Topo

Esporte

Estádio Olímpico de Kiev, o novo palco de uma final de Liga dos Campeões

25/05/2018 17h53

Redação Central, 25 mai (EFE).- O Estádio Olímpico de Kiev será palco da final da Liga dos Campeões entre Real Madrid e Liverpool, neste sábado, e passará a integrar a longa lista com mais de trinta estádios que já receberam uma decisão da Champions.

Na última edição da competição, o título foi disputado no Millennium Stadium, em Cardiff, no País de Gales, onde o Real venceu a Juventus por 4 a 1 e conquistou a taça pela 12ª vez. Em 2019, o cenário da final será o Wanda Metropolitano, a nova casa do Atlético de Madrid.

O estádio da seleção ucraniana voltará a ser o centro das atenções do futebol mundial quase seis anos depois de receber a final da Eurocopa da Polônia e Ucrânia, em 2012, que teve a Espanha como campeã após golear a Itália por 4 a 0. A decisão da Euro contou com a presença do zagueiro Sergio Ramos, que também estará em campo neste sábado, buscando o terceiro título consecutivo pelos 'Blancos'.

Com capacidade atual para 63 mil torcedores, o estádio passou por obras antes da Euro 2012 para se tornar mais moderno, e recebeu cinco jogos da competição. Pela primeira fase, sediou três jogos da Suécia, as derrotas para Ucrânia e Inglaterra e a vitória sobre a França. Também foi palco do triunfo da Itália sobre a Inglaterra nos pênaltis nas quartas de final e a grande decisão do torneio.

O Olímpico de Kiev fica localizado no centro da cidade, na margem direita do Rio Dniepre, ao pé da colina Cherepanova. Um complexo esportivo abriga o estádio em sua parte central, cujo campo é cercado por uma pista de atletismo. Os assentos das arquibancadas são pintados com as cores da bandeira do país, azul e amarelo.

A arena foi construída para sediar as competições dos Jogos Olímpicos da região de Kiev, em setembro de 1923. E recebeu inicialmente o nome de "Leon Trotskiy", que, depois, acabou sendo alterado.

O projeto foi desenhado pelo jovem engenheiro L.I. Pilvinskiy. As encostas da colina Cherepanova foram usadas para construir as arquibancadas sul e leste; as do norte e do oeste foram feitas com destroços de edifícios, cobertos pelo solo.

Em 1924, o campo foi parcialmente reconstruído com as dimensões de 120m x 70m e orientação oeste-leste. Além disso, uma pista de atletismo foi construída, e também foram instalados vestiários para as equipes, com chuveiros.

A partir de 1925, o chamado Estádio Vermelho passou a sediar o maior número de campeonatos da cidade e a receber os jogos do Dínamo de Kiev (antes da construção da sua própria arena), além de inúmeras atividades esportivas.

Em 1934, quando Kiev se tornou a capital da República Soviética Ucraniana, a cidade exigiu um palco maior para satisfazer os altos requisitos da União Soviética. Um concurso para uma nova reconstrução foi anunciado em 1935 e teve como vencedor o jovem arquiteto Mikhail Grechina com o projeto do "Estádio Republicano da Ucrânia".

Durante os cinco anos de construção do complexo, o estádio foi mais uma vez remodelado. Foram construídos um ginásio esportivo com vestiários, salas para árbitros e médicos, escritórios, amplas escadas de granito vermelho, e foram instalados sistemas de iluminação e radiocomunicação de acordo com as exigências da época.

A segunda inauguração do estádio reconstruído com novo nome, Estádio Republicano Nikita Khrushchov, primeiro secretário do Partido Comunista da URSS - foi planejada para 22 de junho de 1941 com a realização de uma partida entre o Dínamo Moscou e o CSKA Moscou, mas não pôde ser realizada antes da invasão da Segunda Guerra Mundial na União Soviética.

Durante a invasão alemã, o complexo foi chamado de Palácio dos Esportes e, mais tarde, por decisão do prefeito, passou a chamar-se oficialmente Estádio da Ucrânia, inaugurado sob o regime em 12 de julho de 1942.

A arena, que havia servido de refúgio para as tropas de ambos os lados, ficou danificada, e por isso passou por outra reconstrução após a libertação de Kiev, em 6 de novembro de 1943. Quase metade do estádio foi restaurado e foram feitas as melhorias que não puderam ser realizadas antes da guerra. Mais uma reinauguração foi feita no dia 25 de junho de 1944, dessa vez, com a partida simbólica entre o Dínamo e o CSKA.

Os trabalhos de reparação desaceleraram significativamente com o passar dos anos, devido à falta de investimentos. Por esse motivo, a primeira reconstrução completa levou cinco anos para ser concluída, e o estádio foi reaberto em 1949.

No início dos anos 50, um placar de madeira foi instalado nas arquibancadas do setor sul. Era um painel de 3m x 6m de tamanho, com uma armação de metal, que mostrava os nomes das equipes e os gols.

Em 1954, foi concluída a fachada do estádio principal, a colunata com acesso ao pátio interno da instalação administrativa que se tornou um símbolo. Mas a grande conquista da época foi a instalação de quatro torres metálicas de 45 metros de altura com 320 holofotes, com uma iluminação total de 500 lux. A partir daquele momento, tornou-se possível organizar partidas de futebol à noite em Kiev.

Em 1956, outro placar foi instalado no estádio, com um relógio no meio, equipado com lâmpadas elétricas para indicar o resultado da partida.

Em outubro de 1962, o estádio republicano, que levava o nome de M.S. Khrushchov, mudou seu nome para Estádio Central. No final desse ano, o placar foi desmontado e foi adquirido um novo, eletrônico, comprado na Hungria.

Em 10 de abril de 1963, durante a partida entre o Dínamo de Kiev e o Spartak Moscou, os torcedores puderam ver o placar mostrando os minutos em que os gols eram marcados e os nomes dos jogadores pela primeira vez.

Outra reconstrução geral do estádio foi feita em 1966. A renovação foi planejada para celebrar o 50º aniversário da Revolução de Outubro (1967), e o projeto foi feito por arquitetos do Instituto Regional de Pesquisa de Kiev.

Foi construído um segundo nível para as arquibancadas e aumentaram a capacidade para 100.062 espectadores, além de construírem uma tribuna para a imprensa e a instalarem novos placares - um de cada lado - com 18m x 6m. O da esquerda mostrava a hora, a data e a temperatura do ar; e o outro, os nomes, a pontuação e o nome dos autores dos gols.

O Estádio Central foi fechado para a terceira reconstrução em 1977 porque a capital da Ucrânia foi escolhida para sediar as partidas de futebol dos Jogos Olímpicos de 1980.

O estádio recuperou o seu nome histórico - Republicano - antes do torneio olímpico de 1980, e em 1996 passou a receber o nome atual de Complexo Nacional de Esportes Olímpicos, passando pela última reforma em 2008, para a realização da Euro 2012.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte