Topo

Vôlei

Lula e Bolsonaro sofreram ações como de Bernardinho, mas foram absolvidos

Divulgação / FIVB
24.05.2014 - Bernardinho e Bruninho se alinham para ouvir o hino nacional Imagem: Divulgação / FIVB

Do UOL, em São Paulo

15/12/2017 20h27

Representações do Ministério Público Eleitoral por propaganda antecipada, como a apresentada contra Bernardinho no Rio de Janeiro nesta sexta-feira, não são novidade na política brasileira. Todos os anos dezenas de políticos respondem a ações de tipo e, no âmbito federal, em 2017, Luiz Inacio Lula da Silva e Jair Bolsonaro já foram julgados e absolvidos.

Os dois pré-candidatos à presidência entraram na mira do MPE em virtude de vídeos divulgados em suas redes sociais: Bolsonaro divulgou vídeos sendo aclamado por eleitores em aeroportos em cidades brasileiras, enquanto Lula divulgou imagens em uma academia, ao som da trilha sonora do filme “Rocky, um lutador”, e as palavras “Ele está voltando”.

O Tribunal Superior Eleitoral julgou as representações no última dia 5, e tanto Lula como Bolsonaro não foram condenados: em ambos os casos, a maioria de ministros considerou que não houve pedido explícito de votos, requisito para a aplicação de multa, que varia de R$ 5 mil a R$ 25 mil.

Bernardinho virou alvo da Procuradoria Eleitoral do Rio de Janeiro por palestras, entrevistas e atuação nas redes sociais. Segundo a denúncia, o ex-treinador de vôlei “expõe metas (…), planeja montar equipe (…) e conclama pessoas”, em uma propaganda antecipada para candidatura ao Governo do Rio de Janeiro.

Para Bernardinho, o MPE pede pena máxima, com aplicação de multa de R$ 25 mil, além do fim da veiculação de todo o conteúdo. O ex-comandante das seleções masculina e feminina de vôlei é filiado do partido Novo, mas sua candidatura ainda não foi confirmada.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!