Topo

Esporte


Argentina supera expulsão de Messi e Chile para ficar com o terceiro lugar

Diego Salgado, José Edgar de Matos e José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo

06/07/2019 17h58

Mesmo sem contar com o brilho de Lionel Messi durante 90 minutos, a Argentina não teve dificuldade para vencer o Chile por 2 a 1 hoje (6) à tarde, na Arena Corinthians, em São Paulo, em sua despedida da Copa América. Os gols foram marcados por Agüero e Dybala, ainda no primeiro tempo. O chile descontou no segundo tempo com Vidal.

Com o resultado, a equipe do técnico Lionel Scaloni garantiu a terceira colocação no torneio continental. O triunfo também serviu como uma revanche, pois os argentinos tinham perdido as últimas duas decisões do torneio para os chilenos.

Os dois gols argentinos saíram ainda no primeiro tempo, quando Messi estava em campo. Agüero recebeu do camisa 10 e fez o primeiro. Pouco depois, Dybala, com categoria, também marcou o seu. Os chilenos descontaram com Vidal, de pênalti, após consulta do VAR, na etapa final.

Jogadores da Argentina com a medalha de bronze da Copa América - Luisa Gonzalez/Reuters
Jogadores da Argentina com a medalha de bronze da Copa América
Imagem: Luisa Gonzalez/Reuters

Quem foi bem

Dybala soube aproveitar a oportunidade que teve na equipe titular. O atacante apareceu como boa opção e não titubeou na finalização.

Dybala comemora seu gol contra o Chile - Marcello Zambrana/AGIF
Dybala comemora seu gol contra o Chile
Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

Quem foi mal

Nervoso desde o início do jogo, Medel pouco produziu dentro dentro de campo. Para piorar, ele ainda discutiu com Lionel Messi no lance que originou a expulsão da dupla.

Atuação da Argentina

Desde os primeiros minutos, a Argentina mostrava mais disposição. Bem organizada e com a categoria de Messi a seu favor, o time não teve dificuldade para construir a vantagem no primeiro tempo. Mesmo com a expulsão do camisa 10, após desentendimento com Medel ainda no primeiro tempo, a equipe teve tranquilidade para administrar o resultado e esperar o erro do adversário para atacar.

Sem Messi, o time perdeu a qualidade no passe e nas criações das jogadas. Assim, permitiu a melhora do rival, que marcou o seu e chegou a buscar o empate.

Atuação do Chile

O time bicampeão da Copa América estava perdido em campo. Desorganizado e pouco motivado, o Chile sofria para chegar ao ataque e não conseguia parar Messi e companhia. Para complicar ainda mais a situação, perdeu Alexis Sanchéz, lesionado, ainda no primeiro tempo.

A equipe teve mais disposição no segundo tempo. Na base da raça e com o apoio de parte da torcida, os chilenos passaram a chegar mais ao ataque. O gol saiu em cobrança de pênalti de Vidal. Depois, faltou um pouco mais de organização para empatar.

Vidal diminuiu de pênalti - Ueslei Marcelino/Reuters
Vidal diminuiu de pênalti
Imagem: Ueslei Marcelino/Reuters

Cronologia do jogo

A Argentina já parecia mais ligada no jogo desde os primeiros minutos. Por isso, não demorou para criar oportunidades. Aos seis minutos, Agüero arriscou um chute e quase marcou. Com a genialidade de Messi, os argentinos abriram o placar aos 11. O camisa 10 cobrou falta para deixar Agüero na cara do gol. O atacante conseguiu superar Arias e marcar.

Aguero comemora gol que abriu o placar em Itaquera - Ueslei Marcelino/Reuters
Aguero comemora gol que abriu o placar em Itaquera
Imagem: Ueslei Marcelino/Reuters

O time bicampeão mundial ampliou alguns minutos depois. Aos 21, Lo Celso encontrou Dybala, que com classe, mandou para o fundo das redes. O clima ainda ficou quente aos 38, no momento em que Messi dividiu bola com Medel. Os dois discutiram e acabaram expulsos. A torcida ficou revoltada e xingou o árbitro paraguaio Mario Vivar.

Messi e Medel foram expulsos no primeiro tempo da partida  - Ueslei Marcelino/Reuters
Messi e Medel foram expulsos no primeiro tempo da partida
Imagem: Ueslei Marcelino/Reuters

O Chile deu mais trabalho na segunda etapa. Após o árbitro consultar o VAR e anotar o pênalti - no lance em questão, Lo Celso atingiu Aránguiz dentro da área -, a equipe de Reinaldo Rueda fez o seu. Aos 13, Vidal cobrou com força, no meio do gol. A Argentina voltou a controlar o jogo e ter mais oportunidades.

Torcida aleatória, gritos homofóbicos e revolta

O público parecia perdido em alguns momentos do confronto. Gritos de "Timão", "sem mundial" e "vai Corinthians" eram escutados. Também havia quem revidasse e xingasse os alvinegros. Por outro lado, como é costume em partidas da Argentina no Brasil, a torcida criticava Maradona e exaltava Pelé. Os gritos homofóbicos também foram escutados na Arena. Quando o goleiro da Argentina, Armani, cobrava o tiro de meta, parte da torcida nas arquibancadas gritava "bicha". Com a expulsão de Messi, o estádio mirou a sua ira na direção do árbitro paraguaio, que impediu o craque do Barcelona de jogar o segundo tempo.

Pedido de casamento

Durante o intervalo, um momento inusitado levantou o público. Após cantar "Evidências" no karaokê, a torcedora Larissa recebeu o pedido de casamento do noivo. Ela aceitou e ganhou um beijo, para a alegria de todos nas arquibancadas.

Pedido de casamento exibido no telão fez a festa dos torcedores na Arena - José Martins/UOL
Pedido de casamento exibido no telão fez a festa dos torcedores na Arena
Imagem: José Martins/UOL

Zizito rouba a cena

Em seu adeus de São Paulo, a mascote da Copa América chamou a atenção na Arena Corinthians. Zizito teve parar inúmeras vezes para tirar fotografias com os torcedores. Até na hora de andar no elevador, surgiam os pedidos.

Jornalista tira foto com o mascote Zizito em Itaquera - José Edgar de Matos/UOL
Jornalista tira foto com o mascote Zizito em Itaquera
Imagem: José Edgar de Matos/UOL

FICHA TÉCNICA

ARGENTINA 2 x 1 CHILE

Data: 6 de julho de 2019, sábado
Horário: 16h (horário de Brasília)
Competição: Copa América (disputa do terceiro lugar)
Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)
Público: 41.573 pagantes (2.696 não-pagantes)
Renda: R$ 7.180.385,00
Árbitro: Mario Diaz de Vivar (Paraguai)
Auxiliares: Eduardo Cardozo e Dario Gaona (ambos do Paraguai)
VAR: Diego Haro (Peru)
Cartões amarelos: Paredes, Lo Celso, Foyth e Tagliafico (Argentina); Beausejour, Vidal e Pulgar (Chile)
Cartões vermelhos: Messi (Argentina); Medel (Chile)

Gols: Agüero, aos 12, Dybala, aos 21 minutos do primeiro tempo, e Vidal, aos 13 minutos do segundo tempo.

ARGENTINA: Armani; Foyth, Pezzella, Otamendi e Tagliafico; Paredes, De Paul e Lo Celso (Funes Mori); Messi, Agüero (Matías Suárez) e Dybala (Di María). Técnico: Lionel Scaloni

CHILE: Arias; Medel, Diaz e Jara (Maripán); Isla, Pulgar, Vidal, Aránguiz (Castillo) e Beausejour; Sánchez (Junior Fernandes) e Eduardo Vargas. Técnico: Reinaldo Rueda

Mais Esporte