Topo

Esporte

Diretor do PSG banca Emery até fim da temporada, mas evita falar de futuro

Franck Fife/AFP
Antero Henrique (à esq.) conversa com Nasser Al-Khelaifi, presidente do PSG, e Maxwell Imagem: Franck Fife/AFP

19/12/2017 10h48

Diretor-esportivo do Paris Saint-Germain, o português Arturo Henrique, afirmou, em entrevista publicada nesta terça-feira, que o espanhol Unai Emery comandará a equipe até o junho deste ano, mas se negou a falar sobre as próximas temporadas.

"Unai faz parte do grupo dos melhores técnicos do mundo. Como disse o presidente (Nasser Al-Khelaifi), estamos 200% com ele. Não temos nenhuma dúvida sobre ele. Tem toda nossa confiança", afirmou o dirigente, ao jornal francês "Le Parisien".

Henrique criticou a imprensa espanhola, apontando-a como responsável pelos rumores de demissão do comandante do PSG. A notícia, no entanto, foi veiculada primeiramente pelo jornal francês "L'Équipe" após a derrota por 3 a 1 para o Bayern de Munique, na Alemanha, pela última rodada da fase de grupos da Liga dos Campeões da Europa.

Questionado se o comandante do time de Neymar, suposto desafeto de Emery, vai continuar no clube nas próximas temporadas, o dirigente português preferiu desconversar e deixar o assunto em aberto.

"Estamos em meados de dezembro. Não é o momento de falar sobre esse assunto", disse.

Henrique, no entato, afirmou ter ficado muito satisfeito sobre a forma com que o espanhol geriu o conflito entre Neymar e o atacante uruguaio Edinson Cavani a respeito do cobrador oficial de pênaltis da equipe, que surgiu ainda no início da temporada.

"Não era um grande problema, Agora, o técnico decide antes de cada partida quem irá cobrar. Assim como nos escanteios e faltas", explicou o português.

O diretor-esportivo do clube da capital francesa ainda atacou o presidente da Liga de Futebol da Espanha, que gere as duas primeiras divisões do Campeonato Espanhol, pelas acusações de desrespeito ao Fair Play Financeiro da Uefa.

"O presidente da Liga critica muito a transferência de Neymar, mas não explica como o Barcelona comprou Neymar em 2013. Quanto foi pago de verdade por Neymar? No PSG, fazendo as coisas legalmente, pagando as cláusulas de rescisão", disparou.

Questionado sobre a possibilidade de ter de vender jogadores para se adequar às regras do Fair Play Financeiro, Henrique também despistou.

"Sabemos o que temos que fazer, mas nunca falarei de mercado antes da abertura da janela", declarou o dirigente.

Sobre a possibilidade de ser punido com a exclusão de competições europeias, Henrique comparou a atuação do PSG no mercado a um condutor que dirige em alta velocidade nas estradas.

"Não é porque você está dirigindo em uma rodovia a 140km/h que você acaba na prisão. Conhecemos nossas responsabilidades e estamos cientes da situação", comparou.

Mais Esporte