Topo

Esporte

Candidatura platina sugere antecipação da escolha da sede da Copa de 2030

09/05/2018 17h43

Assunção, 9 mai (EFE).- Os representantes da tríplice candidatura formada por Argentina, Uruguai e Paraguai para organizar a Copa do Mundo de 2030 anunciaram, nesta quarta-feira, que pedirão à Fifa para antecipar a escolha da sede para 2020, para que tenham mais tempo para organizar o evento.

A informação foi dada pelo secretário de Coordenação da Argentina, Ernesto Gaspari, durante entrevista coletiva realizada após a reunião para discutir detalhes sobre a iniciativa. O encontro foi realizado em Assunção, no Paraguai.

"Pediremos para antecipar a escolha da sede para o ano de 2020, para que nossos três países tenham mais tempo e possam adiantar a infraestrutura que precisaríamos para realizar as obras, que fariam de 2030 a Copa do século", afirmou Gaspari.

A princípio, o anúncio da sede de 2030 seria feito oito anos antes do evento, em 2022, durante o Mundial do Catar. Com a antecipação, os países sul-americanos teriam, desta forma, dez anos para preparar o torneio, que já teria o formato mais amplo que o atual, com 48 seleções participando e, pelo menos, 12 sedes.

A reunião desta quarta-feira também definiu as ações da candidatura platina durante a Copa na Rússia. O presidente da Associação Uruguaia de Futebol, Wilmar Valdez, afirmou que a divulgação em Moscou começará antes mesmo do início do Mundial.

Coordenador geral da iniciativa sul-americana, o argentino Fernando Marín, explicou outra decisão tomada durante o encontro em Assunção: a escolha da logomarca da campanha, que terá o número 100 e a palavra "juntos".

"A logomarca envolve tanto o 2030 como a palavra 'juntos', porque queremos mostrar a força de sermos mais países e o centenário da Copa do Mundo em 2030. Queremos ser sede porque acreditamos que merecemos e vamos mostrar isso às autoridades tanto da Conmebol, quanto da Fifa", disse Marín.

O coordenador-geral também falou da participação do setor privado no projeto da candidatura.

"De uma maneira atípica, mas com um sentimento envolvido muito particular, empresários dos três países se juntaram ao projeto, o que não será um problema para os governos. Serão simplesmente a presença e o empurrão político que serão dados junto com as respectivas autoridades", indicou.

"A iniciativa privada será a que, em diferentes aspectos, fará a promoção da candidatura. Vai viralizar esta ideia e fazê-la acontecer. Começamos uma contagem regressiva para 2030 justamente hoje", acrescentou Marín.

Na última reunião feita no início de abril, em Buenos Aires, ficaram definidas as sedes da candidatura conjunta nos três países. Serão oito na Argentina, duas no Uruguai e duas no Paraguai.

Mais Esporte