Copa Libertadores 2018

Lembra deles? Eles jogaram no Brasil e vão disputar a Libertadores-2018

Do UOL, em São Paulo

  • Diego Padgurschi /Folha Imagem

A fase de grupos da Libertadores começa nesta terça-feira - veja tabela aqui - com a presença de 16 campeões, sete equipes brasileiras e uma legião de jogadores que já passaram pelo Brasil. Alguns até ganharam destaque, mas outros ficaram longe de deixar saudades nos torcedores.

Independentemente do seu sentimento, uma coisa é certa: ao ligar a televisão para assistir a um jogo da Libertadores de 2018 você irá se deparar com alguma "ilustre conhecido", ou com um jogador que lhe dará a sensação que já viu em gramados brasileiros.

Veja abaixo a lista de clubes com jogadores que já estiveram no Brasil e vão disputar a Libertadores:

Almeida Rocha/Folhapress
Almeida Rocha/Folhapress

Alianza Lima

O peruano Luis Ramírez ficou três anos no Brasil e passou sem brilho pelo Corinthians, sendo lembrado mais por um gol importante contra o Ceará na campanha da conquista do Brasileirão de 2011. Ainda foi emprestado para Ponte Preta e Botafogo antes retornar ao Peru. Na Libertadores-2018 defenderá o Alianza Lima.
Washington Alves/Vipcomm
Washington Alves/Vipcomm

Atlético Nacional

Clube que serviu de "celeiro" para diversos times brasileiros desde a conquista da Liberadores de 2016, o Atlético Nacional também "pescou um reforço no Brasil: o atacante colombiano Vladimir Hernandez, que em 2017 defendeu o Santos sem destaque. Já o cruzeirense que não perde um jogo de seu clube deve lembrar de Diego Arias (foto), meia que em 2012 teve uma passagem relâmpago pelo clube. Já o meia-atacante Reinaldo Lenis, que não justificou o alto investimento do Sport em 2016 em seu futebol, jogará emprestado pelo clube colombiano.
Washington Alves/Light Press/Cruzeiro
Washington Alves/Light Press/Cruzeiro

Boca Juniors

O Boca Juniors se abasteceu de jogadores que atuavam no Brasil em 2017 para compor o elenco: o lateral Julio Buffarini, que estava no São Paulo, e o atacante Ramón Ábila (foto), que ficou dois anos no Cruzeiro. Mas quem chama a atenção mesmo é Carlos Tevez, atacante que defendeu o Corinthians campeão brasileiro de 2006.
Diego Padgurschi /Folha Imagem
Diego Padgurschi /Folha Imagem

Bolivar

Clube conhecido por jogar na alta altitude de La Paz, o Bolivar também pode ser destacado nesta Libertadores pelo alto número de jogadores que passaram pelo Brasil em seu elenco: cinco. O goleiro Jacson, inclusive, é brasileiro, formado no Internacional. Já os torcedores de Bahia, Goiás e Oeste terão um momento nostálgico (para o bem ou para o mal) com o defensor Luis Alberto Gutiérrez, o volante Erwin Saavedra e o atacante Eduardo Fierro (que nem chegou a estrear pelo time de Itápolis). Fechando a lista, está um jogador mais conhecido dos torcedores brasileiros: o atacante Juan Carlos Arce (foto), que jogou por Portuguesa, Corinthians e Sport.
Leandro Martins/Frame/Frame/Estadão Conteúdo
Leandro Martins/Frame/Frame/Estadão Conteúdo

Colo-Colo

Jogador que desperta paixão e ódio, tanto de palmeirenses como de torcedores rivais, o meia Valdivia (foto) jogará a Libertadores como maior astro do Colo-Colo aos 34 anos e dispensa mais apresentações. Em seu apoio no meio-de-campo estará Gonzalo Fierro, de significativa passagem pelo Flamengo entre 2008 e 2011.
Rubens Chiri/Divulgação
Rubens Chiri/Divulgação

Cerro Porteño

Torcedores do São Paulo, sentem saudades do Alvaro Pereira (foto)? Se sim, vocês poderão acompanhar o lateral esquerdo uruguaio, que atuou no clube em 2014, em ação pelo Cerro Porteño. Assim como os flamenguistas terão a oportunidade ver como o volante Victor Caceres evoluiu desde a sua saída do clube, em 2015, após três anos de altos e baixos.
ALBARI ROSA/AGÊNCIA DE NOTÍCIAS GAZETA DO POVO/AE
ALBARI ROSA/AGÊNCIA DE NOTÍCIAS GAZETA DO POVO/AE

