Topo

Corinthians

Comprar ingresso
Comprar ingresso

Rosenberg cita até "mulher com HIV" para explicar naming rights travado

Divulgação/Corinthians
Rosenberg, diretor de marketing do Corinthians, e Bruno Sousa, representante da Orthopride Imagem: Divulgação/Corinthians

Do UOL, em São Paulo

2019-02-21T13:32:30

21/02/2019 13h32

O diretor de marketing do Corinthians, Luis Paulo Rosenberg, acredita que o contexto do futebol brasileiro ajuda a explicar a dificuldade que o clube tem para vender os naming rights da Arena. Em entrevista à "ESPN Brasil", ele usou uma analogia citando uma mulher com teste de HIV positivo para explicar o seu ponto de vista.

"O apelo da marca Corinthians é tão grande que temos quatro grandes grupos muito interessados em vir. É mais ou menos... Eles se sentem na situação de estar vendo a esposa perfeita, com dotes culinários, formada com MBA no exterior, uma mãe de filhos maravilhosos, mas parece que tem um teste de Aids positivo. Como é que eu encaixo a camisinha é o grande desafio", disse. Vale lembrar que, na verdade, o teste identifica a presença do vírus HIV no corpo, e não da doença que pode desenvolver no futuro, a Aids.

A frase teve repercussão na internet, com críticas de torcedores no Twitter pela comparação. Em contato com o UOL Esporte, Rosenberg explicou o sentido da analogia.

"O sentido é que você tem uma marca de grande reverberação (o Corinthians), só o que as empresas veem (no cenário do futebol brasileiro e sul-americano) deixam elas assustadas. O evento que aconteceu no Rio (confusão antes de Vasco x Fluminense), a final da última Libertadores, essa notificação da Conmebol (sobre atraso nas inscrições), esse ambiente de imprevisibilidade torna mais difícil fazer uma empresa investir por 20 anos", disse.

Antes, na entrevista à "ESPN Brasil", Rosemberg fez uma longa explanação sobre o que em sua opinião trava um acordo, mesmo depois de cinco anos da inauguração do estádio. Além deste ambiente citado, ele citou a recessão econômica e perda de influência de TV aberta. 

"Naming rights é muito importante e estava no planejamento da Arena desde o começo. Nos 11 anos do financiamento, era sabido que usaríamos para pagar a arena(...).  Nós sabíamos que a renda seria usada para pagar isso. O ganho estava no naming rights. Pagar para colocar na arena, associar à nossa marca, seria o ganho".

"Infelizmente o Brasil entrou na recessão logo em seguida. Mas não é só a recessão. Vocês estão sentindo. A TV aberta agora não é o que era. Está minguando e estão mais para a internet. Você precisa concentrar o foco. A ESPN está blindada porque é nicho. Agora uma TV aberta tem novela, o Jornal Nacional, está sofrendo muito. Não é o mesmo atrativo do que era 20 anos atrás. Mas existe", disse.

"É um contrato de 20 anos. Você pega o naming rights e uma decisão muito complicada para o empresário. Custa 30, 40 milhões. Mas quando estamos falando de faturamento de 15 bilhões, não é nada. O que pega é poder se envolver (em um ambiente desfavorável). Veja o evento como o domingo passado no Rio. O departamento de marketing (de um clube) de São Paulo pode até vir e dizer 'Hahaha, o circo está pegando fogo'. Não. Atinge o Corinthians também, é reputação mundial. A sensação de zorra complica a minha vida. Tudo isso é um complicador", completou.