! UOL Esporte - Copa do Mundo 2002 - Últimas Notícias

<\table>


ÁLBUM

Veja fotos
de diversas
competições




   00h12 - 12/06/2002

Uruguaios choram a desclassificação e culpam treinador

Por Anahí Rama

MONTEVIDÉU (Reuters) - Os uruguaios tentavam na terça-feira digerir a raiva pela dramática eliminação de sua equipe da Copa diante do Senegal e culpavam o técnico Víctor Púa por não ter aproveitado antes jovens talentos como o atacante Diego Forlán.

Os uruguaios começaram o jogo perdendo por 3 x 0 e conseguiram empatar em 3 x 3. Faltou apenas um gol, que esteve muito perto, para garantir a classificação.

O futebol é quase uma religião para os uruguaios. Eles já pediam a entrada de Forlán no jogo anterior, contra a França, que terminou em 0 x 0, apesar de os franceses terem jogado a maior parte do tempo com dez homens.

Torcedores chegavam a chorar ao comentar a partida contra Senegal nas emissoras de rádio. A partida foi disputada às 3h30 no horário local, naquela que foi a noite mais fria do ano no Uruguai.

"Essa seleção é uma vergonha. Em vez de dar uma alegria ao povo, que precisa tanto, jogou para si, para ver se podia brilhar. Púa não tem caráter, não deveria voltar ao Uruguai", disse entre soluços Julio, um torcedor, a uma rádio local.

O treinador Victor Púa anunciou depois da partida que deixaria o comando da seleção uruguaia.

O empate com o Senegal marcou o fim do retorno da "celeste", campeã em 1930 e 1950, depois de 12 anos de ausência em Mundiais.

Forlán, do Manchester United, e o jovem atacante do Nacional Richard Morales entraram em campo no segundo tempo, quando começou a reação uruguaia, e fizeram os dois primeiros gols do Uruguai.

O terceiro gol foi marcado pelo volante Alvaro Recoba, da Inter de Milão, que recebeu muitas críticas dos uruguaios.




Reuters Limited - todos os direitos reservados. O conteúdo Reuters é de propriedade intelectual da Reuters Limited. Qualquer cópia, republicação ou redistribuição do Conteúdo Reuters, inclusive por armazenamento rápido, enquadramento ou outros meios semelhantes, estão expressamente proibidas sem o consentimento prévio por escrito da Reuters. A Reuters não será responsável por quaisquer erros ou atrasos no Conteúdo, ou por quaisquer medidas tomadas na ocorrência fos fatos ora descritos.

Comente esta notícia nos Grupos de Discussão UOL