Topo

Esporte

Fellaini reclama de tratamento na Inglaterra: "Fui chamado de assassino"

Fabrice Coffrini/AFP
Imagem: Fabrice Coffrini/AFP

28/12/2017 14h14

Londres, 28 dez (EFE).- O volante belga Marouane Fellaini, do Manchester United, vem se queixando de ser tratado de maneira injusta na Inglaterra e afirmou que vem sendo chamado de "agressivo" e até de "assassino".

"Fui chamado de agressivo e de assassino. Há uma regra para mim e outra para os outros jogadores. Houve muitas vezes em que fui o vilão e não deveria ter sido. O que eu devo fazer se me puxam o cabelo? Soa como brincadeira, mas realmente dói", comentou o belga em entrevista publicada pela emissora britânica "Sky Sports" nesta quinta-feira.

Em suas dez temporadas na Premier League, seis pelo Everton e quatro pelo United, Fellaini recebeu cartão vermelho apenas três vezes, a última em abril deste ano em clássico contra o Manchester City.

Em 2016, no entanto, foi suspenso por três jogos por dar uma cotovelada no zagueiro Robert Huth, do Leicester, que lhe havia puxado o cabelo.

"No ano passado, fui suspenso depois do clássico contra o City por ter acertado uma cabeçada em Agüero. No entanto, ele veio até mim e depois caiu como se tivesse levado um tiro. E fui eu quem levou o vermelho", reclamou Fellaini, que apresentou números em própria defesa.

"Os jogadores costumam se provocar, mas sabe quantos cartões amarelo eu recebi na última temporada? Quatro em 45 jogos. Nunca acabei com a carreira de ninguém", argumentou.

O atleta de 30 anos disputou somente 12 partidas nesta temporada devido a uma lesão no joelho, causada por uma entrada do atacante Shane Long, do Southampton, em setembro.

"Viram a sorte que tive? Poderia ter arrebentado meu joelho. Se não estivesse usando proteção, ele teria me quebrado e agora eu estaria fora por seis meses. Se fosse eu o autor de uma entrada dessas, me suspenderiam por três ou cinco jogos, mas ele apenas recebeu o amarelo, pediu desculpas e ficou por isso mesmo", criticou.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte