Topo

Esporte

Brasil cede empate à Suíça e estreia em Copa sem vitória após 40 anos

17/06/2018 17h16

Rostov-no-Don (Rússia), 17 jun (EFE).- A seleção brasileira até saiu na frente neste domingo, mas cedeu o empate à Suíça em 1 a 1 e, pela primeira vez desde 1978, estreou em Copa do Mundo sem vitória.

O placar da Rostov Arena foi aberto aos 20 do primeiro tempo, em bela finalização do meia Philippe Coutinho, que não deu chances para a defesa de Yann Somer. Na etapa complementar, aos 5, o meia Steven Zuber igualou de cabeça, em lance de muita reclamação, devido a um empurrão do autor do gol no zagueiro Miranda.

Mais tarde, aos 28, o árbitro mexicano César Ramos ficou no centro das atenções mais uma vez, quando o atacante Gabriel Jesus girou em cima do zagueiro Manuel Akanji e caiu. Assim como na jogada em que os suíços abriram o marcador, a partida sequer parou para consulta ao sistema de videoarbitragem (VAR).

Esta foi a primeira vez desde 1978 em que a seleção deixa de vencer em uma estreia na Copa do Mundo. O último tropeço foi o empate com a Suécia em 1 a 1, na edição do torneio disputada na Argentina. Quatro anos antes, na Alemanha, o Brasil também empatou, mas com a extinta Iugoslávia e por 0 a 0.

Também desde 1978 que o Brasil não ficava com a incômoda marca de três partidas ou mais sem vitória em Copas. Naquele torneio, após o empate com a Suécia, o Brasil ficou no 0 a 0 com a Espanha, antes de vencer a Áustria por 1 a 0. Mas na edição anterior, em 1974, a seleção perdeu seus dois últimos duelos, para Holanda (por 2 a 0, em jogo que valia vaga na final) e Polônia (1 a 0, na decisão do terceiro lugar). Desta vez, somado ao empate com a Suíça, o Brasil vinha de derrotas em 2014 para a Alemanha (o fatídico 7 a 1 nas semifinais) e Holanda (3 a 0, na disputa pelo terceiro lugar).

Os comandados por Tite voltarão a campo pelo grupo E nesta quinta-feira (às 9h de Brasília), para enfrentar a lanterna Costa Rica, no Estádio Krestovsky, em São Petersburgo. Já os suíços vão encarar, no mesmo dia, a líder Sérvia, que tem três pontos, em jogo que acontecerá em Kaliningrado.

Para a estreia na Copa, a seleção brasileira entrou em campo com a equipe considerada ideal pelo técnico Tite, que chegou a ser antecipada para o público há dois dias da partida. A principal novidade foi o lateral-esquerdo Marcelo exercendo o papel de capitão, pela primeira vez na carreira.

A Suíça também não teve qualquer surpresa para o jogo inicial na competição. O volante Granit Xhaka, que sofreu lesão no joelho esquerdo no fim de maio, durante treinamento, e chegou a ser dúvida alguns dias antes da partida, começou jogando normalmente.

Nos instantes iniciais, o Brasil até levou um susto, aos 3 minutos, quando Shaqiri acertou bom cruzamento da direita e achou Dzemaili na área. O meia emendou de primeira, mas, pegou muito mal na bola, que saiu por cima do travessão de Alisson.

A resposta veio aos 11, em trama de pé em pé no setor ofensivo. Já dentro da área, Coutinho ajeitou para Neymar, que achou Paulinho dentro da área. O volante chutou com tornozelo, Sommer chegou a tocar na bola e desviou pela linha de fundo, em lance que o árbitro mexicano César Ramos acabou marcando apenas o tiro de meta.

Aos 20 minutos, de novo pela esquerda, a seleção seguiu infernizando o adversário. Marcelo cruzou, mas a zaga cortou nos pés de Philippe Coutinho, que ajeitou, cortou para o meio e acertou um belo chute, indefensável para o goleiro da Suíça, abrindo o placar.

Depois do gol, os comandados de Tite diminuiram o ritmo, o que permitiu até, uma pressão na posse de bola brasileira, embora Alisson não tenha sido exigido. Aos 32, em rara ação ofensiva, Neymar cobrou escanteio da esquerda, Gabriel Jesus ganhou da defesa no alto, mas testou muito mal.

