Topo

Esporte

Marrocos protesta contra mudanças na avaliação das candidaturas para Copa

03/04/2018 12h51

Rabat, 3 abr (EFE).- O presidente da Real Federação Marroquina de Futebol (FRMF), Fouzi Lekjaa, enviou uma carta ao presidente da Fifa, Gianni Infantino, para protestar contra as últimas mudanças feitas no processo de avaliação das candidaturas para a Copa do Mundo de 2026, da qual Marrocos pretende ser sede.

Na carta, enviada em 25 de março e divulgada nesta terça-feira pela imprensa marroquina, Lekjaa expressou preocupação diante do poder concedido pela Fifa à comissão encarregada de aprovar as candidaturas em disputa (a de Marrocos e a conjunta entre Estados Unidos, Canadá e México) antes de proceder à votação final.

A decisão definitiva ocorrerá no Congresso da Fifa que será realizado em Moscou no dia 13 de junho, véspera da abertura da Copa do Mundo na Rússia.

Lekjaa alegou que a FIFA não o informou sobre os detalhes do sistema de pontuação que a comissão técnica utilizará até 14 de março, um dia antes do prazo para a entrega dos relatórios das candidaturas.

Esse sistema, segundo Lekjaa, inclui critérios que não constavam nas instruções preliminares indicadas pela Fifa à FRMF e que, portanto, não foram levados em conta por Marrocos ao elaborar a proposta para sediar o torneio.

A comissão técnica da Fifa pontuará uma série de categorias de 0 (mínimo) a 5 (máximo), sendo necessário obter um '2' em todas para superar o trâmite.

Lekjaa destacou que a Fifa teria variado os requisitos iniciais quanto à capacidade hoteleira exigida ao país organizador e a respeito do volume de passageiros que os aeroportos devem ser capazes de suportar. Denunciou também a introdução de um critério até então inédito para avaliar os estádios ("risco de durabilidade das infraestruturas").

Por último, afirmou que a Fifa agora requer que, para obter uma pontuação de '2', as cidades anfitriãs tenham pelo menos 250.001 habitantes, requisito não atendido por várias das sedes marroquinas.

"O sistema de pontuação não se ajusta às exigências dos regulamentos de seleção do anfitrião da Copa do Mundo de 2026", concluiu Lekjaa.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte