Topo

Esporte

Jogo de compadres? França e Dinamarca empatam e avançam juntas no grupo C

26/06/2018 13h11

Moscou, 26 jun (EFE).- França e Dinamarca empataram nesta terça-feira em Moscou em 0 a 0, um resultado bom para as duas seleções, já que os 'Bleus' garantiram a primeira posição do grupo C, e os nórdicos confirmaram a classificação em segundo lugar às oitavas de final sem depender do placar da outra partida da chave.

As duas equipes europeias fizeram um jogo de poucas emoções e, devido à falta de atitude, geraram insatisfação dos torcedores presentes no estádio Luzhniki, que iniciaram vaias tímidas na etapa inicial e que aumentaram com o passar do tempo.

Com o 0 a 0, o primeiro deste Mundial após 38 partidas, a França foi a sete pontos, dois a mais que os dinamarqueses, que só seriam eliminados se perdessem e a Austrália derrotasse o Peru no Estádio Central, em Ecaterimburgo. No entanto, a seleção sul-americana levou a melhor, fazendo 2 a 0 e ainda ficou com a terceira posição da chave, com três pontos. A atual campeã da Copa da Ásia terminou na lanterna, com um.

A campeã mundial de 1998 voltará a campo no próximo sábado, em Kazan, para enfrentar o segundo colocado do grupo B, que pode ser Croácia, Nigéria, Islândia ou Argentina. Já a Dinamarca jogará contra africanos, nórdicos ou a 'Albiceleste' em Nizhny Novgorod no domingo.

Além da classificação em primeiro lugar, Didier Deschamps teve outro motivo para comemorar. O ex-volante igualou Raymond Domenech como técnico que em mais partidas comandou a França, com 79. O recorde será quebrado nas oitavas, e o treinador já tem contrato renovado até o fim da Eurocopa de 2020.

Com a vaga no mata-mata garantida, os franceses entraram em campo com alguns jogadores que vinham na reserva. Foram os casos do goleiro Mandanda, do lateral-direito Sidibé, do zagueiro Kimpembe e do volante N'Zonzi, além do atacante Dembelé, que começou jogando na estreia e depois perdeu a posição.

Na Dinamarca, o volante Kvist se machucou na estreia e foi desfalque novamente. Contudo, o substituto da vez foi Mathias Jorgensen, e não Schöne. Já Nicolai Jorgensen e Poulsen perderam lugar no ataque com as entradas de Braithwaite e Cornelius.

A campeã europeia de 1992 tomou a iniciativa e protagonizou um bom ataque logo aos quatro minutos. Braithwaite foi acionado na área e estava prestes a encarar o goleiro Mandanda, mas recebeu o combate de Kimpembe e caiu. O árbitro brasileiro Sandro Meira Ricci considerou que o tranco foi legal.

Aos 15 minutos, quem reclamou de possível penalidade foi a França. Hernández tabelou com Giroud, entrou na área e foi derrubado. Ricci deixou seguir, e Giroud ainda ficou com a sobra, exigindo boa defesa de Schmeichel.

As polêmicas não acabavam, e houve outro pedido de pênalti aos 24. Sidibé tentou o cruzamento pela direita, e a bola bateu na mão de Mathias Jorgensen dentro da área, mas a arbitragem não viu irregularidade no lance.

Os 'Bleus' mostravam certa preguiça, e a Dinamarca tentava se aproveitar. Aos 29, Braithwaite puxou contra-ataque pela esquerda, resistiu ao combate de dois marcadores e tocou por baixo para o meio da área, procurando Eriksen, mas Hernández chegou primeiro e fez o corte.

Apagado até então, Dembelé enfim deu as caras aos 32, quando levou pela ponta direita, limpou a marcação de Delaney e arriscou de fora, tirando tinta da trave. Mais tarde, aos 39, Griezmann puxou contra-ataque e finalizou colocado, em cima de Schmeichel, que segurou.

Os times não engrenaram na volta do intervalo, e o jogo continuou com poucas emoções. Aos 13 minutos, Sisto cruzou da esquerda, Varane cortou parcialmente, e Eriksen pegou de primeira na sobra, mas mandou para fora.

Principal nome da seleção francesa, Griezmann foi preservado e deu lugar a Fekir, que entrou querendo mostrar serviço. Aos 24, o meia bateu da esquerda e acertou a rede, mas pelo lado de fora.

Fekir parecia mais interessado no jogo que boa parte dos outros jogadores e voltou a incomodar aos 37, quando recebeu de Mbappé, outro que veio do banco de reservas, e arrematou colocado no canto esquerdo. Schmeichel se esticou e espalmou para o lado.

Mbappé ainda teve uma última oportunidade, aos 44. N'zonzi abriu para Sidibé, que cruzou da direita. O atacante do Paris Saint-Germain fez o domínio em um primeiro momento, mas se enrolou depois e foi desarmado.



Ficha técnica:.

Dinamarca: Schmeichel; Dalsgaard, Christensen, Kjaer e Stryger Larsen; Mathias Jorgensen, Delaney (Lerager) e Eriksen; Sisto (Fischer), Braithwaite e Cornelius (Dolberg). Técnico: Age Hareide.

França: Mandanda; Sidibé, Varane, Kimpembe e Hernández (Mendy); Kanté, N'Zonzi, Lemar, Griezmann (Fekir) e Dembelé (Mbappé); Giroud. Técnico: Didier Deschamps.

Árbitro: Sandro Meira Ricci, auxiliado por Emerson de Carvalho e Marcelo van Gasse.

Cartão amarelo: Mathias Jorgensen (Dinamarca).

Estádio: Luzhniki, em Moscou.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte