Topo

Esporte

Presidente do PSG reitera que Neymar ficará no clube: "repeti 10 mil vezes"

20/05/2018 10h02

Paris, 20 mai (EFE).- O presidente do Paris Saint-Germain, Nasser al Khelaifi, voltou a insistir, desta vez em entrevista publicada neste domingo pelo jornal "L'Équipe", que Neymar ficará no clube, apesar das especulações de grande parte da imprensa espanhola de que ele irá para o Real Madrid.

Na entrevista, o dirigente também confirmou a permanência do atacante uruguaio Edinson Cavani e negou estar decepcionado com o espanhol Unai Emery, agora ex-técnico da equipe e que era contestado por parte da torcida.

Sobre Neymar, o catariano disse que já repetiu "10 mil vezes" que o camisa 10 "ficará" no PSG, com o qual tem contrato por mais quatro temporadas.

"Neymar está cansado destes rumores sobre seu futuro. É a imprensa espanhola que diz. Se você acredita, pior para você", respondeu Khelaifi ao jornalista do "L'Équipe".

Sobre Cavani, o dirigente ressaltou que o atacante se disse "feliz" no clube e o elogiou.

"É um grande jogador, um lutador, o maior artilheiro da história do clube. Vai ficar", frisou.

Khelaifi não quis citar nomes dos jogadores que deixarão o PSG nos próximos meses, com o argumento de que o novo treinador, Thomas Tuchel, decidirá a respeito.

Perguntado sobre a não convocação de Rabiot pelo técnico da França, Didier Deschamps, para a Copa do Mundo, o catariano afirmou que ele é "um dos melhores meias do mundo", fez "uma boa temporada" e o considera como um filho.

Em relação aos rumores de contratação do italiano Gianluigi Buffon, Khelaifi não confirmou, nem desmentiu interesse no lendário goleiro: "Acha que vou dizer quais jogadores monitoramos?".

Por outro lado, o presidente do PSG reiterou confiança no atual titular da posição, Alphonse Aréola: "é o nosso número 1".

O dirigente também evitou culpar Unay Emery pelas quedas nas duas últimas edições da Liga dos Campeões.

"É injusto dizer que é culpa dele. Ganhou sete títulos em duas temporadas. No segundo ano conseguiu quatro, e para nós é a terceira vez em quatro anos. Fez o melhor que pôde, e lhe desejo o melhor para o futuro", afirmou.

Perguntado sobre por que o substituiu por Thomas Tuchel, Khelaifi definiu o alemão como "ambicioso" como a direção do clube e alguém que gosta de um futebol espetacular e ofensivo.

"Tem uma forte personalidade e muito rigor no trabalho. É jovem (44 anos), é um dos melhores, se não o melhor. Outros grandes clubes o queriam", disse.

O cartole mostrou-se cético em relação ao risco de o PSG ser sancionado por ter descumprido as regras de fair play financeiro da Uefa com múltiplas contratações milionárias (em particular a de Neymar por um recorde de 222 milhões de euros) que não têm respaldado em receitas equivalentes.

"É verdade que a Uefa é muito dura nas discussões e inclusive injusta em algumas ocasiões. Honestamente, para mim ser sancionado seria surpreendente, anormal e escandaloso", declarou.

"Não fizemos nada de errado. Respeitámos as regras. As pessoas sabem de onde vem o nosso dinheiro, não temos dívidas, temos garantias. Há outros clubes em outros campeonatos estrangeiros que têm dívidas. Na Espanha, por exemplo, há muitos clubes endividados", acrescentou.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte