas decisões impactam o calendário, e nós estamos no meio disso tudo. Estamos aguardando as próximas reuniões para ver o que vai acontecer", afirmou.

"Já foi falado tanto que fica uma coisa massiva de 'está tentando, está tentando', no gerúndio, mas realmente estamos nos esforçando e buscando formas disso acontecer, porque achamos as instalações incríveis. Há conversas avançadas com o Ministério, com a GLO, a gente tem se preparado para isso, mas está fora das nossas mãos. Precisa a ATP aprovar a mudança de piso para a gente fazer este movimento", completou o diretor, que admitiu que o desejo de troca de piso passa também pela possibilidade de seduzir algumas estrelas.

"A gente tentou o (Juan Martín) Del Potro, mas infelizmente ele não vai vir para 2018. Ele faz um calendário de quadra dura para essa época do ano. A gente está tentando fazer o movimento inverso, que é mudar o nosso piso para aí sim conversar com ele novamente. Ele disse que, se o piso mudar, vai jogar o Rio Open", revelou.

Por fim, Lui negou qualquer possibilidade de que o Masters 1000 de Miami seja rebaixado de categoria e que o Rio de Janeiro "herde" a vaga na série de torneios que dá mil pontos no ranking ao campeão.

"Há muita especulação quanto a Miami. Nós somos da mesma família, da IMG, e internamente sempre se soube que isso não era uma opção. Miami é um torneio de muitos anos de tradição, num mercado incrível para a ATP. Eles estão mudando de casa (deixará Key Biscayne para acontecer no Hard Rock Stadium). Eu vi o projeto, eles estão super empenhados, com uma logística incrível. A gente sempre focou mais na nossa parte, como fazer o nosso torneio crescer não necessariamente com uma data disponível, mas com melhores atletas, melhor estrutura", esclareceu.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo