Topo

Esporte

Federação peruana comemora liberação de Guerrero "nos acréscimos"

31/05/2018 13h59

Lima, 31 mai (EFE).- O presidente da federação peruana (FPF), Edwin Oviedo, afirmou nesta quinta-feira que o futebol de uma maneira geral está feliz porque o atacante Paolo Guerrero foi liberado para disputar a Copa do Mundo.

Oviedo, que está na Suíça há dez dias acompanhando o caso, disse em entrevista à emissora peruana "RPP" que a felicidade pela liberação do jogador contagiou todo o país.

"Sabíamos que era um tema complicado, mas não impossível, e tínhamos claro que era uma partida e que faltava jogar os acréscimos. Jogamos e, desta forma, conseguimos fazer justiça e fazer com que nosso capitão esteja na Copa. Estamos muito contentes. O futebol mundial, peruano, latino-americano, todos estão felizes", disse.

Segundo o dirigente, Guerrero se reunirá já nesta quinta-feira com seus companheiros na concentração da seleção peruana na Áustria e estará à disposição do técnico Ricardo Gareca.

"Na reunião que tivemos há dias com Infantino (presidente da Fifa), ele nos disse com sinceridade e cordialidade que jogássemos os acréscimos e que esta partida ainda não tinha acabado. Fizemos isso e agora estamos contentes por Paolo, pela sua família e pelos peruanos", acrescentou.

Guerrero recorreu à Justiça comum da Suíça e recebeu nesta quinta-feira a suspensão provisória da punição de 14 meses por doping que tinha recebido da Corte Arbitral do Esporte (CAS).

Na decisão que possibilitou a participação do atacante na Copa, a Justiça suíça levou em conta "os prejuízos de todo tipo que o recorrente, que já tem 34 anos, sofreria se fosse impedido de participar de uma competição que será a coroação da sua carreira como jogador". A decisão destaca também que Guerrero "não atuou intencionalmente nem cometeu uma negligência significativa". A posição do tribunal se tornou pública pouco tempo depois que a CAS anunciou que não se opunha ao pedido do atleta.

O atacante do Flamengo testou positivo em um exame antidoping realizado antes da partida entre Peru e Argentina, nas Eliminatórias para a Copa, no fim do ano passado. O jogador foi punido inicialmente pela Fifa com um ano de suspensão. Depois, o Comitê de Apelação da entidade diminuiu para seis meses. Guerrero decidiu buscar, então, a absolvição total no caso e recorreu, foi quando o CAS resolveu aumentar a suspensão para 14 meses, o que deixaria o peruano fora do Mundial.

A defesa do jogador alega que o doping foi totalmente acidental, e teria acontecido ao ingerir um chá contaminado no hotel em que a seleção do Peru estava concentrada.

Mais Esporte