Por que o Fla-Flu se tornou o jogo preferido de jornais cariocas há 80 anos

Por Carlos Padeiro

01/11/2017 04h00

Fla-Flu é uma marca octogenária. Um termo imortalizado por Mário Filho, jornalista que dá nome ao estádio do Maracanã.

O clássico caiu no gosto da imprensa esportiva carioca na década de 1930. Na verdade, de parte dela. À época, os jornais impressos (não existia TV e o rádio dava seus primeiros passos) engatinhavam na cobertura esportiva, e o futebol disputava espaço com outras modalidades, principalmente o boxe e o turfe (corrida de cavalos).

Era um momento de cisão entre os grandes times do Rio. O motivo do racha envolve o processo de profissionalização do futebol, liderado por Flamengo e Fluminense. Do outro lado, Botafogo e Vasco permaneceram mais tempo na liga amadora.

O Jornal do Sports (JS) e O Globo abraçaram a causa do profissionalismo e, consequentemente, se apegaram ao Fla-Flu.

“No momento em que o profissionalismo se estabelece no futebol, a imprensa está inventando um padrão de cobertura. O grande jogo desse projeto de profissionalismo é o Fla-Flu, e por isso a predominância do clássico nos principais jornais que cobriam o futebol na época”, explica Renato Coutinho, professor de História do Brasil na Universidade Castelo Branco, no Rio de Janeiro. 

Chefiado por Mário Filho, o JS era o periódico esportivo mais vendido no Brasil. O cronista apostou no futebol como a modalidade que seria a mais popular do país e que impulsionaria a venda de jornais. O Globo seguiu o mesmo caminho. Ambos os impressos criaram um vocabulário para favorecer a mística do clássico: enalteciam ídolos, traziam a cobertura dos jogos em página inteira, destacavam fotos.

"A marca Fla-Flu foi inventada antes de outros clássicos no Rio de Janeiro. Esses periódicos, vencedores no projeto de profissionalização do esporte, eram dominados por pessoas ligadas a Flamengo e Fluminense. O Mário Filho foi alçado à condição de porta-voz pelas condições financeiras e material dos dirigentes desses dois clubes. O Jornal dos Sports seguiu historicamente identificado com as direções desses clubes", pondera Coutinho.

Reprodução / Jornal dos Sports
Jornal dos Sports destaca em sua manchete o Fla-Flu, que seria realizado em setembro de 1936 Imagem: Reprodução / Jornal dos Sports

O racha entre os 4 grandes

Em 1933, foi criada a Liga Carioca de Futebol, entidade profissional que tinha como objetivo organizar um novo campeonato. Flamengo, Fluminense, Vasco, Bangu, América e Bonsucesso aderiram, enquanto Botafogo, São Cristovão, Olaria e mais nove clubes menores seguiram filiados à entidade amadora reconhecida pela Confederação Brasileira de Desporto (CBD).

Em 1934, o Vasco deixou a liga profissional e retornou para a amadora. Em 1935 e 36, os quatro grandes ficaram divididos em dois torneios: Flamengo e Fluminense jogavam a liga profissional, e Botafogo e Vasco, a competição amadora.

O campeonato passa pela pacificação em 1937, e tem a liga unificada.

“Vasco e Botafogo - especialmente o Botafogo, porque foi o clube mais associado com a tradição amadora no futebol carioca - perderam esse momento da imprensa esportiva. Claro que, depois, esses dois times também teriam relevância, mas nenhum outro clássico vai se sobrepor ao Fla-Flu enquanto o padrão jornalístico for o rodriguiano e o de Mario Filho, gestado naquele momento”, afirma Coutinho, autor do livro “Um Flamengo grande, um Brasil maior: o Clube de Regatas do Flamengo e a construção do imaginário político nacionalista popular”.

Ao usar o termo rodriguiano, o professor de História se refere a Nelson Rodrigues, irmão de Mário Filho, tricolor roxo e um dos maiores cronistas sobre futebol do país.

Duelo entre torcidas no Fla x Flu

Mário Filho apostava em um jornalismo com uma linguagem mais próximo do torcedor. Passou, inclusive, a promover duelos de torcidas nos jogos entre o time da Gávea e o time das Laranjeiras. O objetivo era incentivar os torcedores a irem aos estádios para fazer a festa.

Em janeiro de 1937, o Jornal dos Sports destacava a notícia de que o Flamengo havia vencido a competições de torcidas. Uma comissão julgadora do JS considerou os rubro-negros mais entusiasmados, com cartazes, cantando e acenando as bandeiras.

Em campo, o Flu levou a melhor e conquistou o título da liga profissional de 1936. Foi a primeira vez que um Fla-Flu definiu o estadual na era do profissionalismo. Na melhor de três confrontos, o tricolor precisava de um empate no último jogo. Leônidas abriu o placar para os rubro-negros, e Hércules empatou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Esporte Ponto Final
Topo