Topo

D'Alessandro "reencontra lugar" e volta a ser protagonista no Inter

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

21/05/2019 04h00

D'Alessandro encontrou novamente seu lugar no time do Inter. Depois de perder a titularidade em 2018, e alternar entre banco e 11 iniciais no começo da temporada, o argentino de 38 anos retomou espaço na equipe de Odair Hellmann e, de quebra, o protagonismo que lhe acompanhou a maior parte do tempo.

Na temporada de retorno à elite do futebol brasileiro, o Colorado abraçou um estilo mais cauteloso de jogar. Preferiu rechear o meio-campo com jogadores de combate, marcadores, que dessem segurança à zaga. E os bons resultados no Brasileiro consolidaram a equipe.

Enquanto isso, D'Ale sofreu com algumas suspensões e lesões. Alijado do processo normal de disputa por vaga, acabou ficando para trás e conviveu com a inédita condição de reserva.

Fora de campo, seguiu sendo importante. A idolatria do torcedor, o apreço por auxiliar os mais jovens, a disponibilidade para atividades do clube, o respeito às decisões do técnico, tudo contribuiu para que o camisa 10 ganhasse ainda mais respeito no Beira-Rio.

Mas, como é sua característica, o gringo não estava satisfeito. Queria jogar, brigar por algo maior, ser protagonista. Até o fim do ano, alternou momentos dentro e fora do time. E nesta temporada a condição seguiu. O Inter oscilou no início do Gauchão e a posição na equipe acabou incerta.

No entanto, a comissão técnica vermelha percebeu que era momento de "dar outro passo". Consolidado depois do pior momento da história do clube, o perfil precavido aos poucos deu lugar a uma postura diferente e abriu lugar para a volta de D'Ale.

"A gente evoluiu e a equipe está bem madura para jogar das duas formas. Sabe o momento de puxar contra-ataque rápido ou trocar passes. O D'Alessandro se encaixa nesse cenário. Vamos avaliar jogo a jogo estrategicamente", disse o técnico colorado.

D'Alessandro atua preferencialmente nos jogos em casa, quando o Inter muda do 4-1-4-1 para o 4-2-3-1 com ele centralizado. Atrás do atacante, ele consegue distribuir jogadas e criar uma série de chances de gol. Com a qualidade conhecida, ainda que não tenha mais a mesma capacidade física de outros tempos, em um espaço curto de campo ele é absoluto.

D'Ale, ainda, foi beneficiado pela entrada de Nonato. Com o meio-campista mudando o perfil dos jogadores que vem de trás, o time transformou seu processo criativo do embate físico para os toques curtos, da profundidade no espaço para as tramas aproximadas. E é exatamente este o jogo preferido do argentino, que iniciou a jogada do primeiro gol contra o CSA, no domingo (veja o vídeo acima).

"Todos os jogadores são importantes nisso. Se consegue trabalhar no dia a dia para fazer acontecer essa ideia. Titular ou não é questão de dia a dia. Do jogo", completou Odair.

E ainda a lesão de Rodrigo Dourado reconduziu a braçadeira de capitão a D'Alessandro. E a confiança é tamanha na capacidade dele, que a direção iniciou debate interno para apresentar uma proposta de renovação de contrato. O vínculo atual vence no fim do ano e o gringo precisará decidir se irá ou não se aposentar. Enquanto em sua terra natal, o Racing admite interesse na contratação dele.