Topo

Futebol


Por que Salvador foi a única cidade do Nordeste a receber grandes jogos

Jogo entre a seleção brasileira e a Venezuela teve público superior a 42 mil pessoas na Arena Fonte Nova - Lucas Figueiredo/CBF
Jogo entre a seleção brasileira e a Venezuela teve público superior a 42 mil pessoas na Arena Fonte Nova Imagem: Lucas Figueiredo/CBF

Gabriel Carneiro

Do UOL, em Salvador

29/06/2019 04h00

Entre quatro estádios do Nordeste que sediaram jogos da Copa do Mundo de 2014, só um seguiu relevante em cenário internacional ao receber o futebol nos Jogos Olímpicos de 2016 e também a Copa América neste ano: é a Arena Fonte Nova, em Salvador. O local foi palco de quatro partidas da primeira fase e hoje se despede da competição sul-americana com o embate entre Uruguai e Peru pelas quartas de final. Três razões principais explicam esta preferência: localização geográfica, índices de segurança pública e influência da federação local.

Enquanto Arena das Dunas (Natal), Arena Pernambuco (Recife) e Castelão (Fortaleza) aguardam o reinício das competições nacionais de diferentes divisões, a Arena Fonte Nova passou quase um mês cedida à Conmebol para realização dos jogos da Copa América. "Esperamos que a Bahia seja colocada como referência em operações durante grandes eventos", diz o coordenador da Operação Copa América na Bahia, coronel Marcos Oliveira

Um dos fatores levados em conta pela Conmebol na escolha de sua sede no Nordeste é a facilidade no fluxo de pessoas graças à localização geográfica, porque Salvador é mais perto das outras sedes (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre) do que as outras capitais nordestinas. A necessidade de deslocamentos curtos era uma exigência da entidade. A seleção uruguaia, por exemplo, jogou segunda-feira à noite no Maracanã e terça já havia desembarcado em Salvador para iniciar os treinos com foco nas quartas de final.

Além disso, um levantamento internacional feito pela organização mexicana "Seguridad, Justicia y Paz", baseado em dados oficiais de homicídios em 2018, colocou Natal e Fortaleza entre as dez cidades mais violentas do mundo. Salvador é só a 29ª deste ranking. Anteriormente, inclusive, já havia recebido elogios por ocasião da Copa do Mundo de 2014, quando os jogos tiveram efetivo de 1.200 policiais no entorno e na parte interna do estádio, com fechamento de vias, varredura interna, vistoria de veículos e esquemas especiais para autoridades, delegações e rotas de passagem de jogadores e centros de treinamento. Tanto é que até os estádios do Barradão e de Pituaçu foram repetidos como locais de treino nesta Copa América.

Também conta, ainda que esta não seja uma das posições oficiais da organização da Copa América, a influência interna de Ednaldo Rodrigues, presidente da Federação Bahiana de futebol por 18 anos e hoje um dos vice-presidentes da CBF a convite do mandatário máximo da entidade, Rogério Caboclo, com forte prestígio entre as federações do Norte e Nordeste. Hoje a federação é comandada por Ricardo Nonato de Lima.

A Copa América do Brasil, que teve a Bahia como única sede nordestina, fecha o ciclo de grandes eventos no país, iniciado com os Jogos Pan-Americanos de 2007, no Rio de Janeiro.

Mais Futebol