Topo

Futebol


Venezuelanos "brasileiros" aproveitam jogo para apoiar a seleção

Grupo de torcedores venezuelanos que moram no Rio Grande do Sul prontos para jogo na Arena - Marinho Saldanha/UOL
Grupo de torcedores venezuelanos que moram no Rio Grande do Sul prontos para jogo na Arena Imagem: Marinho Saldanha/UOL

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

15/06/2019 14h48

A crise na Venezuela afasta os torcedores da Copa América. Mas não evita a presença dos fãs na partida de estreia contra o Peru, na Arena do Grêmio, hoje (15), a partir das 16h (de Brasília). Imigrantes que moram nas cidades próximas estão animados com a boa fase da "Vinotinto".

"É um trabalho feito há muito tempo, estamos melhorando muito, é a melhor Venezuela da história", disse Jose Jamillo, ao UOL Esporte, no bom português de quem mora há bastante tempo no país.

Vestidos com a camisa da seleção, enrolados em bandeiras, os grupos de venezuelanos encontrados pela reportagem nos arredores do estádio gremista, sem exceção, já residiam no Brasil.

Jamillo, por exemplo, estava acompanhado por Marcedes Almeida, Xiang Chang, Ninosca Torres e Daniel Pino, todos venezuelanos que moram em São Leopoldo, na região metropolitana de Porto Alegre, há aproximadamente um ano.

"Viemos quando começou a crise, porque ela já dura há muito tempo", disse Mercedes.

Outros cinco grupos de venezuelanos abordados próximos da Arena, todos já moram no Brasil, nas cidades de Canoas, Novo Hamburgo, Caxias e Esteio.

Dificuldades e retorno

A crise no país se reflete em praticamente todos os setores. O grupo de jornalistas que demorou cinco dias para chegar a Porto Alegre, viajando mais de sete mil quilômetros, cuja história foi contada pelo UOL Esporte, por exemplo, não tinha hotel para pernoitar. Mas, graças ao apoio da ACEG (Associação dos Cronistas Esportivos Gaúchos), um hotel parceiro da entidade cedeu uma diária para o grupo.

A intenção de um deles, por exemplo, sequer é voltar para o país. A meta é começar "do zero" no Brasil. Antes, o plano é seguir a seleção nos jogos contra Brasil e Bolívia e quem sabe mais adiante na Copa América.

Mais Futebol