Corinthians detecta gastos abusivos, muda e arrecada mais com Fiel Torcedor

Dassler Marques

Do UOL, em São Paulo

  • Eduardo Knapp/Folhapress.ESPORTES

A arrecadação do Corinthians com o programa Fiel Torcedor deverá aumentar em 2016 após revisões no acordo com a Omni, gestora do programa. 

Nos últimos meses, a gestão do presidente corintiano Roberto de Andrade realizou revisão nos termos com a parceira, o que incluiu a mudança de alguns fornecedores da Omni. Esse processo alterou a divisão da cota recebida, já que a empresa foi forçada a trocar alguns desses fornecedores. Por consequência disso, o clube passa a abocanhar uma parte maior do dinheiro arrecadado com as mensalidades.

De acordo com os cálculos realizados pelo Corinthians, as quantias arrecadadas pela Omni, que já foram de aproximadamente 55% durante a gestão do ex-presidente Mário Gobbi, desceram para 50% no último exercício (2015). Há a convicção de Roberto e sua equipe de confiança que, após todas as renegociações, a arrecadação corintiana é que irá ser superior a 50%, o que inverte a lógica desde que o Fiel Torcedor se estabeleceu. 

Gestora do programa de sócios desde que ele foi estabelecido, ainda durante a administração do presidente Andrés Sanchez (2008), a Omni refez o acordo com o Corinthians, já sob o comando de Gobbi, até 2019. O sistema de cálculos é complexo e protegido por cláusulas de confidencialidade, mas em geral assegurava à empresa um lucro superior a 50% do que era arrecadado com o Fiel Torcedor. Hoje, há mais de 130 mil membros no programa. 

No último ano, a quantia recebida com o programa de sócios foi de aproximadamente R$ 19 milhões, sendo cerca de R$ 9,5 milhões para cada uma das partes. As estimativas do Corinthians para 2016, entretanto, são ainda maiores e preveem uma arrecadação de R$ 24 milhões, sendo R$ 13,2 milhões para o clube na proporção de 55% de participação corintiana contra 45% de participação para a empresa (aumento de R$ 3,7 milhões em relação a 2015). Os valores citados são referentes à mensalidade do Fiel Torcedor e não incluem a venda de ingressos, que vai diretamente para o fundo da Arena Corinthians. 

No processo de discussão com a Omni, o presidente Roberto de Andrade determinou que não fossem discutidas cláusulas já estabelecidas em contrato, já que a empresa recusou essa revisão ainda durante a gestão Gobbi. Mas que o Corinthians solicitasse explicações pelos preços cobrados pela Omni. Em alguns casos, o clube mostrou à empresa que ela havia contratado subfornecedores que praticavam preços muito acima do mercado.

O teor desses acordos é protegido por cláusulas de confidencialidade, mas o Corinthians conseguiu aumentar o dinheiro arrecadado na medida em que a Omni reduziu suas despesas na mudança de fornecedores de 2015 para 2016. 

A parceria entre Corinthians e Omni, por sinal, corre sério risco de acabar em pouco tempo. O clube tenta quebrar o contrato com a empresa para repassar a gestão do Fiel Torcedor ao grupo que vai adquirir os naming rights da Arena.  

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos