Topo

Esporte

Matheus Leist chegou à Indy. Agora, irmão faz planos para tentar alcançá-lo

Bruno Terena/RF1
Arthur Leist será rival de Eduardo Barrichello na Fórmula 4 norte-americana em 2018 Imagem: Bruno Terena/RF1

Emanuel Colombari

Do UOL, em São Paulo

22/04/2018 07h25

Aos 19 anos, Matheus Leist vem contabilizando algumas temporadas de destaque no automobilismo internacional. Campeão da renovada Fórmula 3 britânica em 2016, trocou as pistas da Europa pelas dos Estados Unidos, e depois de disputar a Indy Lights em 2017 (três vitórias em 16 corridas), estreou na Fórmula Indy em 2018 pela AJ Foyt como companheiro de Tony Kanaan.

Mas Matheus não é o único representante da família Leist que busca o sucesso nas pistas. Na verdade, ele é também o exemplo de Arthur, 16 anos, seu irmão que chega em 2018 ao automobilismo norte-americano.

A meta, é claro, é repetir o sucesso do mais velho. “É um dos maiores incentivadores, um ídolo, uma pessoa que me inspira muito”, disse Arthur, por telefone, em entrevista ao UOL Esporte.

Natural de Novo Hamburgo (RS), Arthur Leist começou a correr de kart em 2007, chegando em 2009 a São Paulo para encarar pilotos de mais estados. Competiu na categoria até o começo de 2018, quando viu abrirem-se as portas da Fórmula 4 norte-americana. Testou no fim de março pela equipe HR Motorsports, mas acertou para disputar a categoria pela Crosslink Kiwi Motorsports.

RF1/Divulgação
Gaúcho disputará a temporada da F-4 nos EUA pela Crosslink Kiwi Motorsports Imagem: RF1/Divulgação

O acerto aconteceu pouco antes da primeira rodada tripla da temporada, no Virginia International Raceway, entre os dias 27 e 29 de abril. Por isso, Arthur busca uma adaptação rápida.

“Eu estou tentando treinar o máximo possível para chegar na primeira etapa e brigar por um Top 5. (Correr de) fórmula exige muito mais do corpo”, afirmou o adolescente.

As diferenças nas trajetórias de Matheus e Arthur começam justamente na transição do kart para os monopostos. Enquanto o mais velho tentou carreira na Europa e optou por correr nos EUA diante da diferença de custos, o mais novo confiou na decisão do irmão e já foi direto para os traçados norte-americanos.

“Ele foi para a Europa e viu que, nos Estados Unidos, tem mais oportunidade – sem tanta política e dinheiro”, analisou Arthur, que não teme a comparação que poderá sofrer frente à trajetória do irmão. “A cobrança sempre vai existir.”

Fã de um Barrichello, rival de outro

Fã ainda de Ayrton Senna e de Rubens Barrichello, Arthur estreará no automobilismo dos EUA correndo justamente contra Eduardo Barrichello, filho mais velho de Rubinho. Dudu, como é conhecido, competirá com um carro da parceria entre as equipes DC Autosport e Cape Motorsports.

Mas Dudu não encontrará nas pistas um inimigo – pelo contrário. “Eu sou bem amigo (dele). A gente faz vários treinos em simulador junto. A gente só vai evoluir junto”, conta o gaúcho. “Correndo um contra o outro, a gente vai evoluir.”

Arthur tem objetivos bastante claros para os próximos anos: começar a escalar as categorias de acesso à Fórmula Indy. Para isso, precisa chegar à US F-2000, à Pro Mazda Championship e à Indy Lights. Sem queimar etapas, pode alcançar o ápice dos monopostos na América do Norte em 2022.

Até lá, continuará torcendo por Matheus – e contando com a torcida do irmão. “A gente sempre se deu muito bem, até por gostar da mesma coisa. Quando eu estou correndo, ele sempre fica de olho, manda mensagem. Nas corridas dele, eu também sempre dou suporte”, conta o caçula.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte