Topo

Esporte


Punido, Santos empata e é eliminado; Jogo acaba antes por caos no Pacaembu

2018-08-28T21:47:00

28/08/2018 21h47

São Paulo, 28 ago (EFE).- Em partida encerrada por falta de segurança em meio ao tumulto gerado pela torcida do Santos no estádio do Pacaembu, o clube paulista foi eliminado da Taça Libertadores nesta terça-feira com um empate sem gols com o Independiente, que avançou às quartas de final graças à polêmica vitória por 3 a 0 concedida pela Conmebol na partida de ida.

Enquanto a bola rolava, o destaque do Santos foi a grande atuação de Vanderlei, que fez milagres e até mesmo defendeu um pênalti. O time argentino jogou melhor, e na próxima fase enfrentará o vencedor de River Plate e Racing, que empataram em 0 a 0 na ida.

O árbitro chileno Julio Bascuñán paralisou o confronto no Pacaembu aos 35 minutos do segundo tempo, quando bombas e sinalizadores foram lançados ao campo. Diversos torcedores santistas iniciaram um tumulto na grade que separa as arquibancadas do gramado, alguns inclusive conseguiram invadir.

A partida já estava envolta de polêmica muito antes do apito inicial. Na ida, em Avellaneda, os times não saíram do 0 a 0, mas a Conmebol puniu o Santos com uma derrota por 3 a 0 devido à escalação irregular do volante uruguaio Carlos Sánchez. O julgamento ocorreu na segunda-feira, e a decisão só foi divulgada nesta manhã.

Sánchez foi suspenso por três jogos em 2015, quando ainda defendia o River Plate, após ter agredido um gandula durante as semifinais da Copa Sul-Americana. A Conmebol decidiu anistiar uma parte das suspensões em 2016, e, quando os dirigentes santistas consultaram a situação de Sánchez, o volante aparecia liberado.

Sendo assim, o jogador participou da partida de ida de forma irregular por erro da entidade, que assumiu a culpa, mas não livrou o Santos da punição. Enquanto a diretoria do clube recorre nos tribunais contra a condenação inesperada, a equipe foi a campo para tentar reverter o placar desfavorável.

O jogo no Pacaembu começou dinâmico e com os nervos à flor da pele. Em 20 segundos, Gabigol tentou um desarme no círculo central e acertou a perna de Hernández com um carrinho violento, mas recebeu apenas uma advertência verbal.

Aos sete minutos, Vanderlei errou ao repor a bola na área e a entregou de graça para Meza, que tentou driblar Lucas Veríssimo e caiu ao ser tocado pelo zagueiro. Os jogadores do Independiente pediram pênalti e reclamaram, mas o árbitro deu sequência ao lance.

Logo em seguida, o Santos se mandou para o ataque e quase abriu o placar. Lançado em velocidade pelo meio da zaga adversária, Gabigol ficou cara a cara com o goleiro e finalizou em cima de Campaña, que saiu do gol para fechar o ângulo do atacante.

Com muitas faltas cometidas por ambos os times, o jogo perdeu qualidade técnica. Enquanto o Independiente tentava explorar jogadas aéreas com Gigliotti na área, o Santos tentava por baixo, mas nenhuma das equipes conseguia chegar com perigo ao ataque. Faltava capricho na criação de jogadas.

O Santos voltou a finalizar a gol aos 38 minutos, novamente com Gabigol. Após belo passe de Sánchez dentro da área, o camisa 10 chutou rasteiro e quase sem ângulo para a defesa de Campaña.

Quando time da casa estava melhor no jogo, um contra-ataque perfeito quase arruinou antecipadamente as esperanças da torcida santista. Com uma rápida triangulação, Gigliotti recebeu de frente para Vanderlei, que foi driblado e derrubou o rival. Meza cobrou o pênalti, e o goleiro saltou com confiança para defender.

Enquanto o time argentino foi para o vestiário, o Santos passou o intervalo à beira do gramado, e voltou um pouco melhor da pausa. Em seis minutos, Gabigol, recebeu cruzamento rasteiro de Victor Ferraz pela direita e finalizou à queima-roupa, mas mandou para fora.

Apesar do ímpeto santista, o Independiente voltou a testar Vanderlei aos 18 minutos. De fora da área, Francisco Silva chutou colocado e com um efeito cheio de veneno, mas o goleiro se esticou para mandar a bola pela linha de fundo.

Pouco depois, o camisa 1 espalmou para longe uma bomba de Gastón Silva em cobrança de falta. Quando Vanderlei foi superado, o travessão poupou o Santos de uma missão ainda mais difícil após chute de Pablo Hernández aos 27 minutos.

Em meio ao drama da iminente eliminação, a partida foi paralisada e encerrada diante do tumulto gerado pela torcida do Santos, que inclusive entrou em confronto com a polícia no estádio.



Ficha técnica:.

Santos: Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo (Robson Bambu) e Diego Pituca; Alison (Jean Mota), Carlos Sánchez e Derlis González; Rodrygo, Gabriel Barbosa e Bruno Henrique (Bryan Ruíz). Técnico: Cuca.

Independiente: Campaña; Figal; Brítez, Franco e Gastón Silva; Francisco Silva, Bustos (Domingo) e Pablo Hernández; Silvio Romero (Braian Romero), Meza e Gigliotti. Técnico: Ariel Holan.

Árbitro: Julio Bascuñán (Chile), auxiliado pelos compatriotas Carlos Astroza e Claudio Ríos.

Cartões amarelos: Gustavo Henrique, Alison e Derlis González (Santos); Brítez e Bustos (Independiente).

Estádio: Pacaembu, em São Paulo.

Mais Esporte