Topo

Esporte


Hamilton resiste com pneus desgastados e vence em Mônaco pela 3ª vez

2019-05-26T12:21:00

26/05/2019 12h21

Redação Central, 26 mai (EFE).- O britânico Lewis Hamilton (Mercedes) conquistou neste domingo a terceira vitória da carreira no Grande Prêmio de Mônaco, desta vez de ponta a ponta, embora as dificuldades tenham sido grandes devido ao desgaste dos pneus do carro do pentacampeão mundial.

Pole position, Hamilton largou bem e em momento algum deixou de ser o primeiro colocado. Entretanto, devido à estratégia da Mercedes, o britânico, que já havia triunfado no principado em 2008 e 2016, fez o segundo trecho de prova com pneus médios, ao contrário do que foi feito por seus principais concorrentes, que usaram compostos duros - mais resistentes, o que quase lhe custou o resultado.

No braço, o vencedor dos dois últimos campeonatos se manteve à frente e aumentou a vantagem na liderança do Mundial de pilotos, com 137 pontos, 17 a mais que o segundo colocado, seu companheiro de equipe Valtteri Bottas, que ficou em terceiro.

O responsável por quebrar a sequência de cinco dobradinhas das 'Flechas de Prata' foi o alemão Sebastian Vettel (Ferrari), que subiu ao pódio em segundo. O holandês Max Verstappen, que pressionou Hamilton no terço final do GP em Monte Carlo, até recebeu a bandeirada como vice-líder, mas foi punido com o acréscimo de 5s ao seu tempo total de corrida e ficou em quarto lugar.

A prova foi marcada por várias homenagens a Niki Lauda, morto na última segunda-feira. Tricampeão mundial, o austríaco vinha sendo consultor da Mercedes, mas se afastou da Fórmula 1 ainda no passado devido a problemas de saúde.

Após a vitória, Hamilton, que correu com capacete com as mesmas cores usadas por Lauda, declarou pelo rádio em comunicação com a escuderia alemã: "Essa é para Niki". Mais cedo, ainda antes da volta de apresentação, houve um minuto de silêncio pela memória do ex-piloto de 70 anos.

Lá atrás, o piloto da casa Charles Leclerc, que largou apenas em 15º lugar por um erro de cálculo da Ferrari no treino oficial, partiu para cima da concorrência, mas acertou o muro e teve um pneu furado. O monegasco, que vinha em 12º, até tentou continuar na pista, mas abandonou pouco depois.

Com o safety car na pista, os pilotos da frente foram para os boxes. Hamilton se manteve tranquilo à frente, enquanto Bottas e Verstappen brigavam pela segunda posição e tiveram um "entrevero" nos boxes.

Os dois pararam ao mesmo tempo, e o holandês ganhou a posição, mas fechou o concorrente, o que rendeu ao piloto da Red Bull a punição de 5s. O finlandês também ficou no prejuízo, já que tocou no concorrente, teve o carro danificado e precisou voltar aos boxes, caindo para quarto.

A cerca de 25 voltas para o final, começou o drama de Hamilton, que passou a reclamar pelo rádio do desgaste de pneus de sua Mercedes, sobretudo o do dianteiro esquerdo. O pentacampeão chegou a dizer que só conseguiria vencer a corrida com um milagre, mas conseguiu se segurar e obteve a 77ª vitória da carreira. Na antepenúltima volta, eles chegaram a se tocar na saída do túnel, mas não houve troca de posições.

Logo atrás, Bottas, com compostos menos desgastados, esboçou um ataque a Vettel, mas também não ultrapassou e cruzou a linha de chegada em quarto, subindo ao pódio por causa do tempo acrescido a Verstappen.

A zona de pontuação teve ainda, da quinta à décima colocações, nessa ordem, o francês Pierre Gasly (Red Bull), o espanhol Carlos Sainz Jr (McLaren), o russo Daniil Kvyat (Toro Rosso), o tailandês Alexander Albon (Toro Rosso), o australiano Daniel Ricciardo (Renault) e o também francês Romain Grosjean (Haas). EFE

Mais Esporte