Topo

Esporte

Livro revela problemas no PSG após chegada de Neymar

Alain Jocard/AFP
Neymar durante apresentação no PSG Imagem: Alain Jocard/AFP

21/12/2017 11h47

A falta de sintonia entre Unai Emery e os seus jogadores e a troca de "poder" no vestiário parisiense pela chegada de Neymar são duas controvérsias abordadas no livro publicado na França "PSG, a virada não vai ocorrer" (PSG la remontada n'aura plus lieu).

A obra, publicada pela editora Marabout e assinada pelos jornalistas do jornal "l'Équipe" especializados no PSG Damien Degorre e Arnaud Hermant, mergulha nas entranhas do clube adquirido pelos catarianos em 2011 e repassa várias polêmicas que atingiram a equipe, algumas de conhecimento público e outras menos divulgadas.

A histórica eliminação nas oitavas de final da Liga de Campeões da temporada passada, quando o Barcelona eliminou o PSG depois de ter perdido o primeiro jogo por 4-0 e vencido o segundo por 6-1, ocupa um espaço central, bem como a contratação de Neymar, comprado do próprio Barça pela soma recorde de 222 milhões de euros.

Hermant, um dos autores, revelou à Agência Efe que a chegada de Neymar e de seu compatriota Dani Alves, procedente da Juventus, criou desavenças entre os atletas latinos de fala espanhola.

"Atualmente, embora não se possa falar de clãs, é certo que existe o grupo dos brasileiros e um dos outros sul-americanos", entre os quais estão o uruguaio Edinson Cavani e os argentinos Javier Pastore e Ángel di María.

"Não agradou o fato de Neymar e Alves se comportarem como chefes sem levar em conta os que já estavam no clube. As relações são cordiais, mas não de amizade", constatou o jornalista.

A relação de Emery com seus jogadores também aparece no livro, que cita as longas sessões de vídeos promovidas pelo treinador espanhol e que supostamente entediam os atletas.

Hermant contou que a relação do basco com o capitão da equipe, o brasileiro Thiago Silva, é "fria" desde que ocorreu em março a virada do Barcelona.

Na contratação recorde de Neymar se fala de três figuras fundamentais: o brasileiro Maxwell - que deixou o PSG em junho -; o representante de jogadores israelense Pini Zahavi; e o diretor esportivo do clube, o português Antero Henrique.

A obra revela que o PSG ainda não desfruta de nenhuma percentagem dos direitos de imagem de Neymar, apesar do alto desembolso que fez para contratá-lo e do elevado salário que paga ao atleta (30 milhões de euros líquidos por ano).
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte