Topo

Coluna

Oscar Roberto Godói


Copa São Paulo deveria ser também uma vitrine para jovens árbitros

Jogadores sub-20 do São Paulo comemoram gol contra o Holanda na Copa São Paulo - Thiago Calil/AGIF
Jogadores sub-20 do São Paulo comemoram gol contra o Holanda na Copa São Paulo
Imagem: Thiago Calil/AGIF
Oscar Roberto Godói

Jornalista e ex-árbitro, esteve sob a chancela da Fifa de 1993 a 2000.

07/01/2019 12h44

Posso estar sendo chato, irritante e repetitivo, mas continuo criticando a comissão de arbitragem da Federação Paulista pela escala de árbitros "idosos" na Copa São Paulo de Futebol Júnior. Se a competição serve para os clubes apresentarem seus promissores craques, a FPF deveria fazer o mesmo, lançar jovens árbitros.

Entendo que a quantidade de jogos não permite, mesmo que a FPF queira, ter apenas os mais novos apitando ou bandeirando. Porém, na primeira fase, quando o nível técnico é mais baixo, os árbitros recém-formados e em fase de estágio deveriam ter prioridade para mostrar se têm ou não condições de progredir na carreira.

Erros todos cometem e independe da idade. Decisões corretas nada mais são do que um dever da função. Claro que aquele que tem mais qualidades se sobressai, desde que receba oportunidades. 

No jogo Linense 1 x 1 Cruzeiro, o árbitro Paulo Cesar Francisco, 36, cometeu um erro grosseiro e não foi ajudado pelo assistente Marcelo Zamian de Barros, 37. Marcou pênalti para o Linense numa falta que aconteceu dois metros e meio fora da área. É uma distância muito grande para que nenhum dos dois tenha percebido o equívoco.

Para felicidade da arbitragem, o gol não foi marcado na cobrança do pênalti. Tanto o árbitro quanto o assistente permitiram que o goleiro do Cruzeiro defendesse o chute de maneira irregular, avançando. Os árbitros não cumpriram a regra, e o prejudicado não reclamou.

Um erro a favor, outro contra resultado final 1 a 1. Assim caminha nossa arbitragem, aqui ou lá. 
 

Mais Oscar Roberto Godói