Topo

Futebol


Bragantino se aproxima de Red Bull e vê acordo encaminhado para Série B

@RedBullFutebol/Twitter
Imagem: @RedBullFutebol/Twitter

Do UOL, em São Paulo

2019-03-24T23:51:45

24/03/2019 23h51

O Red Bull Brasil está perto de fechar um acordo de parceria com o Bragantino para a disputa da Série B do Campeonato Brasileiro. A informação foi divulgada hoje pelo próprio presidente do Braga, Marquinho Chedid, em entrevista à rádio 102 FM, de Bragança Paulista.

A informação já vinha sendo especulada pelo menos desde o começo de março, quando os rumores ganharam força. O Oeste, atualmente em Barueri, também era cotado - a diretoria rubro-negra admitiu ter sido procurada, mas descartou a possibilidade. O Bragantino, por sua vez, admitiu uma possível parceria envolvendo a cessão de atletas.

Segundo Chedid, a situação deve ser definida até 31 de março ou 1º de abril. "O Bragantino está em uma encruzilhada. Ou vai ser um time pequeno e desaparecer, ou vai ser um grande time. E essa oportunidade que nós estamos tentando viabilizar é única", disse. "Nós temos que fazer o Bragantino ser grande. E uma oportunidade dessa é única."

Em seu discurso, Marquinho Chedid disse que a tendência é que o Red Bull Brasil acabe "e fica o Bragantino". "Não sei, é uma decisão deles", explicou.

Embora a parceria não esteja oficialmente garantida, o presidente do Bragantino já deixou claro alguns detalhes a respeito. É possível que o clube mantenha o nome de Clube Atlético Bragantino, embora o nome do Red Bull na equipe possa ser acrescentado. O acordo ainda asseguraria reformas no estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança, e um centro de treinamentos para o clube.

"Não vejo problema nenhum de botar (o nome) RB Bragantino. Vai jogar aqui, no estádio do Bragantino - é o Bragantino que tem a vaga. Deixa eles investirem. Eles têm um orçamento para esse ano de R$ 45 milhões para a Série B. Também está sendo conversado e colocado dentro do projeto um centro de treinamento", disse Marquinho Chedid.

"Falta uns detalhes aí de como ser, como fazer, qual é a forma, qual é o investimento, de folha de pagamento. Tem detalhes para ser acertado. Vai ter arena, claro. Dentro do projeto, está (fazer) melhorias do estádio Nabi Abi Chedid. Eles vão investir R$ 45 milhões neste ano. Quer mais do que isto? É muito dinheiro. Para subir à primeira divisão (do Campeonato Brasileiro), para reformar. Nós fazemos orçamento de R$ 6 milhões e estamos falando em 45 (milhões)", acrescentou.

Siga o UOL Esporte no

Em sua entrevista, Chedid comparou a parceria ao acordo que a Crefisa tem com o Palmeiras - ou, nas palavras do próprio dirigente, "mais ou menos um departamento de uma empresa". E deixa incerta sua posição à frente do clube.

"A Crefisa banca lá. O futebol está assim, não tem jeito. Não posso chegar para a cidade e cobrar do torcedor dinheiro, plano disso, plano daquilo. Não vira mais isso. Não podemos sacrificar o torcedor e a cidade. O torcedor quer ver o time vencendo, não quer saber de onde vem o dinheiro. Agora mandar (no clube), deixar de mandar... Eu não tenho essa vaidade. Eu quero ver o Bragantino forte, continuo, eterno e sem problema."

A tendência neste primeiro momento, caso a parceria se concretize, é que os dois elencos sejam mantidos sob contrato. Assim, o Bragantino pode aproveitar o técnico Marcelo Veiga em um time B na Copa Paulista, enquanto o elenco principal disputa a Série B.

"Temos a obrigação de cumprir com nossos compromissos. Se o Marcelo tem contrato até 31 de dezembro, vai receber seus vencimentos, talvez em outra função. Vamos disputar a Copa Paulista também. Pode fazer um conjunto. Temos que viabilizar um projeto e ver com cada um o que vai fazer", disse Chedid, que espera "mesclar jogadores nossos com jogadores do Red Bull e jogadores de nível contratados". "Isso eu vou deixar para o Red Bull resolver. Isso eu não vou interferir", explicou.

Assinada a parceria, Marquinho Chedid não vê um prazo para encerrá-la.

"A Red Bull tem dois times de Fórmula 1, tem três times internacionais (Alemanha, Áustria e Estados Unidos). Tem que dar graças a Deus. O prazo é indeterminado", disse, mirando alto com o possível acordo. "Em alguns anos, se Deus quiser, estamos na (Copa) Sul-Americana, quem sabe na Libertadores. É um projeto audacioso."

Mais Futebol