Guga está feliz com as crianças. E desgostoso com o legado olímpico

Carlos Padeiro / ESPORTE(ponto final)
Gustavo Kuerten comanda atividade lúdica com crianças do projeto social Sombra e Água Fresca, durante a Semana Guga Kuerten - 2017 Imagem: Carlos Padeiro / ESPORTE(ponto final)

Por Carlos Padeiro

Em Florianópolis (SC)

12/10/2017 04h00

Embora cansado e com fome, Guga está feliz. Ele passou a tarde inteira atendendo a imprensa, distribuindo autógrafos, tirando fotos... E se divertindo com centenas de crianças e dezenas de adultos. É a correria da Semana Guga Kuerten 2017, evento que dura 10 dias e trabalha o esporte na sua essência, com amizade, respeito às regras e ao adversário, esforço físico, educação etc. E sonhos. 

Um alento no atual cenário do esporte brasileiro, já que a pauta que tem dominado o noticiário é a corrupção dos cartolas. E o assunto legado olímpico é a única coisa que não deixa Guga feliz. 

Ao final de mais um dia de atividades, o astro do tênis nacional se prepara para ir embora. Alguns poucos fãs ainda o seguem. Pode ser a última chance de ter contato com o ídolo.

Ele para diante de um carrinho, cumprimenta o vendedor e pega um saquinho de pipoca. Pai e filha se aproximam para tirar uma foto. Guga abraça os dois e inicia um diálogo com a atleta mirim. Ela está encabulada, parece encantada com a presença do tricampeão de Roland Garros.

- Você jogou hoje?

- Sim.

- Ganhou ou perdeu?

- Perdi.

- Perdeu e está feliz. Está sorrindo... Que bom, assim é o esporte e a vida. A derrota faz parte do aprendizado, não se deixe abalar com isso. Você perdeu na primeira rodada ou na segunda?

A garota não responde. Travou de vez. A conversa com o maior tenista brasileiro de todos os tempos não estava nos planos. Ela só queria uma foto. Guga insiste:

- Perdeu no primeiro ou no segundo jogo?

- No primeiro.

- Tá bom! Para o ano que vem, vamos combinar que sua meta é ir até a segunda rodada. Dar um passo a mais. Quantos anos você tem?

- 11.

- Só 11? Então compete na categoria sub-12. Vai evoluir. Continue treinando, se dedicando ao esporte, ao tênis... Tchau, gurizada!

Guga não diz “não”. Atende todo mundo

Guga não fica sozinho um instante sequer durante a Semana Guga Kuerten. São fotos para patrocinadores, entrevistas, encontros... E o que ele mais gosta de fazer: as atividades com as crianças.

Após o almoço, Guga concede uma entrevista de uma hora. Em volta, crianças e adultos acompanham tudo. É o mundo que eles estão acostumados a ver pela televisão virando realidade. A chance de ver os bastidores e a rotina de um ídolo do esporte.

Guga levanta e todos aplaudem. Ele é cercado, distribui autógrafos e tira mais fotos. Naquela tarde, o evento recebeu a visita das crianças do projeto social Sombra e Água Fresca. Guga vai ao encontro delas e comanda uma atividade lúdica.

Carlos Padeiro / ESPORTE(ponto final)
Guga, em entrevista ao ESPORTE(ponto final) Imagem: Carlos Padeiro / ESPORTE(ponto final)
Na sequência, mais uma entrevista, ao ESPORTE(ponto final), para falar sobre o que o esporte representa na sua vida e sobre os seus grandes momentos.

Após uns 20 minutos, a gravação é interrompida para Guga participar do quadro #AltasHoras. “Vou lá e já volto”, avisa. Ensaia com umas 30 crianças a breve coreografia para aparecer no programa de Serginho Groisman.

- Vamos lá! Eu conheço vocês do Sombra e Água Fresca. São cheios de energia. Vai dar certo!

Deu errado na primeira tentativa, e todos gargalharam. Na quarta ou quinta, deu certo.

Depois, uma rápida entrevista para falar sobre como a banana faz bem para saúde e foi importante durante a sua carreira. A bateria da câmera acaba, e o jornalista diz que precisa pegar uma nova no carro. Guga aceita na boa: “vai lá, eu espero. Enquanto isso, vou atendendo o pessoal aqui”.

Pra fechar o dia, retorna para finalizar o papo com o ESPORTE(ponto final), como havia prometido. Só interrompe a longa entrevista mais uma vez, para abraçar seu irmão Rafael e sua filha. “Pode ficar brincando que o papai vai ficar sentado aqui”.

Desgosto com o legado olímpico

Guga autografa as últimas camisetas e bolinhas de tênis à sua frente. Uma senhora de idade oferece algo para comer. Ele pega, agradece e sorri: “É pra eu comer tudo agora ou posso guardar para as crianças?”. Ela fica sem jeito: “pode comer tudo”.

Um senhor, também de idade, se aproxima pelo outro lado.

- Tudo bem com o senhor? Quer um pouco? É bom pra saúde! – diz Guga, oferecendo o petisco que acabara de pegar das mãos da senhora.

O homem se surpreende. Balança a cabeça: “não, não”. A voz dele quase não sai, mas era como se dissesse “não precisa ser tão gentil, eu só queria chegar perto de você”.

Com o gravador na mão, aproveito a ocasião para fazer uma pergunta que considero essencial, pelo momento que vive o esporte brasileiro.

- Guga, posso fazer uma última pergunta?

- Sim.

- Você foi um entusiasta durante os Jogos Olímpicos do Rio. Virou um personagem da Olimpíada, comentando várias competições na Globo. Um ano depois, como você tem acompanhado essas notícias sobre o legado olímpico, sobre os desvios de verbas...?

Guga me interrompe. E dá a resposta mais sincera possível:

- Ah, não! Eu teria que pensar muito para responder. Estou cansado, já falei muito durante as entrevistas, minha cabeça está cansada. Comentar esse assunto é um desgosto, me embrulha o estômago, me dá enjoo... Desculpa, mas não quero falar sobre isso agora. Não vai me fazer bem. Preciso comer.

Acho que foi a única vez que Guga recusou um pedido naquela tarde. Mesmo assim, suas poucas palavras mostram bem o que ele pensa sobre a política pública para o esporte no Brasil.

Nem deu tempo de pedir sua opinião sobre a prisão de Carlos Arthur Nuzman, ex-presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (renunciou ao cargo nessa quarta). Mas também não é difícil imaginar a resposta.

Guga senta para comer. Enfim, pode descansar um pouco. Na manhã seguinte, está prevista uma visita a um projeto social em um bairro pobre de Florianópolis. Provavelmente Guga estará sorrindo. E fará outras pessoas sorrirem.

Em tempos de desilusão com a política e a gestão do esporte no Brasil, passar alguns momentos ao lado do “manezinho da ilha” faz bem.

Carlos Padeiro / ESPORTE(ponto final)
Guga sorri durante toda a entrevista. Só os temas legado olímpico e corrupção no esporte o perturbam Imagem: Carlos Padeiro / ESPORTE(ponto final)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Topo