Topo

Esporte

Nós não poderíamos ter feito mais, diz técnico da Costa Rica

22/06/2018 16h06

FUT-COPA-TECNICO-COSTARICA:Nós não poderíamos ter feito mais, diz técnico da Costa Rica

Por Simon Evans

SÃO PETERSBURGO (Reuters) - A Costa Rica foi eliminada da Copa do Mundo após somente dois jogos, com uma derrota por 2 x 0 para o Brasil nesta sexta-feira, e o técnico Óscar Ramírez disse que não havia muito o que seu time pudesse ter feito.

A seleção costarriquenha manteve o jogo sem gols até os acréscimos, quando Philippe Coutinho furou o bloqueio e então Neymar garantiu mais um gol, seis minutos depois.

    “Eu não sei o que mais poderíamos ter feito. Considerando o que tinha à minha disposição e o que eles tinham, foi um bom esforço. Eles formam uma das melhores equipes do mundo”, disse Ramírez.

“Nós tínhamos um plano, uma estratégia, e uma ideia de como controlar os oponentes com e sem a bola, e no primeiro tempo nós tivemos posse de bola e oportunidades suficientes”.

“Nós conhecemos as forças do Brasil e nós queríamos minimizá-las e nós conseguimos fazer isto por quase 91 minutos”, acrescentou.

O técnico brasileiro, Tite, colocou Douglas Costa no lugar de Willian no segundo tempo e então aumentou o poder de ataque com Roberto Firmino.

    Ramírez, cujo time perdeu por 1 x 0 para a Sérvia na partida de estreia, disse que estas alterações fizeram a diferença.]

“Eles fizeram alterações que dificultaram nossa vida. Meus jogadores fizeram um grande esforço, eles defenderam bem e quando tínhamos a chance de atacar ao gol, eles usaram isto. Mas infelizmente no final não conseguimos finalizar.”

O técnico da Costa Rica rejeitou as críticas de que foi muito cauteloso com suas táticas.

    “Eu acho que nós vimos diversos jogos nesta Copa do Mundo em que os resultados foram muito apertados e coisas foram decididas por pequenas margens”.

“O segundo gol foi uma consequência dos jogadores estarem um pouco cansados. Você precisa saber quando arriscar e quando não se você estiver enfrentando uma equipe muito, muito boa”.

“Partidas internacionais são jogadas de forma muito diferente. Eu penso que conseguimos lidar bem com o jogo contra uma seleção muito forte”, acrescentou.

Ramírez negou que seu time não foi capaz de competir fisicamente com adversários de alto nível, mas disse que não tiveram o toque finalizador que mostraram há quatro anos, quando avançaram surpreendentemente às quartas de final.

“Nós corremos. Olhamos as estatísticas da Fifa e elas mostram que nós corremos muito – eu não penso com menos força nesta área. Foram as outras coisas que falharam – lembrem-se que nós estávamos jogando contra uma equipe com jogadores brilhantes”.

“Infelizmente não foi como em 2014, nós não conseguimos finalizar quando tivemos as oportunidades – diferente do que foi contra a Itália no Brasil, quando nós tivemos duas chances e vencemos por 1 x 0”.

Mais Esporte