Topo

Esporte

Uruguai busca vitória mais tranquila em jogo no qual Suárez vira "centenário"

19/06/2018 08h28

Nizhny Novgorod (Rússia), 19 jun (EFE).- Após sofrer para bater o Egito nos minutos finais da estreia na Copa do Mundo, o Uruguai busca vitória mais tranquila nesta quarta-feira contra a Arábia Saudita, na cidade de Rostov-no-Don, em partida na qual o atacante Luis Suárez vestirá pela 100ª vez a camisa celeste.

Com 49 gols em 99 jogos, Suárez será o sexto jogador do país a virar "centenário". Antes dele, Maxi Pereira (atualmente com 125 participações), Diego Godín (118), Diego Forlán (113 e único já aposentado), Christian Rodríguez (106) e Edinson Cavani (102) conseguiram o feito.

O artilheiro tem uma das histórias mais marcantes em Copas do Mundo. Em 2010, impediu com as mãos um gol de Gana, nos minutos finais da prorrogação de jogo pelas quartas de final, o que ajudou na classificação dos uruguaios após o pênalti ter sido desperdiçado por Asamoah Gyan. Quatro anos depois, a icônica mordida no zagueiro italiano Giorgio Chiellini lhe rendeu nove jogos de suspensão, e o Uruguai não conseguiu ir longe.

Agora na Rússia, o jogador do Barcelona quer deixar este saldo positivo, fazendo uma das melhores duplas de ataque da história do país com Edinson Cavani. Só que a estreia contra o Egito não foi das melhores, com várias chances desperdiçadas e críticas em relação à eficiência ofensiva. O autor do único gol do jogo foi o zagueiro José Giménez.

Mas nada melhor do que se recuperar contra a equipe que parece ser a mais frágil da Copa. A Arábia Saudita foi goleada por 5 a 0 na abertura do torneio pela Rússia, seleção que vinha de sete jogos sem vitórias.

Com quatro oportunidades claras de gol perdidas, duas cara a cara com o goleiro Mohammed El-Shenawy, Suárez foi alvo até dos comentários ácidos do ex-jogador inglês Gary Lineker, que disparou pelo Twitter que Salah, que não participou do confronto por lesão, jogou melhor que ele.

Na gol, Fernando Muslera é outro que terá um dia especial, já que vai igualar o lendário Ladislao Mazurkiewicz com 13 jogos em Mundiais, recorde para um uruguaio.

O técnico Óscar Tabárez tem dúvidas para escalar o time com o meio-campo como o principal setor de disputa. As opções são manter a jovem linha com Nahitan Nández, Matías Vecino, Rodrigo Bentancur e Giorgian De Arrascaeta ou arrumar espaços para os veteranos 'Cebolla' Rodríguez e Carlos Sánchez, que entraram no decorrer da estreia e ajudaram garantir os três pontos contra os egípcios. O último fez o cruzamento para o gol de Giménez.

Os sauditas, no entanto, estão em situação pior. A goleada para os anfitriões na semana passada repercutiu mal, como esperado. O técnico Juan Antonio Pizzi admitiu que os russos precisaram se esforçar pouco para conseguir o resultado e espera uma reação melhor do time na segunda rodada. O desempenho não passou em branco na federação do país árabe.

"O treinador é o responsável técnico pela derrota da sua equipe. Ter a posse de bola não basta", disparou o vice-presidente da entidade, Nawaf Al-Temyat, insinuando que o argentino está com os dias contados no cargo.

Vale lembrar que a Arábia Saudita foi uma das poucas seleções da história a demitir um treinador durante uma Copa do Mundo, caso que aconteceu com o brasileiro Carlos Alberto Parreira, em 1998.

Enfrentando um adversário mais difícil na segunda partida, é possível que Pizzi modifique o time para reforçar a marcação tanto na zaga quanto no meio-campo.



Prováveis escalações:.

Uruguai: Muslera; Varela, Godín, Giménez e Vecino; Carlos Sánchez, Bentancur, Vecino e Rodríguez; Cavani e Suárez. Técnico: Óscar Tabárez.

Arábia Saudita: Al-Mayouf; Al-Shahrani, Osama Hawsawi, Omar Hawsawi e Al-Burayk; Al-Shehri, Otayf, Al-Faraj, Al-Jassim e Al-Dawsari; e Al-Sahlawi. Técnico: Juan Antonio Pizzi.

Árbitro: Clément Turpin (França), auxiliado pelo compatriiotas Nicolas Danos e Cyril Gringore.

Estádio: Rostov Arena, em Rostov-no-Don.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte