Topo

Vôlei


Time LGBT de vôlei é alvo de ofensas por mostrar vídeo de Bernardinho

Reprodução/Facebook
Imagem: Reprodução/Facebook

Leandro Carneiro

Do UOL, em São Paulo

2019-03-29T04:00:00

29/03/2019 04h00

Formado há 11 anos, o time Angels Volley, que treina em São Paulo, foi o responsável por divulgar o vídeo em que o técnico Bernardinho, do Sesc Rio, chama a jogadora Tifanny, do Sesi Bauru, de "homem" durante o confronto entre as duas equipes pelas quartas de final da Superliga feminina - o time carioca foi eliminado. Horas depois da partida, o treinador usou a própria página do Angels para pedir desculpas para a jogadora.

O ato de denúncia, porém, virou motivo para que o próprio time se tornasse alvo de ataques de ódio. O post com o vídeo, com quase 20 mil visualizações, foi tomado por comentários preconceituosos ofendendo Tifanny e as pessoas que atuam pelos Angels.

reprodução/Instagram
Tifanny e o time Angels Volley foram alvos de comentários ofensivos Imagem: reprodução/Instagram

"Estamos muito chateados e assustados com a proporção que tudo tomou e com a força do discurso de ódio invadindo as nossas redes sociais. Postamos o vídeo porque acreditamos que o mundo precisa de mais empatia. Temos 11 anos de história, temos time masculino e feminino. Sabemos que conviver traz o entendimento para o respeito e a aceitação. Não podemos ser tolerantes com falas intolerantes, mesmo que feitas no calor de algum momento. Somos o país recordista de mortes de LGBTQI+ do mundo. Nossa fala foi de dor e não nos arrependemos", disse Willy Montmann, um dos membros da equipe.

Atualmente, o time feminino conta com a presença de 14 atletas trans que atuam ao lado de mulheres cisgênero. "Todas jogam em harmonia", revela Willy.

Se a tentativa das pessoas é calar os atletas do Angels, a tentativa não deve surtir efeito. Apesar de reconhecer o risco, Willy exalta a importância no trabalho que é feito.

"Temos medo de possíveis retaliações sempre. Ser gay no Brasil é conviver com o medo diariamente. Ainda mais se você é assumido e ativista. Porém, sabemos dos nossos direitos, devemos nos impor e não podemos tolerar absurdos contra nossa classe. Além do vídeo do caso de Bernardo e Tifanny, também invadiram a nossa foto homenageando a Marielle [Franco, assassinada há um ano no Rio de Janeiro] para externar o ódio. Vivemos um retrocesso perigoso e o Angels Volley não vai se calar", finalizou.

Além do comentário pedindo desculpas, Bernardinho teria conversado com os jogadores dos Angels também lamentando o ocorrido. Ele foi "cordial e educado" na conversa com os representantes da equipe.

Tifanny faz relato sobre preconceito no esporte

UOL Esporte