UOL Esporte Vôlei
 
04/06/2009 - 12h31

Tricampeã olímpica, Regla Bell reforça vôlei do São Caetano

Paula Almeida
Em São Paulo*
O time do São Caetano/Blausiegel prometia um reforço de peso para a disputa da próxima Superliga. Foram falados os nomes do técnico José Roberto Guimarães e da ponteira Valeskinha, mas a jogadora contratada foi a cubana Regla Bell, de 38 anos, tricampeã olímpica em Barcelona-1992, Atlanta-1996 e Sydney-2000. O anúncio foi feito na manhã desta quinta-feira, durante apresentação do elenco para a temporada 2009/2010.

Arquivo/Reuters
Regla Bell vence bloqueio russo na final olímpica de 2000, quando faturou o tri
DANTE REFORÇA SÃO BERNARDO
SAIBA TUDO DO VÔLEI
A ponteira defendeu o Cantur na última temporada, sendo a maior pontuadora da fase classificatória do Campeonato Espanhol, com 439 pontos. Porém, a equipe foi eliminada nas quartas de final da competição diante do Palma Voley, que depois perderia o título para o Murcia.

Na seleção de Cuba, Bell participou da geração de Mireya Luis e Regla Torres, que tornou-se uma das maiores carrascas da seleção brasileira. Em Atlanta-1996, inclusive, as duas equipes discutiram rispidamente após a semifinal, vencida pelas cubanas por 3 sets a 2, e algumas jogadoras brigaram nos vestiários. Quatro anos depois, Cuba voltaria a atrapalhar o sonho brasileiro com nova vitória na semifinal.

Presente nos calorosos encontros entre brasileiras e cubanas na década de 1990, Fofão conhece bem Regla Bell. "Ela era uma das mais tranqüilas", brincou a levantadora durante o evento desta manhã. "Ele é uma grande jogadora, que gosta muito do Brasil, e vai ser muito bom tê-la no nosso time".

O principal artífice da contratação da jogadora cubana foi o técnico Mauro Grasso, que deixou o Vivo/Minas para voltar a assumir uma equipe feminina após quase 15 anos. Segundo o treinador, Regla Bell chega para surprir uma posição carente no time do ABC.

SÃO CAETANO MUDA ESTRATÉGIA PARA EVITAR DECEPÇÃO
Em meados de 2008, o São Caetano e Blausiegel iniciaram uma parceria que prometeu mexer com o voleibol feminino do Brasil. A equipe trouxe, de uma vez, a levantadora Fofão e as atacantes Mari e Sheilla, que em seguida conquistariam o ouro olímpico nos Jogos de Pequim, e avisou que brigaria para desbancar Rexona-Ades e Finasa/Osasco do topo da Superliga. As promessas não se concretizaram, e o time ficou em terceiro lugar.

Às vésperas da temporada 2009/2010, o discurso se repete, as promessas são as mesmas, mas a estratégia é diferente. Nesta quinta-feira, durante apresentação do elenco para os próximos campeonatos, o clube se disse pronto para resolver os problemas que deixaram o time decepcionado no último ano.
LEIA MAIS
FOFÃO TRAÇA NOVAS METAS
"Estávamos precisando de uma ponteira experiente, que se adaptasse ao vôlei brasileiro. No mercado nacional estava difícil, e eu recebi uma sugestão de um procurador amigo meu [Marcel Camilo", explicou Grasso. A atacante foi oferecida a outros clubes brasileiros, entre eles Osasco e Mackenzie.

O técnico admitiu que o time não chegou a fazer uma proposta semelhante à oferecida pela Espanha, mas disse que o nível técnico da Superliga empolgou a atleta. "O Campeonato Brasileiro é bastante atraente. Só pelo fator econômico é que perde em relação a outros mercados, porque lá fora eles pagam em dólar e euro. Mas a partir do momento que nos aproximamos do valor que ela pediu, conseguimos fechar".

Regla Bell deve chegar ao Brasil no final do mês de junho, acompanhada do marido e do filho. Apenas então será integrada ao time, que já está treinando para o Campeonato Paulista.

Além de trazer a cubana, o São Caetano manteve as três estrelas da campanha do time na Superliga passada: a levantadora Fofão, a oposto Sheilla e a ponteira Mari.

*Atualizada às 13h53

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host