Topo

Esporte

Mauro Silva defende futebol ferramenta social no Brasil

12/04/2018 13h06

La Coruña (Espanha), 12 abr (EFE).- O ex-volante Mauro Silva, campeão mundial pela seleção em 1994, voltou a La Coruña nesta quinta-feira para a inauguração de uma rua com seu nome e concedeu entrevista coletiva em que destacou que no Brasil a importância do futebol vai muito além dos craques badalados e da competição.

"Sempre acreditei que o esporte, o futebol, é um meio e não um fim. O futebol vai muito além do que representam os três pontos de cada domingo, é uma ferramenta social. O futebol mudou a minha vida e pode mudar a vida de muitos jovens. Esse é o papel que deve ter, criar uma sociedade melhor", declarou Mauro Silva ao explicar sua função atual na Federação Paulista de Futebol (FPF).

"O Brasil é muito bom em futebol, mas em organizar temos que melhorar. Esta é uma forma de ajudar o futebol brasileiro e a sociedade brasileira a trabalhar com mais valores, mais ética. É um projeto muito amplo, há muito a ser feito", acrescentou.

O ex-jogador é ídolo do Deportivo La Coruña, pelo qual jogou de 1992 a 2005, tendo conquistado seis títulos, entre eles o Campeonato Espanhol da temporada 1999/2000. Agora, está de volta à cidade galega para ser homenageado.

"Agora o que penso é ajudar o futebol brasileiro fora do campo. Por exemplo, não existia qualificação para os treinadores para trabalhar, o jogador se aposentava e passava a treinador sem uma formação. A partir do ano que vem, vamos começar a exigir isso. Isso é fundamental para categorias de base, em que os treinadores precisam ser educadores", afirmou.

Mauro Silva ainda disse que gostaria que os jogadores atuais servissem de exemplo para crianças e adolescentes que praticam futebol, mas ressaltou que nem sempre isso acontece.

"Os jogadores precisam ter consciência do muito que representam para os mais novos. Estamos muito preocupados com as categorias de base para que a nova geração esteja muito mais preparada, para que saibam que isto é um esporte, não uma guerra", opinou.

Mais Esporte