Em jogada semelhante, já nos acréscimos da etapa inicial, o camisa 10 alçou bola na área, em novo tiro de canto, dessa vez no primeiro pau, em direção a Thiago Silva, que subiu no terceiro andar e desviou de cabeça por cima do travessão.

O segundo tempo começou de forma semelhante a primeira metade do jogo. Antes mesmo que fosse completado um minuto, a Suíça apareceu no ataque, com Dzemaili recebendo na entrada da área e batendo colocado, mas, ao lado da meta defendida por Alisson.

Aos 5, após escanteio da direita cobrado por Shaqiri, Zuber subiu livre e testou para as redes, empatando o jogo. Depois do gol, os brasileiros reclamaram muito de um empurrão do meia suíço em Miranda, mas César Ramos validou o lance.

Com o placar igual, a seleção tentou encurralar o adversário, apostando em chutes de longa distância e infiltrações de Neymar, que, sozinho, levou perigo aos 12, se livrando da marcação e batendo à esquerda do gol de Sommer.

Em seguida, Casemiro, que havia levado cartão amarelo logo no primeiro minuto do segundo tempo, deixou o gramado, para dar lugar a Fernandinho. Aos 20, foi a vez de Renato Augusto, que chegou a ser dúvida para a disputa da Copa, por lesão, substituir Paulinho.

A seleção brasileira só voltou a levar perigo aos 25, quando Neymar caiu na direita e fez belo cruzamento, achando Coutinho do lado oposto do ataque. O camisa 11 se livrou da marcação e bateu firme, mas errou o alvo por muito, em bola que saiu à esquerda do gol.

A ira verde e amarela com a arbitragem teve mais um capítulo aos 28, quando Gabriel Jesus recebeu na área, girou em cima de Akanji e caiu. César Ramos ignorou mais uma vez qualquer infração, para desespero do atacante e companheiros.

O Brasil seguiu ficando mais tempo no campo de ataque, mas com dificuldades de agredir o adversário. Aos 33, Neymar recebeu na intermediária, carregou e arriscou de longe, parando em defesa até tranquila de Sommer, que caiu sem dar rebote.

Quando a bola parou, Roberto Firmino entrou no lugar de Gabriel Jesus, na última substituição feita por Tite na partida.

Apresentando nítido nervosismo, a seleção seguiu sem conseguir se impôr em campo, então, as chances de gol ficaram escassas. Aos 43, Willian recebeu na direita e fez belo cruzamento, encontrando Neymar, que apareceu de trás e testou firme, mas nas mãos de Sommer.

Dois minutos depois, o camisa 10 cobrou falta da esquerda, Firmino testou livre no canto direito, mas parou em excepcional defesa do goleiro suíço. Fernandinho, de frente para o gol, se esticou todo, mas não conseguiu tocar na bola.

Após nova bola levantada na área, Miranda pegou sobra na área, encheu o pé, mesmo diante diversos defensores do adversário e, por centímetros, não conseguiu balançar as redes. Já aos 51, Neymar cobrou falta na área, Renato Augusto, depois de desvio, bateu de primeira, mas Schär evitou que a bola entrasse.



Ficha técnica:.

Brasil: Alisson; Danilo, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Casemiro (Fernandinho), Paulinho (Renato Augusto) e Philippe Coutinho; Willian, Neymar e Gabriel Jesus (Roberto Firmino). Técnico: Tite.

Suíça: Sommer; Lichtsteiner (Lang), Schär, Akanji e Rodríguez; Behrami (Zakaria), Xhaka, Shaqiri, Dzemaili e Zuber; Seferovic (Embolo). Técnico: Vladimir Petkovic.

Árbitro: César Ramos (México), auxiliado pelos compatriotas Marvin Torrentera e Miguel Hernández.

Gols: Philippe Coutinho (Brasil); e Zuber (Suíça).

Cartões amarelos: Casemiro (Brasil); Lichtsteiner, Schär e Behrami (Suíça).

Estádio: Rostov Arena, em Rostov-no-Don (Rússia).

Mais Esporte