Copa 2018

Com Sampaoli isolado, Messi assume condução da Argentina na redenção

REUTERS/Sergio Perez
Imagem: REUTERS/Sergio Perez

Rodrigo Mattos

Do UOL, em São Petersburgo (Rússia)

27/06/2018 04h00

Não foi apenas uma atuação técnica do nível Messi: foi muito mais do que isso. Com o técnico Jorge Sampaoli isolado, o craque argentino passou a comandar a reação da seleção argentina. Uma cena demonstrativa foi a preleção que deu ao time antes de entrar em campo após o intervalo, na vitória por 2 a 1 sobre a Nigéria nesta terça-feira (26).

- Assista aos gols de Nigéria 1 x 2 Argentina

Simule os classificados e o mata-mata do Mundial
Neymar S/A: a engrenagem por trás do maior jogador de futebol do Brasil
De ídolo a homem de negócios, Ronaldo tem tudo a ver com a seleção atual

Durante a semana, houve muita discussão em torno da influência de Mascherano e Messi sobre a escalação do time. As cenas em campo, de fato, mostraram um Sampaoli longe de seus comandados, festejou isolado nos dois gols e no final do jogo se retirou deixando os jogadores para fazer festa. Ao final, em sua coletiva, atribuiu aos jogadores o excelente desempenho. 

Rei morto, rei posto. O esquema de 4-3-3 feito à feição para Messi já era um indicativo da sua força, assim como a volta do amigo Di Maria. Também a presença de Banega tinha a ver com a melhora do time diante da IslânDia com o meia, que tem boa parceria de toques com o craque argentina. E houve mais segurança defensiva para deixar a decisão nos pés de Messi, como em 2014.

Ao marcar o seu golaço, Messi foi abraçado por todos os jogadores na bandeira de escanteio mais distante do banco. No intervalo, foi Messi que chamou todos os jogadores para dar instruções. Segundo relatos de jornais argentinos, pediu que fosse mantida a ordem, que os toques fossem de primeira e sempre para frente.

Dmitri Lovetsky/AP
Imagem: Dmitri Lovetsky/AP

Quando saiu o segundo gol, e o time argentino explodiu, os festejos foram entre os jogadores. Ao passar pelo banco, Messi deu um cumprimento de batida de mão em Sampaoli. O que levou o técnico a se dizer "muito orgulhoso" pelo gesto do craque, deixando claro quem era a figura mais relevante ali.

Foi Messi também quem deu o tom do discurso após a vitória. Disse que houve sofrimento, mas que agora o mais importante era deixar a crise de lado. Ao elogiar a torcida, disse: "Em nenhum momento deixou encher a cabeça com as bobeiras que se disse." 

A maioria dos jogadores adotou tom parecido, dizendo que a vitória deu uma força anímica ao time. Meza chegou a observar que agora a França também vai ter que se preocupar com a Argentina.

Até o carrinho de Messi no final do jogo foi exaltado pela imprensa argentina como uma demonstração de que ele não foi "peito frio", isto é, sem raça, nesta partida decisiva. Ou seja, a nação argentina se enamorou de novo de seu ídolo, e ele parece pronto para conduzi-la até onde tiver forças.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Copa 2018

Topo