Topo

Esporte

Após quebrar jejum na França, Marc Márquez tenta fazer o mesmo na Itália

30/05/2018 14h40

Mugello (Itália), 30 mai (EFE).- Líder da temporada 2018 da MotoGP com folga, o espanhol Marc Márquez (Honda) vem aproveitando mais uma boa temporada na carreira para quebrar tabus e, duas semanas depois de ter encerrado um jejum de vitórias na França tentará repetir o feito no Grande Prêmio da Itália, neste fim de semana.

Márquez não subia ao ponto mais alto do pódio no circuito de Le Mans havia quatro anos, mesmo intervalo em que já não cruza a linha de chegada em Mugello, onde no próximo domingo acontecerá a sexta corrida desta temporada.

As estatísticas não são muito favoráveis ao tetracampeão, que lidera o Mundial com 95 pontos, 36 a mais que o segundo colocado, o compatriota Maverick Viñales. Embora seja o vice-líder no ano, o piloto da Yamaha subiu ao pódio apenas uma vez, No GP das Américas, nos Estados Unidos, onde foi segundo colocado.

Quem venceu no ano passado na Itália foi o representante da casa Andrea Dovizioso (Ducati), que vem em má fase. 'Dovi' ganhou a primeira corrida deste ano, no Catar, mas vem de dois abandonos, o que o derrubou para a nona colocação do campeonato. Seu companheiro de equipe, o espanhol Jorge Lorenzo, tem quatro vitórias em Mugello nos últimos seis anos, mas em 2018 não conseguiu nada melhor que a sexta posição do GP da França.

O recorde de triunfos, no entanto, é de outro italiano, o heptacampeão Valentino Rossi (Yamaha), que foi o primeiro colocado sete vezes seguidas de 2002 a 2008. Porém, desde então não sabe o que é comemorar diante de sua torcida.

Apesar da ampla vantagem no topo da tabela de classificação, Marc Márquez acredita que ainda está longe de poder comemorar o que seria o pentacampeonato e lembrou que houve apenas cinco das 19 provas do calendário.

"Chegar a Mugello com uma vantagem no campeonato é muito, mas ainda se trata de uma fase inicial do campeonato. Ainda está tudo muito apertado, e precisamos ter os pés no chão", declarou o 'Formiga Atômica' em entrevista coletiva.

Com Márquez isolado na ponta, Rossi vem em uma disputa acirrada pela segunda posição que envolve quatro pilotos. 'Vale' soma 56 pontos, ficando atrás também de Viñales, que tem 59, e do francês Johann Zarco (Tech 3 Yamaha), que soma 58 e tenta se recuperar do abandono na prova em casa há duas semanas. Grudado neles, com 54 pontos, aparece o também italiano (Pramac Ducati).

Franco Morbidelli (Marc VDS Honda), italiano de mãe brasileira, poderá correr na MotoGP em casa pela primeira vez. O atual campeão da Moto2 vem de um 13º lugar em Le Mans e ocupa a 15ª colocação no campeonato.

Nas outras duas categorias da Motovelocidade, pilotos da casa chegam à GP da Itália como líderes. Francesco Bagnaia (VR46 Kalex) tem 98 pontos na Moto2, contra 73 do segundo colocado, o português Miguel Oliveira (Red Bull KTM Ajo), enquanto o brasileiro Eric Granado (Forward Suter) ainda não pontuou. Na Moto3, quem puxa a fila é Marco Bezzecchi (Prüstel KTM), com quatro pontos a mais que o compatriota Fabio Di Giannantonio (Gresini Honda).

Mais Esporte