Topo

Esporte

Murray pede que Reino Unido proíba importação de peles de animais após Brexit

12/03/2018 16h59

Edimburgo (R.Unido), 12 mar (EFE).- Um grupo de 30 ícones da ciência, da cultura e do esporte, entre eles o tenista escocês Andy Murray, pediu ao governo do Reino Unido para que proíba a importação de peles de animais após a saída do país da União Europeia (UE), prevista para março de 2019.

Em carta aberta publicada pelo jornal "The Telegraph", os signatários disseram que, após sair do bloco, o país recuperará o poder para proibir as importações de peles, medida que não pode tomar enquanto fizer parte da UE e, em consequência, do mercado único.

Entre os nomes mais conhecidos estão o da antropóloga Jane Goodall, famosa pelo extenso trabalho com primatas; as atrizes Judi Dench e Joanna Lumley; e a cantora Melanie C, ex-Spice Girls.

A carta chama a atenção para a contradição de ser proibida a criação de animais para fazer uso das suas peles, mas ser permitido que as peles possam ser importadas de outros países.

"Se é cruel demais que a pele seja produzida neste país, também é cruel vendê-la neste país", opinam os autores.

O texto acrescenta que essas peças de roupa são confeccionadas a partir de animais "que foram brutalmente eletrocutados ou asfixiados e, às vezes, inclusive esfolados vivos".

"Suportam tudo isto para depois transformar a sua pele numa guarnição frívola para um chapéu, casaco, sapatos ou bolsas. Não deveríamos comercializar o sofrimento", afirmam os signatários.

Uma porta-voz do ministério de Meio Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais disse que após o divórcio de Bruxelas, o Reino Unido terá "uma oportunidade única para garantir os padrões mais altos em todas as áreas de bem-estar animal". Segundo várias pesquisas, cerca de 69% da população apoiaria a proibição de importar peles animais. EFE

rc/vnm

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte