Ele vibrou in loco com o gol de W. Lira. Mas terá que torcer contra em 2016

Emanuel Colombari

Do UOL, em São Paulo

No futuro, talvez muita gente diga que acompanhou in loco ao jogo Atlético-GO 1 x 2 Goianésia, em 11 de março de 2015, pela quarta rodada do Campeonato Goiano. No entanto, Gustavo Carneiro poderá falar para todo mundo que, de fato, foi um dos 342 torcedores que pagaram ingresso para ir ao Estádio Serra Dourada e viram diante de si o gol de Wendell Lira que venceu o Prêmio Ferenc Puskas daquele ano.

Na noite em questão, a torcida da equipe comandada pelo técnico Jorge Saran não contava com mais de 20 pessoas. Uma delas era Gustavo, então com 17 anos. Nascido em Goianésia, a 170 km de Goiânia, o estudante se mudara para a capital do estado para cursar a faculdade de Ciências Aeronáuticas na PUC local. Naquele dia, mesmo sem companhia, decidiu ir ao jogo.

"Convidei meu amigo, que morava comigo, para ir. Mas ele não quis, achou que seria só mais um jogo chato. Fora ele, não marquei com ninguém - chamei uns amigos, mas ninguém se animou", contou Gustavo ao UOL Esporte.

"Gosto muito do Goianésia, e como não podia acompanhar os jogos do time na cidade de Goianésia, eu queria muito ir nesse jogo. Decidi ir, mesmo sendo contra a ideia dos meus pais, que já haviam me avisado para não ir a esse jogo - poderia ser perigoso. Mas eu não queria perder essa chance e acabei indo assim mesmo", completou.

No jogo, o Goianésia de Gustavo não demorou a dominar o Atlético-GO. Logo aos 27 min do primeiro tempo, Wendell Lira recebeu o passe de Da Matta por cima da zaga rubro-negra e marcou o gol que o levou à conquista do Prêmio Ferenc Puskas. Na hora, os poucos goianesienses presentes no estádio comemoraram, mas nem perceberam a importância do feito do atacante.

"O pessoal ficou bem empolgado com o gol, mas ninguém nem imaginava que poderia render o Prêmio Puskas", contou o torcedor, hoje com 18 anos.

No segundo tempo, aos 3min, Julian ampliou para o Goianésia em cobrança de falta. Aos 13 min, o Atlético-GO diminuiu com Rafinha, mas sem conseguir chegar ao empate. O resultado contribuiu para levar o time azul às semifinais do Campeonato Goiano, onde foi eliminado pelo Goiás. Depois do torneio, Wendell Lira ainda disputou a Série C pelo Tombense, mas perdeu o emprego antes do fim do ano.

Torcida por Wendell Lira em 2016. Mas como rival

Em novembro, com a indicação à premiação da Fifa, Wendell Lira ganhou as manchetes nacionais e conseguiu um novo emprego: defenderá o Vila Nova em 2016. E é aí que Gustavo Carneiro entra novamente.

Se o torcedor vibrou com o Goianésia em 2015, terá que torcer contra o novo time de Lira em 2016. Gustavo é torcedor do Vasco da Gama, que enfrentará o Vila Nova na Série B do Campeonato Brasileiro. E ele garante: apoiará o autor do gol mais bonito do mundo, mas secará o time defendido por ele.

"É uma situação complicada, mas não vou deixar de torcer por ele", riu o vascaíno, que relembrou as conversas com o atacante. "Ele é muito firmeza, humilde demais. Com certeza, ele se tornou um grande ícone aqui na cidade", assegurou.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos