Clássico Ba-Vi tem briga generalizada, nove expulsos e final antecipado

Do UOL, em São Paulo

Antes de começar o clássico entre Bahia e Vitória, neste domingo (18), o jogo foi chamado de "Ba-Vi" da Paz, para promover um clima pacífico em campo e fora dele. Porém, quando a bola rolou, sobraram confusões, agressões e expulsões.

A partida foi encerrada antecipadamente porque o Vitória ficou com apenas seis jogadores em campo, e um time precisa ter ao menos sete para continuar jogando. Kanu, Rhayner, Denilson, Uillian Correia e Bruno Bispo, do Vitória, levaram cartão vermelho. No Bahia os expulsos foram Lucas Fonseca, Vinícius, Rodrigo Becão e Edson, sendo que os dois últimos estavam no banco de reservas. O placar final da partida, que acabou aos 32min do 2º tempo, foi 1 a 1, mas o Bahia será declarado vencedor, por ordem do regulamento.

Denilson abriu o placar para o Vitória no 1º tempo. A briga começou quando Vinicius, do Bahia, fez o gol do empate, no 2º tempo. Ele cobrou pênalti com sucesso e fez uma dança de "créu" na comemoração, perto da torcida rubro-negra, o que irritou os jogadores do Vitória. Então começou a briga generalizada, que fez a partida ser paralisada por 16 minutos.

O primeiro a reclamar com Vinícius foi o goleiro Fernando Miguel, que puxou a camisa do meio-campista e esbravejou. Depois chegaram outros jogadores do Vitória para fazer o mesmo. Quando os atletas do Bahia foram se envolver na confusão, começaram as trocas de socos, chutes e empurrões. O zagueiro Kanu acertou um soco em cheio em Vinícius.

Depois da briga, a partida foi reiniciada, mas durou pouco. Primeiro Uillian Correia foi expulso por fazer falta dura em Zé Rafael. Depois, Bruno Bispo também foi expulso por chutar a bola para longe e retardar uma cobrança de falta.

No Twitter o Bahia reclamou da expulsão de Vinícius e alegou que o Vitória provocou as últimas duas expulsões para causar o fim da partida.

Quando a bola parou, um jogador do Vitória atravessou o campo para conversar com Vágner Mancini. Depois, na frente do árbitro, Bruno Bispo chutou a bola para longe, forçando que o juiz lhe mostrasse o segundo amarelo e consequentemente o vermelho.

O técnico Vágner Macnini negou que tenha orientado seus atletas a forçarem a última expulsão para encerrar a partida. Ele culpou Vinicius pela começo da confusão. "Quem causou a briga foi o jogador Bahia", disse o técnico rubro-negro. "Ao longo da semana, o atleta soltou um monte de coisa nas redes sociais, aí foi vibrar na frente da torcida do Vitória, sendo que a torcida do Bahia está no estádio. Por que ele foi vibrar com a torcida do Vitória?"

Os rubro-negros reclamam de uma postagem em que Vinicius faz chacota com o estádio Barradão. Mancini também disse que o atacante fez gestos obscenos à torcida do Vitória, o que não é possível ver nas imagens.

O goleiro rubro-negro Fernando Miguel, o primeiro tomar satisfação com Vinicius, pediu desculpas ao torcedor que foi ao Barradão.

Já o técnico Guto Ferreira, do Bahia, admitiu que seu atleta cometeu um erro ao celebrar seu gol perto da torcida rival, mas disse que a reação dos jogadores do Vitória foi desproporcional.

"Um erro não justifica o outro", disse Guto. "Ele pode ter passado, mas caberia à arbitragem, à imprensa depois do jogo fazer qualquer análise e não tirar satisfação da maneira que foi por parte dos jogadores. Até porque ele não ofendeu nenhum jogador, ele comemorou simplesmente, como eles [Vitória] comemoraram quando fizeram o gol. Se for assim se proíba as comemorações do futebol. Existe alguém responsável no campo pra tomar as medidas, quem se desequilibrou foram eles."

Com seis em campo, o Vitória não ficou apto a continuar e juiz encerrou o jogo. As duas torcidas comemoraram o resultado de 1 a 1.

Guilherme Bellintani, o presidente do Bahia, protestou contra a decisão do Vitória de forçar a última expulsão e encerrar o jogo. "É uma vergonha. Estou assombrado. Um técnico colocar em seu currículo isso de encerrar deliberadamente para não perder um jogo! Aonde vai o futebol baiano depois dessa?"

Depois de seis clássicos com torcida úncia, esse foi o primeiro Ba-Vi em que o Ministério Público permitiu que as duas torcidas fossem ao estádio.

Além da briga entre jogadores, também houve troca de agressões entre torcedores do Bahia na arquibancada do Estádio Barradão. E antes da partida, já tinha sido registrada uma briga generalizada, que resultou na prisão de 13 torcedores.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos