Topo

Vôlei


Entre tapas e brigas, Lorena e Ricardinho viram melhores amigos

Divulgação/CBV
Ricardinho e Lorena atuaram juntos pela primeira vez no Vôlei Futuro, na temporada 2011/2012 Imagem: Divulgação/CBV

Luiz Paulo Montes e Paula Almeida

Do UOL, em São Paulo

13/09/2013 06h00

Dois jogadores experientes, rodados, e que se encontraram nas retas finais de suas carreiras. De personalidades fortes, Lorena e Ricardinho atuaram juntos pela primeira vez no Vôlei Futuro, em 2011.

Com entrosamento perfeito em quadra, levaram o time à decisão da Superliga.  No vestiário, porém, o clima esquentou algumas vezes, e os dois chegaram a ‘sair no tapa’. Por incrível que pareça, as brigas aproximaram a dupla, e hoje são grandes amigos. Amizade, aliás, que fez com que ambos se unissem para esta Superliga, no Moda Maringá, time presidido pelo levantador.

Quando atuavam juntos no time Araçatuba, por mais de uma vez se desentenderam fortemente. Com ânimos exaltados após atuações ruins, os dois revelam que por mais de uma vez saíram no tapa no vestiário. Mas que, no dia seguinte, se desculpavam com um abraço. A partir desses desentendimentos, tornaram-se grandes amigos. 

"Tivemos inúmeras discussões, você não tem ideia. Mas a gente se entrosou. Ele é um dos jogadores com quem eu mais discuti, mais briguei, e briga feia mesmo. E ele se tornou um dos meus melhores amigos. Depois de uma briga séria que a gente teve, a gente se tornou grandes amigos", afirmou o levantador, ao UOL Esporte

Quando conseguiu apoiadores para montar a equipe em Maringá, Ricardinho começou a corrida atrás de jogadores. E o primeiro 'sim' que ele recebeu, de cara, foi Lorena. Em uma rápida conversa, os dois se acertaram para atuar mais uma temporada juntos.

"Eu não queria ter saído do Vôlei Futuro, porque eu me identificava muito com ele. E eu já tinha dito que eu queria a voltar a jogar com ele. Aí pintou a oportunidade e eu não pensei duas vezes. Eu poderia até ainda estar no Sesi que eu sairia pra jogar com ele. Acho que foi coisa de Deus", comentou o oposto.

Além de amigo, Ricardinho agora é patrão de Lorena. Apesar de ser 'subordinado', o oposto não se intimida e garante que, se precisar brigar com o companheiro, não terá receio. Tudo, segundo ele, pelo bem da equipe paranaense.

"Se brigar é que a gente ganha aumento (risos). Nós não escondemos nada. Ali, estamos honrando uma marca, a cidade e vamos fazer de tudo para fazer dar certo. Se tiver de brigar, vamos brigar", disse o bem humorado jogador, que ao longo de sua carreira nunca ficou mais do que uma temporada em alguma equipe. 

Com Lorena e Ricardinho como base, o Moda Maringá estreia na Superliga neste sábado, no Rio de Janeiro, contra o atual campeão da competição, o RJX.