Delfin

Torcedores de Atlético-PR e América-RN, vocês se lembram de Ivan González? O meia-atacante veloz teve uma passagem sem grande destaque pelo Brasil entre 2010 e 2012 e, além dos dois clubes brasileiros, chegou a jogar pelo Stuttgart da Alemanha. Nesta Libertadores, é o principal reforço do equatoriano Delfín.
Ivan Storti/ Santos FC
Ivan Storti/ Santos FC

Estudiantes

O zagueiro Fabián Noguera (foto) jogou pouco nos dois anos de Santos, mas agora no Estudiantes deve ser o titular na Libertadores de 2018. Situação parecida com a do meia Gastón Fernandez, pouco usado no Grêmio de 2017. Já Manga Escobar teve mais chances pelo Vasco, embora também tenha ficado longe de encantar os torcedores.

Independiente Santa Fe

O Independiente Santa Fe conta com dois jogadores que já atuaram no Brasil em seu elenco. O atacante Rúben Bentancourt (Paraná-2017) e Brayan Fernández (2012-2013).
Leonardo Soares/UOL
Leonardo Soares/UOL

Independiente

Campeão da Copa Sul-Americana de 2017, o Independiente tem em seu elenco o volante argentino Sánchez Miño (Cruzeiro-2016) e o meia-atacante Juan Manuel Martínez (foto), que chegou ao Corinthians com pompa em 2012 e não vingou.
Rubens Cavallari/Folhapress
Rubens Cavallari/Folhapress

Libertad

O zagueiro Adalberto Román jogou apenas 16 partidas pelo Palmeiras, mas deixou o Brasil com um título na bagagem: o da Copa do Brasil de 2012. Em 2018, defenderá o Libertad na Libertadores.
Leandro Moraes/UOL
Leandro Moraes/UOL

Nacional

Lateral com passagem entre 2012 e 2013 pelo Santos, Jorce Fucile (foto) jogará a Libertadores pelo Nacional. Assim como o meia Luis Aguiar, que jogou pelo Vitória em 2014
Lucas Uebel/Divulgação/Grêmio
Lucas Uebel/Divulgação/Grêmio

Peñarol

Pentacampeão da Libertadores, o Peñarol disputará a Libertadores com um time repleto de veteranos com passagens pelas seleções uruguaia e argentinas, entre eles Maxi Rodriguez e Fabián Estoyanoff. Mas para público brasileiro, quem chamará mais a atenção será o meia Cristian Rodríguez (foto), que jogou emprestado ao Grêmio em 2015 e passou mais tempo no departamento médico. Fez apenas dois jogos no time gaúcho.
Rivaldo Gomes/Folhapress
Rivaldo Gomes/Folhapress

Racing

O Racing jogará a Libertadores de 2018 com uma dupla de ataque com passagem pelo Brasil. O atacante Centurión (foto) defendeu o São Paulo por dois anos, acumulando polêmicas e mostrando irregularidade em campo. Já Lisandro López foi a aposta do ataque do Inter em 2015, conseguindo dez gols na temporada. Na zaga, o flamenguista lembrará de imediato de Donatti, que até o ano passado estava no Rio de Janeiro.
Alexandre Lops/AI Inter
Alexandre Lops/AI Inter

River Plate

O maior reforço do River Plate para a temporada estava no Brasil até o final de 2017: o atacante Lucas Prato, que ganhou destaque pelo Atlético-MG desde 2015. Já o atacante Ignacio Scocco (foto), grande destaque do time na última Libertadores, atuou pelo Internacional em 2013.
REUTERS/David Mercado
REUTERS/David Mercado

The Strongest

Do atacante Rodrigo Ramallo, talvez apenas os torcedores do Vitória se lembrem. Foram seis jogos no clube baiano em 2016. Mas do meia Pablo Escobar muitos outros vão se lembrar. O jogador boliviano vagou por cinco clubes brasileiros entre 2008 e 2011, entre eles a Ponte Preta, e disputará a Libertadores de 2018 com 39 anos pelo The Strongest.
Almeida Rocha/Folha Imagem
Almeida Rocha/Folha Imagem

Universidad de Chile

O que não falta no Universidad de Chile são jogadores com experiência no Brasil. Matías Rodríguez (Grêmio- 2015), Mauricio Pinilla (Vasco-2008), Jean Beausejour (Grêmio-2005) e Monzón (Fluminense-2013) são os menos conhecidos. Já do goleiro Johnny Herrera (foto), apesar de ter feito apenas nove jogos pelo Corinthians em 2006, muitos se lembram graças ao seu estilo pouco convencional. Até mesmo um brasileiro, o zagueiro Rafael Vaz, disputará a Libertadores de 2018 pelo Universidad de Chile emprestado pelo Flamengo.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos