Follmann relembra tragédia e faz homenagens a vítimas de acidente da Chape


Do UOL, em São Paulo (SP)

  • UOL

    Follmann se recordou da tragédia e produziu um texto nesta quinta-feira (29)

    Follmann se recordou da tragédia e produziu um texto nesta quinta-feira (29)

Há dois anos, o dia 29 de novembro marcou uma das maiores tragédias esportivas da história com a queda do avião da Chapecoense na Colômbia. Ao mesmo tempo, a data significa o renascimento para o ex-goleiro Jakson Follmann, um dos seis sobreviventes do acidente que vitimou 71 pessoas em 2016. O hoje embaixador do clube fez questão de homenagear os amigos mortos nesta quinta-feira (29).

Leia mais

Em texto publicado no seu Instagram, Follmann, que representou o clube no prêmio 'The Best' da Fifa neste ano, exibiu o sentimento com que encara as lembranças da tragédia.

Ao mesmo tempo em que lida com a gratidão por sobreviver, o antigo goleiro da Chape carrega a saudade dos até então companheiros de time, que iam disputar a final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional.

Há dois anos renasci, em meio ao sofrimento, tristeza, angústia e dor. Mas, amparado por uma rede de apoio que amenizou e ainda ameniza as marcas do meu renascimento. Cada ano que passa, acho que vai ser diferente, que a dor emocional e mental diminuirá, mas pelo contrário ela permanece. Hoje entendo que ela não passará, pois isso é parte que me constitui também, é a minha história. É ainda difícil de acreditar, pois a saudade do passado permanece a cada dia que coloco meus pés na Arena Conda. Não é querer viver desse passado, ou renegar o presente, pelo contrário, a saudade me faz dar ainda mais valor aos meus amigos, filhos, esposos,pais de família que perdemos no dia 29/11/2016. A saudade me faz dar ainda mais valor para história da Chapecoense que nossos eternos e grandes guerreiros construíram. Em meio aos destroços estou me refazendo, me reconstruindo, aprendendo e reaprendendo a viver. Aprendi a me permitir e viver em paz, com o coração leve, na certeza que Deus está cuidando de tudo e de todos. Se hoje tenho um sorriso estampado no rosto, é uma forma de valorização a todas as pessoas que me apoiam, transmitem carinho, em especial a minha família que é meu alicerce para todos os dias. . . Essa foto tem um significado especial, pois foi nesse local onde estou sentado que fui resgatado naquela noite. (Foto de 2017) Gratidão por todos aprendizados, gratidão por ter uma visão diferente de mundo na qual eu tinha. Gratidão pelas pessoas maravilhosas que me cercam, gratidão pela vida ? #jamaisseraoesquecidos #saudadeeterna

A post shared by Jakson Follmann (@jaksonfollmann) on

Além de Follmann, a mulher do também goleiro Danilo se manifestou sobre o ocorrido, em depoimento cedido à repórter Luiza Oliveira, do UOL Esporte, e publicado na manhã desta quinta.

Outro sobrevivente a comentar sobre a data foi Rafael Henzel. O jornalista postou um vídeo no Twitter no qual agradece a médicos, enfermeiros e anônimos que ajudaram de alguma forma - seja profissionalmente no atendimento ou resgate até mesmo quem apenas fez orações.

"Quero agradecer mais uma vez a Deus em primeiro lugar por permanecer aqui, a cada socorrista que procurou pelos sobreviventes. Pela insistência deles, eu estou aqui. A todos os médicos colombianos e enfermeiros, aos brasileiros, e a todas as pessoas que choraram pelas perdas e oraram pela vida dos sobreviventes, eu agradeço. Sou copo-cheio. Essa oração foi determinante para eu seguir minha vida. Que Deus conforte o coração daqueles que perderam", disse.
 

Confira o texto publicado por Jakson Follmann:

"Há dois anos renasci, em meio ao sofrimento, tristeza, angústia e dor, mas amparado por uma rede de apoio que amenizou e ainda ameniza as marcas do meu renascimento. Cada ano que passa, acho que vai ser diferente, que a dor emocional e mental diminuirá, mas, pelo contrário, ela permanece. Hoje entendo que ela não passará, pois isso é parte que me constitui também, é a minha história. É ainda difícil de acreditar, pois a saudade do passado permanece a cada dia que coloco meus pés na Arena Conda. 

Não é querer viver desse passado, ou renegar o presente, pelo contrário, a saudade me faz dar ainda mais valor aos meus amigos, filhos, esposos, pais de família que perdemos no dia 29/11/2016. A saudade me faz dar ainda mais valor para história da Chapecoense que nossos eternos e grandes guerreiros construíram. 

Em meio aos destroços estou me refazendo, me reconstruindo, aprendendo e reaprendendo a viver. Aprendi a me permitir e viver em paz, com o coração leve, na certeza que Deus está cuidando de tudo e de todos. Se hoje tenho um sorriso estampado no rosto, é uma forma de valorização a todas as pessoas que me apoiam, transmitem carinho, em especial a minha família que é meu alicerce para todos os dias.

Essa foto tem um significado especial, pois foi nesse local onde estou sentado que fui resgatado naquela noite. (Foto de 2017)

Gratidão por todos aprendizados, gratidão por ter uma visão diferente de mundo na qual eu tinha. Gratidão pelas pessoas maravilhosas que me cercam, gratidão pela vida"

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos