Vice diz que Fla tem dinheiro para contratar, mas admite 'mercado travado'

Vinicius Castro

Do UOL, no Rio de Janeiro

  • Gilvan de Souza/ Flamengo

    Guerrero e Diego são as referências de grandes contratações recentes do Flamengo

    Guerrero e Diego são as referências de grandes contratações recentes do Flamengo

O Flamengo tem ou não dinheiro para contratar? O questionamento é frequente entre os torcedores e povoa as redes sociais em inúmeros e intermináveis debates. A resposta: sim, o Rubro-negro tem capital para investir. No entanto, a forma adotada para negociar jogadores cobra um preço alto em diversas situações. Quem explica é o vice-presidente de planejamento, Pedro Paulo Pereira de Almeida.

Em entrevista ao UOL Esporte, o dirigente abordou a relação entre diretoria e departamento de futebol - nem sempre serena pela necessidade de um poderio maior no mercado. Ele foi um dos responsáveis pela formatação do orçamento que prevê gastos de R$ 217 milhões apenas com o futebol em 2017. A conta se divide entre salários, luvas, direitos de imagem e custos diversos.

O poder de investimento em reforços é mantido em absoluto sigilo para não inflacionar o mercado, mas estima-se que esteja abaixo dos R$ 20 milhões. Como o Flamengo conduzirá as ações em 2017? É possível esperar contratações de peso? É fundamental vender jogadores? O dirigente responde.

UOL Esporte: Sendo direto e para esclarecer a polêmica. O Flamengo tem ou não dinheiro para contratar?
Pedro Paulo: Sim, temos dinheiro para contratar. É óbvio que um clube com quase R$ 450 milhões de orçamento, sendo mais ou menos R$ 200 milhões apenas para o futebol, tem o seu poder de investimento.

UOL Esporte: Mas qual é a verba para contratações? Em 2016, o orçamento previa R$ 20 milhões apenas para investimentos no mercado.
Pedro Paulo: A torcida precisa entender. Paramos de divulgar o número por conta da inflação do mercado. Tivemos enormes dificuldades por causa disso. É importante ver o quanto temos em despesas do futebol. Esse é o dinheiro que o Flamengo possui. O novo desafio do departamento de futebol é caber nesse valor.

UOL Esporte: O disponível é praticamente o mesmo de 2016 para investir em reforços - R$ 20 milhões?
Pedro Paulo: Não existe um número exato. Pode ser mais ou menos do que isso. Existem variáveis consideráveis. O que o departamento de futebol precisa fazer é vender jogador. Para a torcida entender. Alan Patrick, Emerson Sheik, Chiquinho... Todos terminaram os contratos. Isso nos deu uma sobra para pagamentos. Mas também chegaram Conca e Trauco. Renovamos os contratos com Juan, Márcio Araújo, Alex Muralha e Willian Arão. Existem luvas, salários. A conta é complexa.

Gilvan de Souza/ Flamengo
Jorge é o principal ativo do Flamengo. Ele pode se transformar em fonte de receita
UOL Esporte: Negociar jogadores facilitaria? O Jorge, por exemplo, tem uma multa de cerca de R$ 102 milhões, mas poderia ser vendido até por R$ 35 milhões, dependendo do caso.
Pedro Paulo: Sem dúvida, uma venda deste porte mudaria o cenário. O Flamengo ainda deixa a desejar na questão de vender jogadores. Trabalhamos nisso. É um processo que também faz parte da reestruturação do clube. Fizemos uma previsão de R$ 10 milhões apenas com vendas em 2017. Se uma negociação assim ocorrer, logicamente que nos dará folga considerável para atacar o mercado com mais força.

UOL Esporte: Por que o Flamengo enfrenta tanta dificuldade no mercado? O clube definiu uma forma de negociar [compra de parte dos direitos econômicos de forma parcelada] e não há flexibilidade? A impressão é de "mercado travado" para a contratação do tão necessário atacante de lado de campo.
Pedro Paulo: O Flamengo tem dinheiro, mas trabalha em uma nova modelagem financeira para contratações. Nos baseamos em pagamentos a longo prazo. Muitas das nossas receitas são de médio e longo prazos. Precisamos nos adequar a isso. O nosso mecanismo de contratações mudou. Vale lembrar que antecipamos negociações no ano passado. Só em 2017 pagaremos R$ 12 milhões de atletas que adquirimos em 2016. A mesma coisa em 2018.

Nota: No começo de 2016, o Flamengo comprou quatro jogadores. Alguns pagamentos serão encerrados apenas em 2018.
Alex Muralha - R$ 2 milhões por 60% dos direitos econômicos pagos parceladamente
Rodinei - R$ 4 milhões por 50% dos direitos econômicos pagos parceladamente
Mancuello - R$ 12 milhões por 90% dos direitos econômicos (50% pagos em 2016 e os 40% restantes até 2018)
Cuéllar - R$ 8 milhões por 70% dos direitos econômicos (R$ 2 milhões à vista e R$ 6 milhões em 2017)


UOL Esporte: A torcida pode sonhar com grandes contratações? Guerrero e Diego são exemplos. Curiosamente, os dois só chegaram no meio da temporada. É possível reajustar o valor para investimento em reforços?
Pedro Paulo: Ainda buscamos mais uns dois jogadores para compor o elenco. Não é também para ter expectativa de grandes contratações agora. Pode acontecer de não conseguirmos algo que se encaixe em nossa modelagem financeira. Uma janela no meio do ano facilita em razão de receitas a mais. A readequação orçamentária é feita sempre em todo o meio de ano. Deveremos ter mais receitas. Sou otimista e acredito que faremos mais principalmente na questão de patrocínio. Tudo isso nos ajuda a alterar o panorama do futebol.
Gilvan de Souza/ Flamengo
O vice de futebol Flávio Godinho comanda o departamento ao lado de Rodrigo Caetano

UOL Esporte: O modelo utilizado pelo Flamengo no mercado faz o clube perder boas oportunidades de negócio?
Pedro Paulo: Certamente. Mas não podemos flexibilizar em relação a isso. É um trabalho muito maior. Nenhum clube também tem dinheiro para pagar as fortunas que são pedidas nas negociações. Se você abandona a linha de trabalho, cai muitas vezes em um caminho complicado. O Flamengo honra os seus pagamentos. Não entramos em nenhum negócio sem a certeza de que cumpriremos as obrigações. Foi assim com Guerrero, Diego e todas as outras contratações.

UOL Esporte: E se a tão falada oportunidade de mercado surgir agora. O Flamengo vai deixar passar? Como resolver e reforçar o elenco?
Pedro Paulo: O Flamengo pode não ter o dinheiro agora, mas possui toda uma capacidade de investimento. Somos conscientes e responsáveis. É um desafio enorme para o Flávio Godinho [vice-presidente de futebol] e para o Rodrigo Caetano [diretor executivo de futebol]. Eles entendem que é uma forma de gestão, mas é um modelo diferente do praticado pelo mercado. Se acontecer essa falada oportunidade, teremos a possibilidade de pedir empréstimos e resolver. Aprovamos até R$ 50 milhões em empréstimos no orçamento. Mas isso é para todo o clube, não apenas futebol. Já pegamos R$ 10 milhões para pagamentos no início do ano, quando não temos bilheteria e outras receitas. Foram R$ 12 milhões em outro modelo para a construção da Arena da Ilha. O total é de R$ 62 milhões nessa alternativa. Se for o caso, pedimos o empréstimo e em duas semanas levantamos o dinheiro no mercado.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos