Topo

Esporte


Brasil perde para a Bélgica e se despede da Copa nas quartas de final

06/07/2018 17h11

Kazan (Rússia), 6 jun (EFE).- Badalada - e ridicularizada em muitos momentos, justamente pela exaltação de seus admiradores -, a Bélgica acabou com o sonho da conquista do hexa na Rússia nesta sexta-feira, ao vencer a seleção brasileira por 2 a 1 e se garantir nas semifinais da Copa do Mundo para enfrentar a França.

O placar do duelo foi aberto pelo volante Fernandinho contra a própria meta, aos 13 minutos da etapa inicial. Este foi o segundo gol contra do Brasil na história das Copas - o primeiro foi de Marcelo, há quatro anos, na vitória por 3 a 1 sobre a Croácia. Pouco depois, aos 31, o meia Kevin de Bruyne ampliou, em contra-ataque mortal dos 'Diabos Vermelhos'.

Na etapa complementar, os pentacampeões melhoraram com a entrada de Roberto Firmino e Douglas Costa. Outro jogador que veio do banco, no entanto, foi quem diminuiu a diferença, o meia Renato Augusto, aos 31, após bela assistência do meia Philippe Coutinho.

A vitória da Bélgica garante que a Europa ficará o título pela 12ª vez, ampliando a vantagem sobre a América do Sul, que tem nove taças. Os 'Diabos Vermelhos' enfrentarão a França, que mais cedo passou pelo Uruguai. Do outro lado da chave estão Rússia e Croácia, além de Suécia e Inglaterra.

Esta é a segunda vez na história que os belgas disputarão uma semifinal de Copa do Mundo. Na primeira, em 1986, perderam para os argentinos, resultado que foi seguido com derrota para os franceses na decisão do terceiro lugar.

Os comandados pelo espanhol Roberto Martínez enfrentarão os campeões mundiais de 1998, nesta terça-feira, às 15h (de Brasília), em São Petersburgo. O segundo finalista será definido no dia seguinte, em Moscou.

O Brasil, por sua vez, caiu pela quinta vez na história nas quartas de final de uma Copa do Mundo. O revés de hoje em Kazan se juntou às quedas diante da Hungria, em 1954, da França, em 1986 e 2006, e da Holanda, em 2010.

Para o duelo valendo vaga na semifinais, a seleção brasileira entrou em campo com o lateral-esquerdo Marcelo, que foi desfalque contra o México. Além disso, o volante Casemiro desfalcou a equipe, por estar suspenso, dando lugar a Fernandinho.

A Bélgica, por sua vez, apresentou duas mudanças em relação à escalação utilizada na partida com o Japão, pelas oitavas de final. Fellaini e Chadli, decisivos na classificação às quartas, depois de saírem do banco de reservas, ganharam as posições de Mertens e Carrasco.

O jogo começou com um susto para os pentacampeões, pois, logo no primeiro minuto, De Bruyne roubou bola de Fernandinho na intermediária e bateu cruzado, à direita do gol de Alisson. A resposta veio aos 8, quando Neymar cobrou escanteio da esquerda, Miranda resvalou e Thiago Silva, no susto, desviou na trave.

Na bola aérea, os belgas abriram o placar aos 13, com grande contribuição de Fernandinho. Chadli cobrou escanteio da ponta canhota, Kompany atacou o primeiro pau e resvalou. A bola acabou batendo no braço do volante brasileiro e morreu no fundo das redes.

Os comandados por Tite tentaram partir para cima, em busca de devolver rapidamente o golpe e igualar o placar. Aos 19, Coutinho recebeu na intermediária e bateu para defesa tranquila de Courtois. Depois disso, nitidamente, havia dificuldade em penetrar na zaga adversária.

O castigo veio aos 31, em contra-ataque fulminante, iniciado em corte após escanteio cobrado por Neymar. Lukaku recuperou na intermediária defensiva, disparou e serviu na esquerda para De Bruyne, que encheu o pé com a perna direita e estufou a rede.

