Vôlei

Galã e astro, novo técnico do vôlei brasileiro lançou filho de Bernardinho

cbv
Renan dal Zotto é o novo técnico da seleção brasileira de vôlei masculino Imagem: cbv

Do UOL, em São Paulo

11/01/2017 18h59

Assumir a seleção brasileira de vôlei masculino depois de Bernardinho, 57, seria um desafio árduo para qualquer um. Em 16 anos no cargo, o treinador que deixou a equipe nacional nesta quarta-feira (11) amealhou dois ouros olímpicos, três títulos mundiais e oito taças da Liga Mundial. Poucos candidatos, contudo, chegariam ao cargo com uma bagagem tão grande quanto a de Renan dal Zotto, 56, escolhido pela CBV (Confederação Brasileira de Voleibol) para assumir o posto. A despeito de não trabalhar na função desde dezembro de 2008, o novo técnico está ligado ao esporte desde os anos 1970 e já foi de tudo: como jogador, referência técnica e galã da geração que obteve medalha de prata nos Jogos de Los Angeles-1984; depois, comandou Palmeiras/Parmalat, Frigorífico Chapecó, Olympikus e Cimed no vôlei brasileiro.

Renan também foi gestor de esportes da Unisul, time em que lançou o levantador Bruninho, então novato. O jogador de 30 anos, filho de Bernardinho, foi titular e capitão da seleção brasileira na conquista do ouro olímpico na Rio-2016.

A aposta no camisa 1, porém, está longe de ser a única coincidência entre o antecessor e o novo técnico da seleção brasileira. Quando atletas, os dois foram companheiros de seleção brasileira e estiveram no grupo que perdeu para os Estados Unidos a decisão dos Jogos Olímpicos de 1984. Bernardinho, levantador, era reserva do capitão William; Renan, titular, era uma das principais estrelas daquela equipe: acumulou durante a carreira os títulos de jogador mais espetacular do mundo, melhor defensor do mundo, melhor atacante do mundo e melhor jogador de voleibol do século 20 – a eleição foi feita em 2001 pela FIVB (Federação Internacional de Voleibol).

Aquela geração foi precursora num processo de popularização do vôlei no Brasil. Era o time do saque “Jornada nas Estrelas”, de Bernard, e do “Viagem ao Fundo do Mar”, que era realizado por Montanaro, William e pelo novo treinador da seleção. A modalidade ganhou espaço na televisão, e a seleção rapidamente virou alvo de um frenesi de público. Os jogadores viraram estrelas a ponto de um jogo festivo contra a União Soviética ter levado mais de 100 mil pessoas ao Maracanã – o evento tinha como atrativo o fato de ter sido disputado a céu aberto.

Além dos aspectos técnicos, o sucesso da geração de 1984 tem relação direta com o lado midiático dos jogadores. Sobretudo Renan, o primeiro galã do vôlei brasileiro. O ponteiro extrapolou o sucesso nas quadras e se tornou referência também como celebridade.

Nascido em São Leopoldo (RS), Renan começou a jogar vôlei ainda na escola. Nos anos 1970, passou a ser convocado para a seleção brasileira. Defendeu a equipe nacional como atleta dos 16 aos 29 anos, com participação em três Jogos Olímpicos, três Mundiais, três Jogos Pan-Americanos e dois Mundialitos.

De 1988 a 1993, Renan defendeu times de vôlei da Itália. Voltou ao Brasil para iniciar carreira como técnico, assumiu o Palmeiras/Parmalat e foi vice-campeão do Paulista e da Superliga.

No entanto, o trabalho como técnico nunca foi a única ocupação de Renan. Aí entra outra coincidência com Bernardinho: o novo comandante da seleção brasileira, assim como o antecessor, tem largo histórico como empresário e palestrante.

Renan lançou, por exemplo, a Par Mais, assessoria de planejamento financeiro com foco em pessoa física. Trabalhou como comentarista na TV Globo e virou diretor nacional de cursos do programa de administração esportiva do COI (Comitê Olímpico Internacional). Além disso, atuou como gestor de esportes e diretor de marketing da farmacêutica Cimed e teve duas experiências como dirigente no futebol (no Figueirense e no Guarani de Palhoça).

Em 2014, Renan voltou a trabalhar na CBV. Foi diretor de marketing durante um ano, e depois disso assumiu a diretoria de seleções. Trabalhou diretamente com Bernardinho, o que estabelece mais uma coincidência nas trajetórias de ambos.

“Disse ao Bernardo: ‘Preciso de você dentro do processo’. Não existe mudança de rota; é aquela estabelecida lá atrás e vamos tentar dar um prosseguimento. Temos uma cultura e metodologia de treinamento toda implantada. É um desafio enorme dar continuidade. O que posso dizer é que a filosofia é muito parecida, mas os métodos podem mudar um pouco. Cada um pensa de uma maneira. Não existe um caminho para alcançar bons resultados. Estão aí o Zé Roberto e o Bernardo, com estilos diferentes e que alcançaram vitórias”, disse Renan em entrevista coletiva.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Redação
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
UOL Esporte
UOL Esporte
UOL Esporte
UOL Esporte
Redação
AFP
Blog Saída de Rede
Blog do Juca
AFP
Blog Saída de Rede
Redação
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Redação
Redação
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Redação
Blog Saída de Rede
Esporte Ponto Final
UOL Esporte
UOL Esporte
Redação
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Topo