Topo

Santos

Centroavantes do Santos somam 16 jogos e nenhum gol marcado em 2019

Siga o UOL Esporte no

Eder Traskini

Colaboração para o UOL, em Santos

2019-03-21T04:00:00

21/03/2019 04h00

O Santos ainda não encontrou um dono para a sua grande área ofensiva. O diminuto espaço onde reinam os centroavantes segue sem nenhum jogador para chamar o terreno de seu. Neste ano, quatro já tentaram, 16 vezes ao todo, mas ninguém encontrou o caminho das redes.

O técnico Jorge Sampaoli já testou os quatro centroavantes que tem a disposição no elenco: Felippe Cardoso, Eduardo Sasha, Yuri Alberto e Kaio Jorge. A matemática de um atleta que atua nessa função é simples: nenhum deles fez um gol sequer, ou seja, ninguém agradou.

Felippe Cardoso foi quem mais teve chances. Após iniciar o ano como titular, ele perdeu alguns jogos por uma contusão sofrida, mas soma sete partidas ao todo. Conseguiu ao menos uma assistência, mas não marcou nenhum gol.

Preterido no início da temporada, Eduardo Sasha recuperou seu espaço no elenco e foi o segundo centroavante que mais atuou, com cinco jogos. É bem verdade que o jogador por vezes jogou fora da área, mas quando fez o papel de camisa 9 também não foi bem. Concedeu uma assistência, mas também não balançou as redes.

O jovem Yuri Alberto, de 17 anos, somou três oportunidades no ano. Sua grande chance foi na estreia do Peixe na temporada, quando substituiu Bruno Henrique, cortado de última hora após ser negociado com o Flamengo. No entanto, ele não foi bem e, depois disso, pouco entrou.

Quem menos teve chances foi Kaio Jorge. O mais jovem entre os quatro, Kaio subiu ao profissional no ano passado, aos 16, mas uma arrastada negociação pela renovação de contrato acabou tirando dele oportunidades que começavam a aparecer com Cuca. Neste ano entrou em apenas uma partida e atuou por somente oito minutos, pouco para demonstrar seu potencial. Havia expectativa de que ele começasse jogando diante do Botafogo após ter treinado no time titular, mas o centroavante sequer entrou na segunda etapa.

A busca por um camisa 9 parece não ter fim no Peixe. O problema se arrasta desde o início da gestão do presidente José Carlos Peres no Santos, no ano passado. Mesmo nos momentos de alta de Gabigol, que terminou como artilheiro do Campeonato Brasileiro no ano passado, o clube seguia em busca de um atleta com características de área.

Muitos nomes já foram tentados pelo mandatário santista para solucionar o problema, mas não houve sucesso em nenhuma das negociações - exceto na contratação de Felippe Cardoso junto a Ponte Preta, mas o centroavante não se firmou até aqui. Somente neste ano o Santos tentou os argentinos Gigliotti e Nicolás Blandi, de Independiente e San Lorenzo respectivamente, e os brasileiros Raniel e Alexandre Pato.

Sem um atleta de confiança para a função, o técnico Jorge Sampaoli tem utilizado o paraguaio Derlis González como falso 9 na maioria dos jogos, mas Jean Mota e Rodrygo já chegaram a exercer a função e até Copete, em determinados momentos de alguns jogos, atuou por aquela faixa do campo.

Derlis é um dos principais jogadores do Santos no ano e, atualmente, o titular da função. Ele soma seis gols e cinco assistências em 2019, mas desfalca o Santos na partida de ida das quartas de final do Campeonato Paulista, neste final de semana, contra o Red Bull Brasil por causa da convocação para os amistosos da seleção do Paraguai na data FIFA. Sampaoli terá problemas para encontrar seu substituto.