Topo

Esporte

Trump celebra que jogadores do Super Bowl não protestaram contra o racismo

Jonathan Ernst /Reuters
Trumo durante discurso Imagem: Jonathan Ernst /Reuters

06/02/2018 01h13

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se vangloriou na segunda-feira de que os jogadores presentes no Super Bowl, a decisão da principal liga de futebol americano (NFL), não protestaram contra o racismo no país, como fizeram várias vezes no ano passado, algo que ele classificou de antipatriótico.

"Somos uma equipe, um povo e uma família, e saudamos uma grande bandeira americana, e todos ficaram de pé ontem", disse Trump, durante uma visita a uma fábrica em Cincinnati, em Ohio.

"Não houve ninguém ajoelhado no início do Super Bowl. Melhoramos muito. Isso é uma ótima melhoria e foi um bom jogo", afirmou sobre a vitória do Philadelphia Eagles sobre o New England Patriots.

Durante o ano passado, Trump atacou os jogadores que se ajoelharam durante o hino antes do início das partidas, como protesto contra a injustiça racial nos Estados Unidos, e assegurou que deveriam ser demitidos por não mostrarem o devido respeito.

As palavras do presidente, que geraram uma enorme agitação na mídia, foram rejeitadas por grande parte dos jogadores e proprietários dos clubes da NFL, a liga de futebol americano, que se distanciaram enfatizando seu direito à liberdade de expressão.

Antes do início do jogo entre Eagles e Patriots, Trump emitiu um comunicado pedindo aos americanos que mostrassem espeito pela bandeira e o hino nacional.

"Nós devemos aos nossos heróis (das Forças Armadas) o maior respeito por defender a nossa liberdade e o nosso modo de vida americano", disse Trump.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte