Topo

Esporte

Com 3 de novo artilheiro da Copa, Inglaterra goleia Panamá por 6 a 1

24/06/2018 11h11

Nizhny Novgorod, 24 jun (EFE).- Sempre vista com desconfiança em Copas do Mundo apesar de ser a inventora do futebol, a Inglaterra apresentou seu cartão de visitas para entrar na lista de favoritas ao título desta edição do torneio ao golear o Panamá por 6 a 1 neste domingo, no estádio Nizhny Novgorod.

Com três gols de Harry Kane, dois de John Stones e um de Jesse Lingard, o 'English Team' assumiu a liderança do grupo G junto com a Bélgica. Cada uma das duas seleções tem seis pontos, saldo positivo de seis e oito gols marcados. Baloy, ex-jogador de Grêmio e Atlético-PR, fez o de honra para os centro-americanos.

As duas seleções farão um confronto direto pela ponta da tabela na próxima quinta, em Kaliningrado. Quem vencer ficará em primeiro, e, se houver empate, o líder será definido nos cartões.

Esta foi a maior vitória da Inglaterra na história das Copas, superando as três vezes em que venceu por 3 a 0 Polônia e Paraguai, pela fase de grupos em 1986, e a Dinamarca, nas oitavas de final em 2002.

O Panamá, que disputa o torneio pela primeira vez, ainda não pontuou, assim como a Tunísia. Ambas as seleções estão eliminadas e cumprirão tabela se enfrentando também na quinta, em Saransk.

Com o desempenho deste domingo, Kane assumiu a liderança da tabela de artilheiros desta Copa, com cinco gols, já que havia feito dois contra a Tunísia. O português Cristiano Ronaldo e o belga Romelu Lukaku aparecem a seguir, com quatro.

De quebra, o camisa 9 tornou-se o primeiro inglês a marcar mais de três vezes em uma mesma edição do torneio desde 1990, ano em que Gary Lineker fez quatro. Lineker era também o único com um 'hat-trick' pelo país, registrado contra a Polônia, há 32 anos.

Apesar da derrota para a Bélgica por 3 a 0 na estreia, o técnico Hernán Darío Gómez manteve os titulares. Na Inglaterra, Gareth Southgate teve uma baixa, a do meia Dele Alli, que, machucado, deu lugar a Loftus-Cheek.

O passeio inglês começou aos sete minutos de bola rolando, em escanteio pela direita. Trippier levantou na segunda trave, Stones apareceu livre e mandou uma "pedrada" de cabeça para fazer 1 a 0.

Até então, o Panamá ainda almejava algo na partida e esteve perto do empate aos 15. Godoy dominou pela direita e rolou para Bárcenas, que arriscou de fora da área e tirou tinta da trave direita.

Porém, pouco depois, aos 19, Godoy derrubou Lingard na área, e o árbitro marcou pênalti. Kane cobrou com força no canto direito e marcou o segundo.

O 'English Team' continuou dominando, mas a porteira se abriu apenas aos 35 minutos, com um bonito gol. Sterling acionou Lingard na esquerda, o meia do Manchester United levou para o pé direito, ainda fora da área, e acertou a gaveta para fazer 3 a 0.

Quatro minutos depois, os europeus chegaram ao quarto gol em jogada ensaiada. Em cobrança de escanteio, Henderson cruzou de primeira, Kane escorou e Sterling fuzilou o goleiro Penedo, que espalmou. Stones apareceu atento no rebote e deixou o seu segundo na partida.

Aos 45, houve nova penalidade a favor da Inglaterra em infração dupla dentro da área. Murillo agarrou Stones, e Godoy deu um "cascudo" em Lingard. Kane repetiu a cobrança, chutando com força no canto direito alto, e ampliou para 5 a 0.

Quem começou a pesquisar as maiores goleadas da história do Mundiais durante o intervalo e achou que poderia incluir os ingleses na lista acabou se frustrando. O segundo tempo foi em grande parte de morno para frio, com alguns erros do ataque inglês. Aos dez minutos, Sterling foi lançado na corrida e até ganhou em um primeiro momento, mas foi desarmado por Escobar e cometeu falta.

Mesmo em ritmo de treino, a Inglaterra aumentou a diferença. Aos 16 minutos, Loftus-Cheek bateu de fora da área pela esquerda, a bola desviou em Kane e traiu o goleiro Penedo. A arbitragem creditou o gol para o centroavante do Tottenham.

Com o adversário relaxado, o Panamá partiu em busca de seu primeiro gol em Copas - na estreia, havia perdido para a Bélgica por 3 a 0. Murillo esteve perto, aos 20, quando foi acionado na área e tentou por cobertura, mas Pickford defendeu.

Quem teve a honra de entrar para a história foi Baloy, que havia substituído Gómez. Mesmo sendo reserva, o defensor recebeu a faixa de capitão ao entrar em campo e não decepcionou. Aos 32, Ávila levantou, o ex-jogador de Grêmio e Atlético-PR desviou de cabeça e balançou a rede para a festa da torcida panamenha, que fez bastante barulho em Nizhny Novgorod.

Embora precisasse de mais um gol para jogar pelo empate na briga pela liderança, a Inglaterra manteve o freio de mão puxado. Ainda houve uma oportunidade, aos 44, em cobrança de falta de Young, mas Stones não alcançou, e Penedo segurou.



Ficha técnica:.

Inglaterra: Pickford; Walker, Stones e Maguire; Trippier (Rose), Loftus-Cheek, Henderson, Lingard (Delph) e Young; Sterling e Kane (Vardy). Técnico: Gareth Southgate.

Panamá: Penedo; Murillo, Román Torres, Escobar e Davis; Gómez (Baloy), Godoy (Ávila), Cooper, Bárcenas (Arroyo) e Rodríguez; Pérez. Técnico: Hernán Darío Gómez.

Árbitro: Ghead Grisha (Egito), auxiliado por Redouane Achik (Marrocos) e por Waleed Ahmed (Sudão).

Cartões amarelos: Loftus-Cheek (Inglaterra); Cooper, Murillo e Escobar (Panamá).

Gols: Kane (3x), Stones (2x) e Lingard (Inglaterra); Baloy (Panamá).

Estádio: Nizhny Novgorod, em Nizhny Novgorod.

Mais Esporte