Após o segundo gol, os brasileiros voltaram a não se abater e insistiram muito. Aos 37, Marcelo recebeu na linha de fundo, bateu cruzado, em bola que desviou em Alderweireld, parando em boa defesa de Courtois. Na sequência da jogada, Coutinho encheu o pé, mas o goleiro belga fez grande defesa.

No fim do primeiro tempo, a seleção belga ainda teve duas boas oportunidades de ampliar, primeiro em falta cobrada por De Bruyne e depois em cabeçada de Kompany. Nas duas oportunidades, Alisson apareceu bem, fazendo boas defesas.

No intervalo, Tite mexeu na equipe, colocando Roberto Firmino no lugar de Willian, mudando o posicionamento de Gabriel Jesus, que passou a atuar pelo lado direito. Por ali, veio a primeira boa descida do Brasil, quando Neymar tabelou com o camisa 9, mas prendeu demais e foi desarmado por Kompany.

Aos 6, Marcelo fez um carnaval em cima da Vertonghen pela esquerda, com dois dribles e um forte chute cruzado. Firmino se antecipou, mas não conseguiu tocar na bola, que passou em frente a área, até sair do lado oposto do campo.

A pressão brasileira foi só aumentando e, dois minutos depois, Paulinho foi acionado na direita, mas Courtois saiu rápido e conseguiu bloquear. Aos 10, foi a vez de Gabriel Jesus aparecer pelo mesmo lado e cair, após chegada de Kompany. A equipe do VAR reviu o lance e auxiliou ao árbitro sérvio Milorad Mazic a não marcar pênalti.

O contra-ataque belga quase fez estragos aos 17, quando Hazard foi acionado, disparou pela esquerda e bateu firme, mas para fora. A resposta veio rápido, com Douglas Costa, que havia acabado de substituir Gabriel Jesus. O meia-atacante partiu pela direita, invadiu a área e concluiu para ótima defesa de Courtois.

Atrevido, o camisa 7 da seleção apareceu bem outra vez aos 26, quando recebeu na direita, cortou para o meio e chutou forte, mas, outra vez, parou em defesa segura do goleiro. Quatro minutos depois, brasileiro e belga duelaram de novo, em nova descida rápida, que terminou com intervenção precisa do camisa 1.

Outro jogador que veio do banco apareceu com precisão para descontar. O meia Renato Augusto, que substituiu Paulinho aos 28, balançou as redes aos 31, de cabeça, após linda assistência de Philippe Coutinho que achou o companheiro livre entre Kompany e Vertonghen.

O autor do primeiro gol da seleção teve nova oportunidade aos 35, depois de receber mais um belo passe do camisa 11. Dessa vez, a bola veio rasteira, mas Renato Augusto, sem marcação, acabou finalizando à direita do gol de Courtois.

Nos acréscimos, mais um pedido de pênalti dos brasileiros, quando Fagner cruzou na área para Neymar, que caiu após contato com Meunier. Mais uma vez, o VAR não apontou qualquer irregularidade e Milorad Mazic mandou seguir a partida normalmente.

Aos 49, por centímetros a seleção não conseguiu igualar, quando Douglas Costa fez grande jogada individual e serviu Neymar, que chutou com efeito, de pé direito, e obrigou Courtois a fazer grande defesa, segurando de vez o placar.



Ficha técnica:.

Brasil: Alisson; Fagner, Miranda, Thiago Silva e Marcelo; Fernandinho, Paulinho (Renato Augusto) e Philippe Coutinho; Willian (Roberto Firmino), Neymar e Gabriel Jesus (Douglas Costa). Técnico: Tite.

Bélgica: Courtois; Alderweireld, Kompany e Vertonghen; Meunier, Witsel, De Bruyne, Fellaini e Chadli (Vermaelen); Hazard e Lukaku (Tielemans). Técnico: Roberto Martínez.

Árbitro: Milorad Mazic (Sérvia), auxiliado pelos compatriotas Milovan Ristic e Dalibor Djurdjevic.

Gols: Renato Augusto (Brasil); Fernandinho (contra) e De Bruyne (Bélgica).

Cartões amarelos: Fagner (Brasil); Alderweireld e Meunier (Bélgica).

Estádio: Kazan Arena, em Kazan.

Mais Esporte