Topo

Futebol


O que esperar de Rodolfo Landim presidente do Flamengo até 2021?

Rodolfo Landim ao lado da mulher e dos filhos: novo presidente dirige o clube até 2021 - Divulgação
Rodolfo Landim ao lado da mulher e dos filhos: novo presidente dirige o clube até 2021 Imagem: Divulgação

Leo Burlá e Vinicius Castro

Do UOL, no Rio de Janeiro

09/12/2018 04h00

Rodolfo Landim foi eleito presidente do Flamengo para o triênio 2019-2020-2021. O executivo do petróleo tomará posse ainda no mês de dezembro em substituição ao mandatário Eduardo Bandeira de Mello. Durante a campanha, o opositor utilizou um discurso firme para questionar as atitudes da atual diretoria e os erros no comando do futebol. Prometeu uma postura diferente e a busca por títulos de expressão. 

"É bastante emocionante ver esse projeto coroado de sucesso. Existe uma frase que diz que "onde você encontra um rubro-negro, você vai encontrar um amigo". O Flamengo unido é imbatível", disse ele em seu primeiro pronunciamento.

O UOL Esporte reuniu as principais promessas de campanha do novo presidente do Flamengo para que o torcedor acompanhe a gestão que assumirá o clube mais popular do país.

1 - Rédea curta no futebol

O carro-chefe do Flamengo será comandado por Marcos Braz, que volta ao cargo de vice-presidente de futebol após o título brasileiro em 2009. Um comitê com cinco integrantes dará o suporte ao cartola para as decisões na pasta. Além de investimentos importantes no elenco, Rodolfo Landim prometeu uma conduta diferente da que ficou conhecida sob o comando de Bandeira de Mello.

"Entendo que o papel do presidente não é entrar em vestiário e assistir treino. O papel é liderar a gestão do clube e cobrar resultados. Claro que teremos um VP de Futebol e um comitê para ajudá-lo. Não é a minha vontade frequentar essa área. Se um dia eu for lá, a casa caiu [risos]. Você não vai me ver lá. Não quero atrapalhar o trabalho das pessoas. Ir raramente é uma coisa, viver lá dentro não existe. É necessário cobrar. O que sinto no Flamengo é que se trata de uma grande instituição em que tudo está sempre bom. Todo mundo confortável com os seus respectivos empregos. O presidente do Flamengo precisa cobrar, não pode se omitir. É um ambiente de mediocridade. Todo mundo médio, satisfeito... As grandes modificações foram de fora para dentro. Essa diretoria só andou na base da pressão. Esperamos melhores resultados com a estrutura que implantaremos. Eu nunca vi um ambiente solto funcionar. Se cobraram os jogadores, não existiu percepção disso. Um ambiente com sangue nos olhos é outra coisa. Mas vejo o plantel do Flamengo bom. O desempenho pode mudar com uma gerência diferente. A minha vida empresarial já mostrou isso. Mudanças inimagináveis. Você nem acredita que a equipe é a mesma. Acho que esses jogadores, nas mãos de um processo de liderança diferenciado, podem apresentar resultados diferentes também".

2 - Melhorar o contrato e participar da administração do Maracanã

O presidente eleito do Flamengo descartou a possibilidade de construção de um estádio próprio neste momento. Para Landim, tal iniciativa só traria impacto para os cofres do clube, que ainda vive uma transição financeira. A ideia é ser protagonista na administração do Maracanã.

"A torcida pode ficar tranquila. Não vamos cometer factoides d dizer que construiremos estádio rápido, nada disso. Tudo aqui tem planejamento. O nosso primeiro objetivo é o Maracanã. Temos contrato e queremos melhorá-lo. De preferência, participando da gestão. O que o Flamengo sempre quis foi estar na operação do Maracanã e fazer parte do consórcio. Um estádio para o Flamengo é só com mais de 40 mil lugares. Qualquer coisa menor do que isso não existe. É preciso pensar grande, pensar Flamengo. Não dá para fazer a Ilha do Urubu por R$ 20 milhões e jogar 20 vezes. Não faço maluquice. Isso é muito sério. O ideal é uma nova licitação do Maracanã. Não é a única solução, mas é a ideal".

3 - Atenção com as finanças do clube

Ao contrário do que se imagina, Rodolfo Landim garantiu durante a campanha que a situação financeira do Flamengo não está resolvida. Ele prometeu rever contratos e melhorar a relação custo-benefício em todos os setores do Rubro-negro, principalmente no futebol.

"O clube melhorou a receita, mas também gastou muito mais do que precisava. Existem vários contratos que foram feitos. Caros e de longo prazo. Isso vai onerar a folha nos próximos anos. O ponto é: a situação financeira do Flamengo não está resolvida. Precisamos alcançar um panorama melhor, principalmente um custo-benefício mais vantajoso para o clube".

4 - Critérios e títulos nos esportes olímpicos

Além de um futebol forte, Rodolfo Landim quer títulos nos esportes olímpicos. Rever contratos na pasta também faz parte do pacote de promessas do novo mandatário rubro-negro. 

"O Flamengo se transformou no clube de um esporte olímpico: basquete. Você contrata jogadores caros e precisa pagar. Isso impacta nos outros esportes. O basquete gasta mais do que 50% do orçamento. É conversa dizer que está tudo bem. O judô não tem dinheiro para inscrever em competição, a natação também. Três salários do Anderson Varejão vestiriam todos os atletas do Flamengo em um ano inteiro. Existe modalidade que não tem uniforme. Critérios precisam ser criados. O Flamengo é um clube de regatas que deixou de ganhar no remo. Tem muita coisa errada".

5 - Lutar pela união das correntes políticas

A campanha eleitoral foi repleta de polêmica e discussões entre situação e oposição. Landim, inclusive, entrou com processos após análise policial contra alguns integrantes do grupo SóFla (Sócios Pelo Flamengo). Com o fim do pleito, no entanto, ele espera unir ao máximo o clube, de forma que o governo tenha tranquilidade para conduzir as ações no próximo triênio.

"O nosso projeto foi para unir o Flamengo. Conseguimos trazer quase todos os grupos. Estão todos alinhados, com a exceção de um [SóFla]. A ideia é trazer para o clube um bom ambiente. Serei presidente do Flamengo e de todos os rubro-negros. Apesar de toda campanha para desconstruir a minha imagem, feita pelo desespero de perder o poder, pretendo chamar todos para uma boa convivência. Nesse grupo também existem boas pessoas e boas ideias. Serão bem-vindos. São rubro-negros. Alguns deles vão responder criminalmente pelos ataques que fizeram, mas a nossa ideia é unir o clube o máximo que possível".

Mais Futebol