Esporte

De veterinário a cria de Valentino Rossi: 'meio brasileiro' brilha na Moto2

Mirco Lazzari GP/Getty Images
Filho de brasileira, Morbidelli homenageia o país no capacete Imagem: Mirco Lazzari GP/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

01/10/2016 06h00

Franco Morbidelli é italiano e nunca morou no Brasil, mas carrega a bandeira verde e amarela na cabeça no Mundial de Motovelocidade. Filho de brasileira, o piloto da Moto2, a categoria intermediária do campeonato, tem o capacete dividido por duas bandeiras: Brasil e Itália. E como previsto por quem o acompanha há mais tempo, essa “cria” de Valentino Rossi tem feito bonito.

Aos 21 anos, Morbidelli é o sexto colocado da Moto2 a cinco provas do fim. Só não pontuou duas vezes nas 13 corridas anteriores e, nas últimas seis, foi ao pódio três vezes (duas delas em segundo lugar). Nada mal para quem brinca com moto desde a infância, mas já sonhou ser veterinário.

A paixão do italiano por velocidade tem um culpado: o pai. Quando tinha só nove meses de vida, Morbidelli foi colocado em uma mini-moto. Aos 5 anos, ainda sem poder competir oficialmente, já fazia tempos melhores que os garotos mais velhos. Dois anos depois, já faturava seu primeiro título.

Mesmo assim, Morbidelli fazia planos profissionais longe da moto. Seu primeiro objetivo era ser veterinário. Atormentou seus pais com a ideia. Na adolescência, estudou técnica industrial durante quatro anos. Ele conta que ia bem no curso, mas a essa altura a tentação de viver da velocidade falou mais alto que tudo.

Foi nessa época, segundo ele, que Valentino Rossi se tornou seu maior ídolo. E como um sonho de criança virando realidade, não demorou para ele ser chamado para treinar na VR46 Riders Academy, o centro de formação de pilotos de Rossi.

“Treinar com um campeão como Vale é um privilégio. Tentava explorar o máximo possível seu conhecimento quando corríamos juntos. Sempre vou agradecer a ele a todo mundo da academia”, disse o italiano, a um degrau de se tornar adversário do ídolo.

E é bom não duvidar de sua capacidade de subir na carreira. Em 2013, chamado para “tapar buraco” em três corridas, Morbidelli conseguiu convencer a equipe Italtrans a contratá-lo em definitivo para a temporada seguinte. Ficou dois anos até ser convidado pela Estrella Galicia 0,0 Marc VDS para reforçar a equipe em 2016. Agora, faz seu melhor campeonato.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo