Palmeiras domina, mas desperdiça muitas chances e só empata com a Ponte

José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo

O Palmeiras dominou o jogo inteiro contra a Ponte Preta neste domingo (29). Quase não viu seus goleiros trabalharem. Mas perdeu tantas oportunidades que viu o ditado "quem não faz toma" entrar em campo. Depois de abrir o placar, foi sofrer o empate com pênalti já aos 45 minutos do 2º tempo. O 1 a 1 faz o tabu continuar: a equipe de Campinas nunca perdeu no Allianz Parque. 

O gol dos donos da casa começou em jogada de Dudu e Zé Roberto e foi marcado por Lucas Barrios, que havia sido xingado minutos antes por desperdiçar chance incrível em passe de Michel Bastos. Não à toa, o paraguaio fez o sinal de "sai zica" na hora de comemorar. Seu último gol tinha sido marcado em agosto. O empate veio na batida de pênalti cometido por Rafael Marques. Ramón venceu Jaílson. 

O campeão brasileiro mostrou que está com o entrosamento em dia, apesar da mudança tática (o time agora joga no 4-1-4-1). Além disso, ainda deixou claro que será extremamente perigoso em bolas aéreas, Felipe Melo se juntou aos já perigosos Vitor Hugo e Edu Dracena, sem nem contar Yerri Mina, que só volta na 2ª rodada do Estadual. 

A ideia de Eduardo Baptista era utilizar todos os atletas que estavam no banco de reservas, mas ele mudou de planos no segundo tempo e só fez duas trocas . Na entrevista de sexta-feira, ele tinha avisado que o amistoso precisaria ser levado como se fosse jogo e não mais como teste, a exemplo do que tinha acontecido contra a Chapecoense. A partir dos 30 minutos do 2º tempo, as trocas passaram a ser mais constantes. 

O Palmeiras agora se prepara para enfrentar o Botafogo no Allianz Parque, no próximo dia 5 de fevereiro, na estreia do Paulistão, às 17h. No mesmo dia, mas às 19h, em Campinas, a Ponte Preta joga contra a Ferroviária. 

Cucabol em dia

O jogo foi o primeiro de Eduardo Baptista no comando no Allianz Parque, mas a torcida palmeirense pôde ver que uma das principais armas do time de Cuca continua: a bola na área. Logo no primeiro lance de perigo, Dudu pegou lateral e colocou Willian na cara do gol. Depois disso, Vitor Hugo e Felipe Melo, principalmente, desperdiçaram diversas chances de cabeça. Agora, o time fica posicionado com dois jogadores na hora de bater a bola parada para confundir o adversário.

Massacre alviverde no primeiro tempo

Fernando Prass quase não tocou na bola. De longe, viu Aranha trabalhar bastante. Em um único lance, o goleiro viu a bola bater duas vezes na trave e ainda conseguiu evitar em uma terceira tentativa. Willian fez boa jogada e tocou para Tchê Tchê, que parou no poste. Em seguida, Dudu pegou o rebote e rolou para Veiga, que acertou em cheio no travessão.

Depois disso, Roger Guédes, Felipe Melo, Vitor Hugo e Edu Dracena desperdiçaram pelo menos mais quatro chances. Nos casos dos três últimos, todas em jogadas aéreas. O time alviverde mostrou que se já era forte nesse aspecto no ano passado, ficará ainda mais em 2017.

Música especial para Felipe Melo

O experiente volante mostrou que será peça importante do meio-campo. Comandou a marcação e apareceu diversas vezes no ataque, inclusive com chutes de fora da área. Antes mesmo disso, já tinha caído no gosto da torcida e teve canção especial: "O bagulho é louco, Felipe Melo, Pitbull, Cachoro Louco". Depois foi substituído por Michel Bastos, seu companheiro de Copa do Mundo de 2010.

MIGUEL SCHINCARIOL/ESTADÃO CONTEÚDO

Testes no segundo tempo

Assim que foi para o segundo tempo, Eduardo Baptista tratou de fazer testes. Colocou Vitinho e Barrios nos lugares de Veiga e Willian. Alguns minutos depois, ainda colocou Michel Bastos no lugar de Felipe Melo. A troca não mudou a tônica da partida. O Palmeiras dominou as ações e levou muito perigo ao gol de Aranha, especialmente em bolas aéreas.

MIGUEL SCHINCARIOL/ESTADÃO CONTEÚDO

Não pode, Barrios!

O palmeirense já não tem tanta paciência com Lucas Barrios, e o paraguaio não colabora... Ele perdeu um gol claro após cruzamento de Michel Bastos. Estava ele, a rede e o gol. Aranha já tinha parado na jogada. A torcida não perdoou. E pior, antes disso, já havia desperdiçado duas chances. O perdão veio minutos depois com o cabeceio que abriu o placar após cruzamento de Zé Roberto. 

Paz e fim do BBB

Antes da partida, a WTorre colocou no telão do estádio uma frase boas-vindas para o presidente do clube, Maurício Galiotte. A construtora, responsável pelo Allianz Parque, também retirou a câmera "BBB" que vigiava todos os passos de Paulo Nobre, ex-mandatário, no camarote do presidente do Palmeiras. Não é segredo que a empresa não tinha boa relação com Nobre. 

Reprodução/Facebook

Amistoso?

A Ponte Preta mostrou que não estava tão afim assim de jogar em clima amistoso. Em uma das bolas, reclamou de uma suposta falta de fair play e partiu para a briga com os jogadores alviverdes. Foram quatro cartões amarelos e um vermelho, para João Vítor, ex-volante palmeirense. Vitinho também recebeu advertência, mas por simulação.

Moisés vira comentarista por um dia

Fora de ação por se recuperar de uma cirurgia, Moisés aproveitou o intervalo do jogo para dar uma de comentarista na TV Globo. O meio-campista fez comentários breves sobre o jogo e brincou com a boa atuação da sua equipe: "Não vejo a hora de jogar. O Raphael está aí, jogando muito. A concorrência aumentou muito este ano".

Gramado e público

Dois pontos ficaram abaixo do esperado na partida deste domingo no Allianz Parque. O gramado estava longe de seus melhores dias. Seco e com muita areia, dificultou as jogadas em alguns momentos. O público também decepcionou no reencontro do torcedor com a equipe campeã brasileira. Apenas 15.878 pessoas prestigiaram o amistoso. Dos 66 jogos (incluíndo o deste domingo) do Palmeiras no Allianz Parque, apenas seis não tiveram público superior a 20 mil pessoas.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 1 X 1 PONTE PRETA

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data/Hora: 29 de janeiro de 2017, às 17h
Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias de Araújo (SP)
Assistentes: Rogério Pablos Zanardo e Alex Ang Ribeiro
Renda/ público: R$ 795.982,50/ 15.878 pagantes
Cartões amarelos: João Vitor, Wendel, Matheus Jesus e Jadson (PON); Vitinho (PAL)
Cartão vermelho: João Vitor (PON)

GOLS: Barrios, aos 29'/2T (1-0); Ramon, aos 44'/2T (1-1)

PALMEIRAS: Fernando Prass (Jailson, aos 37'/2T); Jean (Fabiano, aos 23'/2T), Edu Dracena (Thiago Martins, aos 37/2T), Vitor Hugo e Zé Roberto (Egídio, aos 34'/2T); Felipe Melo (Michel Bastos, aos 12'/2T), Róger Guedes (Erik, aos 30'/2T), Tchê Tchê (Thiago Santos, aos 32'/2T), Raphael Veiga (Vitinho, intervalo) e Dudu (Rafael Marques, aos 30'/2T); Willian (Barrios, intervalo).
Técnico: Eduardo Baptista.

PONTE PRETA: Aranha; Nino Paraíba (Emerson, aos 22'/2T), Fábio Ferreira (Reinaldo, aos 22'/2T), Kadu (Marlon, aos 22'/2T) e João Vitor; Jeferson (Fábio Braga, aos 22/2T), Clayson (Naldo, aos 10'/2T), Wendel (Ravanelli, intervalo (Erick Sales, aos 37'/2T)), William Pottker (Ramon, aos 19/2T) Matheus Jesus (Jadson, aos 14'/2T) e Lucca (Lins, aos 21'/2T).
Técnico: Felipe Moreira.

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos