Brasil

Tite confirma time da estreia e diz que Neymar não regrediu após pancadas

Dassler Marques e Pedro Ivo Almeida

Do UOL, em São Petersburgo (Rússia)

21/06/2018 09h16

Apesar do treino fechado na última quarta-feira (20) e da necessidade de conceder entrevista antes da atividade desta quinta (21), Tite não fez mistério sobre o time que irá enfrentar a Costa Rica às 9h (de Brasília) desta sexta-feira (22), em São Petersburgo.

- De ídolo a homem de negócios, Ronaldo tem tudo a ver com a seleção atual
- O hexa vem dessa vez? O que os videntes preveem para o Brasil no Mundial?
- Neymar S/A: a engrenagem por trás do maior jogador de futebol do Brasil

A formação será a mesma da estreia, no empate por 1 a 1 com a Suíça: Alisson; Danilo, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Casemiro; Willian, Paulinho, Philippe Coutinho e Neymar; Gabriel Jesus.

“Existe diferença [sobre mudar o time durante torneio curto e em clubes]. Tudo na seleção tem pressa maior na execução, porém antes da pressa tem coerência, discernimento, confiança, análise”, afirmou Tite em entrevista coletiva após anunciar o time titular.

Assim, o treinador segue apostando no quarteto ofensivo formado por Willian, Philippe Coutinho, Neymar e Jesus. O camisa 10, que deu um susto no treino da última terça-feira ao deixar a atividade antes do programado por sentir dores no tornozelo, treinou normalmente nas últimas sessões e está confirmado. Tite disse que ele não regrediu no aspecto físico apesar dos problemas nos últimos dias. 

"Não há defasagem do Neymar. Foi uma pancada que ele trouxe, mas não retira o projeto inicial [de 100% na segunda fase]. Foram três meses e meio, acho, para o primeiro jogo de 90 minutos. A gente tem ciência e tranquilidade sobre isso. Cinco jogos é o mínimo humano para alcançar a plenitude, ele já acelerou esse processo". 

Na sequência, Tite disse que Neymar não faz um esforço exagerado para atuar. "Estaria jogando [se não fosse a Copa]. Não é sacrifício. Processo evolutivo. Dentro do cronograma. Queremos vencer, é uma Copa do Mundo, mas não vou pagar preço de saúde e  desonestidade para vencer. Vai pagar preço que ficou nervoso, que não pensou bem o jogo, mas valores de saúde e honestidade não vai pagar".  

Apesar de críticas à atuação do jogador diante da Suíça, Tite defendeu as características de Neymar. "Todos os atletas têm a responsabilidade de serem coletivos e individuais. Alguns com características específicas. Não vou tirar a iniciativa do transgressor, do último terço de campo, da genialidade. Entendo o processo de retomada dele. Serve para Coutinho, Willian, Firmino...[respeitar características]. Todos temos que potencializar a equipe, mas respeitar a equipe. Último terço, vai dentro. Finta, característica do futebol brasileiro", descreveu.

Confira mais respostas da entrevista coletiva de Tite:  

Recepção calorosa
O carinho que o torcedor traz tem componente emocional muito forte e ficamos contentes. Paralelo a isso, nível de concentração alto. Temos 95 minutos para fazer jogo decisivo, jogar bem e vencer. Ganhar e classificar. Assim como os três jogos ontem [vitórias de Uruguai, Portugal e Espanha], três times com poderio mais forte, e o resultado foi mais curto, em cima da responsabilidade. Tem que ser ciente, estar focado e tranquilo. Pegar o carinho do torcedor e trazer a consciência e lucidez para vencer. Nossa característica com emoção, mas nos equilibrando.

Árbitro de vídeo
O que tinha que manifestar está muito claro, coerente e limpa a minha opinião. Temos agora o foco para melhorar performance no jogo seguinte. As outras responsabilidades não competem a nós. Se dissesse algo agora, parecia que queremos levar vantagem. Não precisamos vantagem, não queremos, queremos merecer, jogar bem e ir para o dentro do campo. Vir e falar que vencemos porque fomos melhores. Essa relação do jogo me atrai. Minha manifestação já deixei claro e não muda nada.

Thiago Silva capitão após críticas em 2014
Se pegássemos todo mundo que foi criticado na última Copa teria terra arrasada, não teria ninguém jogando e não teria base na seleção. A vida e o futebol não são assim. Havia uma série de atletas importantes que teriam maturidade e experiência para seguir o rodízio. Quando o Thiago buscou titularidade, não foi porque o nível técnico estava baixo. A briga é no nível técnico dos três [Thiago, Miranda e Marquinhos] jogando muito. Os três jogando muito. Thiago tem suficiente maturidade para saber o momento em que estamos, a necessidade do resultado, mas antes do desempenho que temos.

Responsabilidade do resultado
Mesma equipe começa jogando. O caráter decisivo tem. Thiago [Silva] colocou uma coisa que parece simplista, mas é sábia. Todos jogos na seleção temos que jogar bem e vencer. Esse jogo decisivo, também. Temos ajustes, temos que ser efetivos. Transforma as oportunidades em gol e te dá a condição. É continuar proporcionando poucas oportunidades ao adversário. ‘Ah, a Suíça fez um gol’. Vocês podem analisar quantas criou.

Tensão da estreia
Aquele afã do próprio treinador, da expectativa pelo Mundial, passou. O técnico tem expêriencia, mas é ser humano. Eu estava na expectativa do primeiro, mas já tenho foco maior para ir ao jogo. Alguns ajustes de posicionamento, sim, [fazemos] porque a Costa Rica joga de forma diferente. Teve outros jogos com situações parecidas que vocês podem avaliar. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Brasil

Topo