Topo

Esporte


Fora da Copa América, Valdivia vira palpiteiro e torcedor do Chile

Ale Cabral/AGIF
Jorge Valdivia usa as redes sociais para comentar a participação chilena no torneio Imagem: Ale Cabral/AGIF

Diego Salgado, José Edgar de Matos e José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo (SP)

2019-06-25T04:00:00

25/06/2019 04h00

Jorge Valdivia é uma das grandes ausências da Copa América. Um dos principais jogadores chilenos da geração bicampeã do torneio da Conmebol, o veterano de 35 anos do Colo-Colo acabou fora da lista de Reinaldo Rueda, mas adotou uma postura bem ativa em relação à competição. Fora do elenco, o ex-Palmeiras virou palpiteiro, torcedor e provocador.

O campo de Valdivia nesta edição de 2019 se encontra nos microfones e nas redes sociais. Campeão pelo Chile em 2015, o jogador usa o Twitter, principalmente, para comentar os jogos, a seleção vermelha e as questões relacionadas ao torneio, como as costumeiras críticas ao estado dos gramados.

"Sim, de casa se vê um lindo e bom campo. Mas, na verdade, é muito ruim. A umidade é terrível e o gramado arenoso. Seguramente, os equatorianos estão mais acostumados", postou no último dia 21, enquanto o Chile enfrentava o Equador na Arena Fonte Nova. O atual bicampeão venceu por 2 a 1 e assegurou a vaga antecipada nas quartas de final.

Como analista, Valdivia aparece no grupo dos defensores da manutenção dos veteranos pertencentes à geração vitoriosa. A falta de renovação na equipe titular, alvo de críticas sobre o trabalho de Reinaldo Rueda, é vista com outro olhar pelo meia que atuou no Palmeiras.

"Sánchez e Vidal impõem respeito só de estarem em campo. (...) Chile ganhou, assim como diz o Pitbull [Medel]: vão tomar, garotinhos", escreveu depois da vitória sobre os equatorianos.

A animação com o desempenho chileno se abraça também ao lado provocador do jogador, responsável por criar uma idolatria em muitos palmeirenses e antipatia nos rivais. Antes mesmo da definição do adversário nas quartas de final, Valdivia alfinetava os possíveis adversários no mata-mata.

Resumo: Chile classificado

"Perdendo, a gente encara a Colômbia; ganhando, o Peru. São dois rivais que, na minha visão, nossa seleção pode ganhar facilmente", declarou em um evento ocorrido ontem (24), no Chile.

Agora com a Colômbia como adversário definido para sexta-feira (28), às 20h (de Brasília), na Arena Corinthians, resta saber se a análise confiante de Valdivia tem base. O Chile, sem o 'Mago' no grupo dos 23 atletas - ele também não estava em 2016 -, luta por um tricampeonato que não ocorre desde 1947, quando a Argentina levantou a taça três vezes consecutivas.

Mais Esporte